Fundamentalismo religioso: uma chave para entender o programa “Escola sem Partido”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.179875

Palavras-chave:

Fundamentalismo, Escola sem Partido, Política

Resumo

O presente artigo tem como objeto de pesquisa a relação entre o fundamentalismo religioso no Brasil e o Programa Escola sem Partido (ESP). Procurou-se investigar o peso histórico do catolicismo sobre a cultura e as instituições políticas brasileiras, a força que os evangélicos adquiriram nas últimas décadas no país, bem como se o ESP é uma expressão do fundamentalismo religioso na atual conjuntura política do Brasil. O caminho percorrido para chegar aos resultados se baseou em investigação bibliográfica, além de análise de discurso crítica a partir do exame de documentos oficiais produzidos por defensores do Programa e do conteúdo coletado mediante entrevistas de professores que atuam na rede pública de educação no estado do Ceará. A pesquisa conclui que o ESP pode, em parte, ser explicado como uma estratégia política de fundamentalistas religiosos (movimento carismático católico e os evangélicos ligados à teologia da prosperidade) que têm buscado exercer poder sobre o campo da educação procurando estabelecer visões de mundo e padrões de comportamento que tensionam a democracia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erick Cruz Padilha de Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará (UFC). Bolsista da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP). Membro do Grupo de Estudos em Cultura, Comunicação e Arte (GECCA) da Universidade Federal do Ceará (UFC) e do Laboratório de Conflitualidade e Violência (COVIO) da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Professor da Secretaria da Educação do Ceará (SEDUC/CE). E-mail: erick.cruz.po@gmail.com. 

David Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Doutor em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professor Adjunto da Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade da Universidade Federal do Ceará. Vice-presidente e membro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Sociologia do Direito (ABRASD). Professor do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC) e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Estadual do Ceará (UECE). E-mail: david.oliveira@ufc.br.

Referências

BERGER, Peter Ludwig. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo: Paulinas, 1985.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2017.

BRANDENBURG, Cristine; SANTANA, José Rogério; FIALHO, Lia Machado Fiuza. “O povo brasileiro e a educação fruto de uma sociedade híbrida”. In: GERARDO, José; SANTANA, José; FIALHO, Lia (Org.). História e práticas culturais na educação. Fortaleza: EdUECE, 2014: 185-201.

BRASIL. Câmara dos deputados. Parecer do Relator, Dep. Flavinho (PSC-SP), pela constitucionalidade, juridicidade e técnica legislativa; e, no mérito, pela aprovação deste, do PL 7181/2014, do PL 867/2015, do PL 1859/2015, do PL 8933/2017, do PL 9957/2018, do PL 6005/2016, e do PL 5487/2016, apensados, com substitutivo. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1688989&filename=Tramitacao-PL+7180/2014. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 7180/2014. Altera o art. 3º da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Inclui entre os princípios do ensino o respeito às convicções do aluno, de seus pais ou responsáveis, dando precedência aos valores de ordem familiar sobre a educação escolar nos aspectos relacionados à educação moral, sexual e religiosa. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=606722. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

CAIRNS, Earle Edwin. O cristianismo através dos séculos: uma história da Igreja Cristã. São Paulo: Vida Nova, 2008.

CAPAVERDE, Caroline Bastos; LESSA, Bruno de Souza; LOPES, Fernando Dias. “Escola sem Partido” para quem? Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, n. 102: 204-222. 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ensaio/v27n102/1809-4465-ensaio-S0104-40362018002601369.pdf. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

CERVEIRA, Sandro Amadeu. Protestantismo tupiniquim, modernidade e democracia: limites e tensões da(s) identidade(s) evangélica(s) no Brasil contemporâneo. REVER: Revista de Estudos da Religião, São Paulo: 27-53. 2008. Disponível em: https://www.pucsp.br/rever/rv1_2008/t_cerveira.pdf. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

DREHER, Martin Norberto. A crise e a renovação da Igreja no período da Reforma. Coleção História da Igreja, vol. III. Porto Alegre/São Leopoldo: Sinodal, 1996.

