A nova institucionalidade brasileira e os riscos às práticas afrorreligiosas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.176937

Palavras-chave:

Religiões afro-brasileiras, Intolerância religiosa, Extrema direita, Conservadorismo, Política

Resumo

As religiões de matriz africana sempre encontraram dificuldades de manifestação no território brasileiro e os seus praticantes passaram a sofrer com múltiplas adversidades, como a intolerância religiosa e a proibição-criminalização de liturgias em Unidades de Conservação (UC). Atualmente, com a nova institucionalidade político-econômico-religiosa de extrema direita brasileira, as adversidades podem estar sendo efervescidas, gerando ameaças aos afrorreligiosos. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo verificar se as religiões de matriz africana se encontram em risco e/ou limitação de manifestação litúrgica em UC. Verificou-se que a nova institucionalidade brasileira, tal como se caracteriza, é uma geradora de riscos socioambientais e religiosos e tem limitado e colocado, sob risco de perda, os direitos de manifestações afrorreligiosas, a partilha e a liberdade religiosa em UC. A partir disso, o pensar em serviços ecossistêmicos culturais em UC, como aqueles que trazem benefícios religiosos e espirituais às pessoas, pode contribuir para a construção de políticas públicas democráticas, partilhando o meio ambiente sem restrições, respeitando a visão de uma população geralmente excluída, valorizando tradições, garantindo liberdade religiosa e desenvolvimento sustentável e humano com liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valdevino José dos Santos Júnior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGMA/UERJ). Pesquisador do grupo de pesquisa MEANDROS - Estudos Interdisciplinares sobre Ciências, Tecnologias e Políticas Públicas em Saúde e Ambiente no Laboratório de Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz (LICTS/FIOCRUZ). E-mail: valdonjsantos@hotmail.com.

Referências

ACN - Aid to the Church in Need. Liberdade Religiosa no Mundo: sumário executivo. São Paulo: ACN, 2018.

ALESSI, Gil. Salles vê “oportunidade” com coronavírus para “passar de boiada” desregulação da proteção ao meio ambiente. El País Brasil, 2020. Disponivel em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-05-22/salles-ve-oportunidade-com-coronavirus-para-passar-de-boiada-desregulacao-da-protecao-ao-meio-ambiente.html. Acesso em: 24/09/2020.

ALMEIDA, Ronaldo da. Deus acima de todos. In: Democracia em risco?: 22 ensaios sobre o Brasil hoje. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ARRUDA, Deliane Andrade de. et al. Uso de plantas medicinais na Umbanda e Candomblé em associação cultural no município de Puxinanã, Paraíba. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 14, n. 5, 2019.

BARBOSA JÚNIOR, Ademir. Curso essencial de Umbanda. São Paulo: Universo dos Livros, 2011.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia: rito nagô. Tradução de Le candomblé de Bahia: (rite Nagô), de 1958. São Paulo: Nacional, 1961.

BONIOLO, Roberta Machado. “Como ordenar o que não pode ser ordenado?”: criação de regras de uso do Espaço Sagrado da Curva do S (Parque Nacional da Tijuca/Rio de Janeiro). Cadernos de campo, Sao Paulo, v. 27, n.1, 2018.

BRASIL. Balanço - Disque 100. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, 2020. Disponivel em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/acesso-a-informacao/ouvidoria/balanco-disque-100. Acesso em: 16/09/2020.

BRASIL. Comunidades Tradicionais de Matriz Africana. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, 2018. Disponivel em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/igualdade-racial/comunidades-tradicionais/comunidades-tradicionais-de-matriz-africana. Acesso em: 16/09/2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; Centro Gráfico, 1988.

CAMURÇA, Marcelo Ayres. A questão da laicidade no Brasil: mosaico de configurações e arena de controvérsias. Horizonte, Belo Horizonte, v. 15, n. 47, p. 855-886, jul./set., 2017.

CAMPUS, Isabel Soares; RUBERT, Rosane Aparecida. Religiões de matriz africana e intolerância religiosa. Cadernos do LEPAARQ, Pelotas, v. 11, n. 22, 2014.

CARLESSI, Pedro Crepaldi. “Nessas matas tem folhas!” Uma análise sobre ‘plantas’ e ‘ervas’ a partir da umbanda paulista. 2016. 104 f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Universidade Federal de São Paulo. Diadema, 2016.

