Monumentos do jornalismo brasileiro

Um estudo das condições de produção de biografias e memórias dos profissionais da imprensa (1970-2010)

Autores

  • Vaniucha Moraes Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.168828

Palavras-chave:

Elite Jornalística, Biografias e Memórias, Sociologia das Elites, História da Imprensa, Sociologia da Cultura

Resumo

A premissa que sustenta a presente argumentação consiste na inferência segundo a qual a elite jornalística que se consolidou entre o período ditatorial e os anos de redemocratização se constituiu por meio de estratégias de legitimação e simbolização que podem ser deduzidas dos registros biográficos e memorialísticos de seus membros. A fim de perscrutar os processos de monumentalização de trajetórias e nomes consagrados investiga-se as condições de produção de livros de memórias, biografias, depoimentos para produção científica, registros destinados à entidades de classe e instituições voltadas à preservação da memória e da história datados entre a segunda metade do século passado e a primeira década do século 21. O objetivo é demonstrar por meio da análise das condições de produção – entendidas como contexto de publicação, autoria, origem na iniciativa e modelos textuais adotados – as potencialidades de tais registros para comprovar a existência material, política e intelectual de proeminentes personagens da história da imprensa brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABRAMO, Cláudio. A regra do jogo: o jornalismo e a ética do marceneiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

ABREU, Alzira Alves, LATTMAN-WELTMAN, Fernando; ROCHA, Dora. Eles Mudaram a imprensa: depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

ABREU, Alzira Alves.; ROCHA, Dora. Elas ocuparam as redações: depoimentos ao CPDOC. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

AZEVEDO, Carlos. Cicatriz da reportagem: 13 histórias que fizeram um repórter. São Paulo: Editora Papagaio, 2007. 404p.

BERGAMO, Alexandre. A escrita do presente: mudanças no status cultural do jornalismo. In: MICELI, Sérgio; PONTES, Heloísa (Org.). Cultura e Sociedade. São Paulo: Ed. Edusp. 2014. Pp.2014-239.

_____. Reportagem, Memória e História no Jornalismo Brasileiro. Mana [online]. 2011, vol.17, n.2, pp. 233-269. ISSN 0104-9313. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93132011000200001> Acesso em: 19 agosto de 2012

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 2005. pp. 74-82.

_____. As Regras da Arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. 417p.

CERTEAU, Michel De. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

CHARTIER, Roger. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. São Paulo: EdUFSCar, 2012. 90p.

CONY, Carlos Heitor. Eu, aos pedaços: memórias. São Paulo: Leya, 2010.

_____. Quase memória. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

DINES, Alberto. O papel do jornal: uma releitura. São Paulo: Summus, 1986.


GABEIRA, Fernando. O que é isso companheiro? São Paulo: Companhia das Letras, 2009.


_____. Onde está tudo aquilo agora? Minha vida na política. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice/Editora Revista dos Tribunais. 1990.

HEYMANN, Luciana. O lugar do arquivo: a construção do legado de Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: Contracapa, 2012.

KUCINSKI, Bernardo. Jornalistas e Revolucionários: nos tempos de Imprensa Alternativa. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003. 441p.

_____. K. Relato de uma busca. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: História e Memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2003. pp. 485-499.

MELO, José Marques de. História do jornalismo: itinerário crítico, mosaico contextual. São Paulo: Paulus, 2012.

MICELI, Sérgio. Intelectuais à Brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

POLLAK, Michel. Memória e identidade social. Estudos Históricos. 1992, vol. 5, n. 10. pp. 200-212.

_____. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro: FGV, vol. 2, n. 3, 1989.

RIBEIRO, José Hamilton. Jornalistas: 1937 a 1997: história da imprensa de São Paulo pelos que batalham laudas (terminais), câmeras e microfones. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1998.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. São Paulo: Editora Unesp, 2014. 449p.

SANDRONI, Cícero. Carlos Heitor Cony: quase Cony. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Prefeitura, 2003.

SEVERIANO, Mylton. Realidade – história da revista que virou lenda. Florianópolis: Insular, 2013.

SEVERIANO, Mylton da. Entrevista com Mylton Severiano [ago, 2009]. Entrevistadora: V. de Moraes. Arquivo digital. Florianópolis, 2009.

SILVA, Carmen da. O melhor de Carmen da Silva. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1994.

TRAVANCAS, Isabel Siqueira. O mundo dos jornalistas. 4.ed. São Paulo: Summus, 2011

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUISTA FILHO. Acervo João Antônio. Assis, São Paulo. Disponível em: <http://www.assis.unesp.br/#!/cedap---centro-de-documentacao-e-apoio-a-pesquisa/acervo-do-cedap/acervo-joao-antonio/apresentacao/>. Acesso em: 17 jan 2016.

VENTURA, Zuenir. 1968: o ano que não terminou. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.


_____. Minhas histórias dos outros. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Moraes, V. (2020). Monumentos do jornalismo brasileiro: Um estudo das condições de produção de biografias e memórias dos profissionais da imprensa (1970-2010). Plural, 27(2), 86-119. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.168828

Edição

Seção

Dossiê: "Sociologia do Jornalismo. Por uma agenda de pesquisa"