Vai uma cloroquina aí? A mobilização de enquadramentos sobre a cura da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.175981

Resumo

No campo digital, uma crença coletiva ganha mais plausibilidade por meio da crescente repetição na rede discursiva. Isso ocorre graças à prevalência de apelos emotivos e opiniões pessoais frente aos fatos. Deste modo, a legitimidade do discurso digital está associada à sua circulação (visibilidade). Considerando essa premissa, o objetivo deste artigo é compreender como se comportam as redes bolsonaristas no Twitter, junto a como os atores que se denominam “bolsonaristas” se apropriam, disputam e mobilizam discursos sobre a eficácia da cloroquina na cura da Covid-19 de modo a negociar significados e promover engajamento. Este artigo levanta duas hipóteses: (i) a rede de apoio à cloroquina no Twitter, no período analisado, é mais clusterizada – ou seja, os nós estão mais agrupados –, se em comparação à rede dos que se opõem à cloroquina no combate da Covid-19; e (ii) a defesa da cloroquina, para além de argumentos técnicos, diz respeito a uma escolha política. Para testar as hipóteses, uma análise de redes sociais (ARS) e uma análise de enquadramento interpretativo foram realizadas. No artigo, são apresentados os resultados de pesquisa a partir de uma base de dados de retuítes dos dias 06 e 08 de julho de 2020. Os resultados das análises confirmam as hipóteses.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thatiane Faria Oliveira Moreira, Universidade Estadual de Campinas

Pós-graduada em administração de empresas pela FGV, possui bacharelado em Ciências Sociais, além de bacharelado e licenciatura em Filosofia, ambos pela Universidade Estadual de Campinas. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-8692-3847.

Andrei Koerner, Universidade Estadual de Campinas

Professor associado do DCP/IFCH-Unicamp, pesquisador do Ceipoc/IFCH-Unicamp, e coordenador do Grupo de Pesquisas sobre Tecnologias Digitais e Sociedade do Cedec. ORCID iD:  https://orcid.org/0000-0002-4354-9963.

Referências

ABELIN, Pedro Henrique T. (2020) Comunicação populista: uma proposta analítica a partir do Movimento Brasil Livre e da Mídia Ninja. Dissertação (mestrado em Ciência Política). Brasília. Faculdade de Ciências Políticas da Universidade de Brasília.

AMADEU, Sérgio. (2015) Direita nas redes sociais online. In. Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. Sebastião Velasco e Cruz, André Kaysel, Gustavo Codas (organizadores). São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

BOYD, Dana e CRAWFORD, Kate. (2012). Critical questions for big data. Information, Communication & Society, 15:5, p. 662-679

CAIANI, M & DELLA PORTA, (2018) D. The Radical Right as Social Movement Organizations. In The Oxford handbook of the radical right. [edited by] Jens Rydgren. Description: New York City: Oxford University Press.

CAIANI, M, DELLA PORTA, D. e WAGEMANN, C. (2010) Extreme Right and Populism: A Frame Analysis of Extreme Right Wing Discourses in Italy and Germany.IHS Political Science Series No. 121.

CESARINO, Letícia. Identidade e representação no bolsonarismo. In: Revista de Antropologia, São Paulo, n. 62 (3), 2019.

FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2013.

JOHNSTON, H. & ALIMI, E. Y. (2013). A methodology analying for frame dynamics: The grammar of keying battles in palestinian nationalism. Mobilization: AnInternationalQuarterly, 18(4), 453–474.

KALIL, Isabela. (2018). Quem são e no que acreditam os eleitores de Jair Bolsonaro. Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Disponível em https://www.fespsp.org.br/. Acesso em abril de 2021.

KAYSEL, André. (2015). Regressando ao Regresso: elementos para uma genealogia das direitas brasileiras. In Direita, volver!: o retorno da direita e o ciclo político brasileiro. Sebastião Velasco e Cruz, André Kaysel, Gustavo Codas (organizadores). – São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

MELUCCI, A. Getting involved: identity and mobilization in social movements. International Social MovementsResearch, vol. 1, 1988.

MELUCCI, Alberto (2001). A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes, 2001

MIGUEL, L.F. (2018) A reemergência da direita brasileira. In: SOLANO, Ester. O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo.

MONTEVECHI, Camila. (2021) Ativismo Anticorrupção no Brasil e a Teoria dos Movimentos Sociais. Rev. Bras. Ciênc. Polít. [online], n.34.

NICOLAU NETTO, Michel; CAVALCANTE, Sávio M.; CHAGURI, Mariana M. (2019) O homem médio e o conservadorismo liberal no Brasil contemporâneo: o lugar da família, 10/2019, Científico Nacional, 43º Encontro Anual da Anpocs, Vol. 1, pp.1-3, Caxambu, MG, BRASIL, 2019.

PARISER, E. (2011). The filter bubble: What the Internet is hiding from you.Penguin UK.

RECUERO, R.; GRUZ, A. (2019) Cascatas de Fake News Políticas: Um estudo de caso no Twitter. GALÁXIA (PUCSP), v. 41, p. 31-47, 2019.

RECUERO, R; BASTOS, M; ZAGO, G. (2015) Análise de redes para a mídia social. Porto Alegre: Suline.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Moreira, T. F. O. ., & Koerner, A. (2021). Vai uma cloroquina aí? A mobilização de enquadramentos sobre a cura da Covid-19. Plural, 28(2), 294-312. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.175981