CASTRO, Grasielle. Bolsonaro tem recorde de decretos de costumes entre os últimos presidentes, 2019. Disponivel em: https://www.huffpostbrasil.com/entry/bolsonaro-decretos-costumes_br_5cfae6e3e4b04e90f1c9802b. Acesso em: 23/10/2020.

CAVALCANTI, Ana Paula Rodrigues. Relações entre preconceito religioso, preconceito racial e autoritarismo de direita: uma análise psicossocial. Tese (Doutorado em Psicologia Social). João Pessoa: Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba, 2016.

COSTA, Lara Moutinho da. A floresta sagrada da Tijuca: estudo de caso de conflito envolvendo uso público religioso de Parque Nacional. Dissertação (Mestrado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

DANIEL, Terry. et al. Contributions of cultural services to the ecosystem services agenda. PNAS, v. 109, n. 23, p. 8812-8819, Jun 2012.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

ENFPT - ESCOLA NACIONAL DE FORMAÇÃO DO PT. Retrocessos do governo Bolsonaro. ENFPT, 2019. Disponivel em: https://www.enfpt.org.br/retrocessos-do-governo-bolsonaro/#. Acesso em: 23/10/2020.

FERNANDES-PINTO, Érika. Sítios naturais sagrados no Brasil: inspirações para o reencantamento das áreas protegidas. Rio de Janeiro: Univesidade Federal do Rio de Janeiro, 2017.

FERNANDES-PINTO, Érika; IRVING, Marta de Azevedo. Sítios Naturais Sagrados no Brasil: o gigante desconhecido. In: HANAZAKI, N. E. A. Culturas e Biodiversidade: o presente que temos e o futuro que queremos. Florianópolis: [s.n.], 2015. p. 397-408.

FERNANDES-PINTO, Érika; IRVING, Marta de Azevedo. Sítios naturais sagrados: valores ancestrais e novos desafios para as políticas de proteção da natureza. Desenvolvimento Meio Ambiente. Curitiba: v. 40, p. 275-296, abr., 2017.

FERREIRA, Guilherme Gomes. Conservadorismo, fortalecimento da extrema-direita e a agenda da diversidade sexual e de gênero no Brasil contemporâneo. Lutas Sociais. São Paulo: v. 20, n. 36, p. 166-178, jan./jun. 2016.

GENTILE, Fábio. A direita brasileira em perspectiva histórica. Plural. São Paulo: v. 25, n. 1, p. 92-110, 2018.

GHIRALDELLI JÚNIOR, Paulo. A filosofia explica Bolsonaro. São Paulo: LeYa, 2019.

GRAY, Martin; HANCOCK, Graham. Sacred Earth: places of peace and power. New York: Sterling Publishing Co, 2007.

GVCES - Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas. Caso empresarial de valoração não econômica de Serviços Ecossistêmicos Culturais. A relação da Assessa e da Comunidade da Praia da Baleia com as algas marinhas. São Paulo: GVces, 2017.

IASI, Mauro Luis. De onde vem o conservadorismo? Blog da Boitempo, 2015. Disponivel em: https://blogdaboitempo.com.br/2015/04/15/de-onde-vem-o-conservadorismo/. Acesso em: 23/10/2020.

IBGE - Instituto Braslieiro de Geografia e Estatística. Censo 2010: número de católicos cai e aumenta o de evangélicos, espíritas e sem religião. Censo 2010, 2012. Disponivel em: https://censo2010.ibge.gov.br/noticias-censo?id=3&idnoticia=2170&view=noticia. Acesso em: 22/09/2020.

IRVING, Marta de Azevedo. Áreas Protegidas e Inclusão Social: uma equação possível em políticas públicas. Sinais Sociais, Rio de Janeiro, v. 4, p. 122-147, 2010.

ISA - INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Coronel da PM vai assumir comando das Unidades de Conservação no país. Instituto Socioambiental, 2020. Disponivel em: https://www.socioambiental.org/pt-br/blog/blog-do-monitoramento/coronel-da-pm-vai-assumir-comando-das-unidades-de-conservacao-no-pais. Acesso em: 28/09/2020.

ISA - INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Povos Indígenas no Brasil: 2005/2010. São Paulo: [s.n.], 2011.

LAZZERINI, Fábio Tadeu; BONOTTO, Daniel Marcos. Fontes de águas "milagrosas" no Brasil. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 36, n. especial II, p. 559-572, 2014.

FERNANDES, Nathalia Vince Esgalha. A raiz do pensamento colonial na intolerância religiosa contra religiões de matriz africana. Calundu, Brasília, v. 1, n. 1, p. 117-136, jan./jun. 2017.

LEWINSOHN, Thomas. M.; PRADO, Paulo Inácio. Quantas espécies há no Brasil? Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 36-42, 2005.

LIMA, Kellen Josephine Muniz de; OLIVEIRA, Ilzver de Matos. Racismo ambiental e aupressão de espaços litúrgicos naturais das religiões de matriz africana: dilemas entre políticas públicas de preservação ambiental e de proteção às manifestações culturais afro-brasileiras. Prim@ Facie, v. 15, n. 28, p. 01-34, abr 2016.

LOPES, Rodrigo. Boaventura de Sousa Santos: "A esquerda deixou de falar com as periferias". GZH, 2019. Disponivel em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/noticia/2019/07/boaventura-de-sousa-santos-a-esquerda-deixou-de-falar-com-as-periferias-cjxyyok4s00so01msxph7hqfa.html. Acesso em: 10/10/2020.

LÖWY, Michael. Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil. Serviço Social &. Sociedade., São Paulo, n. 124, p. 652-664, out./dez. 2015.

MACHADO, Carlos José Saldanha. Ciências, Políticas Públicas e Sociedade Sustentável. Rio de Janeiro: E-papers, 2012.

MACHADO, Carlos José Saldanha. Ensaio sobre o mundo da rudeza dos fatos: breviário do Brail e engajamento das ciências ambientais. 1. ed. Rio de Janeiro: E-papers, 2019.

MACHADO, Carlos José Saldanha; VILANI, Rodrigo Machado. Temas e problemas da vida em sociedade no Brasil. Rio de Janeiro: E-papers, 2016.

MACHADO, Carlos José Saldanha; VILANI, Rodrigo Machado; SOBREIRA, Ramon Fiori Fernandes. Práticas religiosas afro-brasileiras e as ciências ambientais. Rio de Janeiro: E-papers, 2017.

MAITINO, Martin Egon. “Direita, sem vergonha”: conformações no campo da direita no Brasil a partir do discurso de Jair Bolsonaro. Plural. São Paulo, v. 25, n. 1, p. 111-134, 2018.

MARANHÃO FILHO, Eduardo Meinberg de Albuquerque. Política, Religião e Diversidades: Educação e Espaço Público. Florianópolis: ABHR/Fogo, v. I, 2018.

MEA - MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystems and Human Well-being: Synthesis. Washington: [s.n.], 2005.

METCALF, Stephen. Neoliberalism: the idea that swallowed the world. The Guardian, 2017. Disponivel em: https://www.theguardian.com/news/2017/aug/18/neoliberalism-the-idea-that-changed-the-world. Acesso em: 11/09/2020.

MILCU, Andra Ioana et al. Cultural Ecosystem Services: A Literature Review and Prospects for Future Research. Ecology and Society, v. 18, n. 3, 2013.

NASCIMENTO, Leonardo. et al. “Não falo o que o povo quer, sou o que o povo quer”: 30 anos (1987-2017) de pautas políticas de Jair Bolsonaro nos jornais brasileiros. Plural, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 135-171, 2018.

NICOLAV, Vanessa. O que passou na “boiada” de Ricardo Salles durante a pandemia? Brasil de Fato, 2020. Disponivel em: https://www.brasildefato.com.br/2020/06/09/o-que-passou-na-boiada-de-ricardo-salles-durante-a-pandemia. Acesso em: 24/09/2020.

NOGUEIRA, Sidnei. Intolerância religiosa. São Paulo: Sueli Carneiro: Pólen, 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris: ONU, 1948.

ORO, Ari Pedro. A laicidade no Brasil e no Ocidente. Algumas considerações. Civitas, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 221-237, 2011.

PRANDI, Reginaldo. As religiões afro-brasileira e seus seguidores. Civitas, Porto Alegre, v. 3, n. 1, jun 2003.

PEREIRA, Polyana. Faria; SCARDUA, Fernando Paiva. Espaços territoriais especialmente protegidos: conceito e implicações jurídicasEspaços territoriais especialmente protegidos: conceito e implicações jurídicas. Ambient. Soc, Campinas , v. 11, n. 1, p. 81-97, jun 2008.

PESSOA DE BARROS, José Flávio. O espaço sagrado nos candomblés nagô. Revista del Cesla, Varsóvia, n. 14, 2011.

SILVA, Maria Rejane da. Intolerância e demonização das práticas religiosas afro-brasileiras na cidade de Petrolina/PE nos anos 40 e 70. In: X Encontro Estadual ANPUH – História e contemporaneidade. Petrolina: 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Esquerdas do mundo, uni-vos! São Paulo: Boitempo, 2018.

SANTOS, Wéllia Pimentel. História, cultura, intolerância acerca das religiões de matrizes africanas no Brasil. Calundu, Brasília, v. 2, n. 1, p. 5-22, jan./jun. 2018.

SANTOS JÚNIOR, Valdevino José dos; MACHADO, Carlos José Saldanha; VILANI, Rodrigo Machado. Não existe futuro sem partilha: pensando os serviços ecossistêmicos culturais em unidades de conservação e práticas religiosas de matriz africana no Brasil. In: XXXII Reunião Brasileira de Antropologia. Rio de Janeiro: 2020.

SERRA, Ordep et al. O mundo das folhas. Salvador: Universidade Estadual de Feira de Santana, 2002.

SILVA, João Batista da. Boaventura de Sousa Santos: ''Por que o Neoliberalismo de fachada democrática só resiste no Brasil?''. Carta Maior, 2019. Disponivel em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Boaventura-de-Sousa-Santos-Por-que-o-Neoliberalismo-de-fachada-democratica-so-resiste-no-Brasil-/4/45712. Acesso em: 24/09/ 2020.

SILVA, Matheus Colli; SILVA, Vagner Gonçalves da. Um bosque de folhas sagradas: o Santuário Nacional da Umbanda e o culto da natureza. Interagir: pensando a extensão, Rio de Jnaiero, n. 26, p. 11-33, jul/dez, 2018.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Intolerância religiosa: o impacto do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: Edusp, 2007.

SILVA, Wagner Gonçalves. Prefácio ou Notícias de uma Guerra Nada Particular: Os Ataques Neopentecostais às Religiões Afro-brasileiras e os Símbolos da Herança Africana no Brasil. In: SILVA, Wagner Gonçalves da (Org.). Intolerância Religiosa: impactos do neopentecostalsimo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: EdUSP, 2007. p. 9-28.

SOBREIRA, Ramon Fiori Fernandes. Práticas religiosas Afro-Brasileiras, marco regulatório e uso do meio ambiente. Rio de Janeiro: Univesidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011.

SOBREIRA, Ramon Fiori Fernandes; MACHADO, Carlos José Saldanha; VILANI, Rodrigo Machado. A criminalização das religões afro-brasileiras. Direitos Culturais, Santo Ângelo, v. 11, n. 24, p. 55-76, jan./abr. 2016.

STEPAN, Nancy Leys. Eugenia no Brasil, 1917-1940. In: HOCHMAN, G.; ARMUS, D. Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2004. p. 330-391.

TEEB - THE ECONOMICS OF ECOSYSTEMS AND BIODIVERSITY. The Economics of Ecosystems and Biodiversity: Ecological Economics Foundations. London and Washington,: Earthscan., 2010.

THEODORO, Helena. Religiões Afro-Brasileiras. In: NASCIMENTO, E. L. Guerreiras da natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2008. p. 65-84.

TREVISAN, Janine. A Frente Parlamentar Evangélica: força política no estado laico brasileiro. Numen, Juiz de Fora, v. 16, n. 1, p. 581-609, 2013.

UNESCO. Unesco reconhece capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. DW, 2014. Disponivel em: https://p.dw.com/p/1DuEF. Acesso em: 17/09/2020.

WILD, Robert; MCLEOD, Christopher. Sitios Sagrados Naturales: Directrices para Administradores de Áreas Protegidas. 16 ed. Gland: IUCN, 2008.

YOUNG, Carlos Eduardo Freckmann; SPANHOLI, Maira Luiza. Uma visão econômica sobre a conservação da biodiversidade e serviços ecossistêmicos. Com Ciência, 2020. Disponivel em: https://www.comciencia.br/uma-visao-economica-sobre-a-conservacao-da-biodiversidade-e-servicos-ecossistemicos/. Acesso em: 11/10/ 2020.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

Santos Júnior, V. J. dos. (2021). A nova institucionalidade brasileira e os riscos às práticas afrorreligiosas. Plural, 28(1), 209-236. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.176937

Edição

Seção

Dossiê: "Religião, cultura e política entre o progressismo e o conservadorismo"