FAIRCLOUGH, Norman. Analysing Discourse:Textual analysis for social research. London: Routledge Taylor & Francis Group, 2003.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: UNB, 2001.

GRIGOLETTO, Evandra. Sob o rótulo do novo, a presença do velho:análise do funcionamento da repetição e das relações divino/temporal no discurso da Renovação Carismática. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

GUILHERME, Alexandre Anselmo; PICOLI, Bruno Antonio. Escola sem Partido - elementos totalitários em uma democracia moderna: uma reflexão a partir de Arendt. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23: 1-23. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v23/1809-449X-rbedu-23-e230042.pdf.Acesso em: 10/12/2020.

G1. Número de evangélicos aumenta 61% em 10 anos, aponta IBGE. São Paulo, 29 de junho de 2012. Disponível em: http://g1.globo.com/brasil/noticia/2012/06/numero-de-evangelicos-aumenta-61-em-10-anos-aponta-ibge.html. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

MCADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. Para mapear o confronto político. Lua Nova, São Paulo,n.76: 11-48. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ln/n76/n76a02.pdf. Acesso em: 30 de março de 2021.

MENDONÇA, Amanda André; MOURA, Fernanda Pereira. Ideologia de gênero” e Escola sem Partido: a agenda privatizante moralizadora para a educação brasileira. Revista Interinstitucional Artes de Educar, Rio de Janeiro, n. 2: 201-222. 2019. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/riae/article/view/44849/30394. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

MIGUEL, Luis Felipe. “A reemergência da direita brasileira”. In: GALLEGO, Esther Solano (org.). O ódio como política: a reinvenção da direita no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018, p. 17-26.

MOURA, Fernanda Pereira. Escola sem Partido: relações entre Estado, educação e religião e os impactos no ensino de História. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de História) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2016.

NAGIB, Miguel. Parecer sobre a constitucionalidade do Programa Escola sem Partido. Publicado em 18 de junho de 2018. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/images/pfesp.pdf. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

OLIVEIRA, David Barbosa de; OLIVEIRA, Erick Cruz Padilha de. “Análise de Discurso Crítica (ADC): uma abordagem transdisciplinar e teórico-metodológica para pensar discursos e relações de poder”. In: PAIVA, Francisco Jeimes de Oliveira; LIMA, Ana Maria Pereira (orgs.). Pesquisas em análise do discurso, multimodalidade & ensino: debates teóricos e metodológicos. Volume 1. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020, p. 66-75.

OLIVEIRA, Meyre-Ester Barbosa. “Podem as escolas produzir política?” In: SANTOS, Jean; Oliveira, MARCIA; Paz, Sandra (orgs.). Reinvenções do currículo: sentidos e reconfigurações no contexto escolar. Fortaleza: UFC, 2016: 42-62.

PENNA, Fernando de Araújo. “Programa ‘Escola sem Partido’: uma ameaça à educação emancipadora”. In: GABRIEL, Carmen; Monteiro, Ana; MARTINS, Marcos (orgs.). Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de história. Rio de Janeiro: Bomfim Martins, 2016: 43-58.

QUEIROZ, Carlos. Em busca da espiritualidade: o mercado da fé e o evangelho da graça. Viçosa, MG: Editora Ultimato, 2013.

RATIER, Rodrigo. “14 perguntas e respostas sobre o ‘Escola sem Partido’ “. In: AÇÃO EDUCATIVA ASSESSORIA, PESQUISA E INFORMAÇÃO (org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016: 29-41.

SALLES, Diogo da Costa; SILVA, Renata da C. A. “O Escola sem Partido na desdemocratização brasileira”. In: PENNA, Fernando; QUEIROZ, Felipe; FRIGOTTO, Gaudêncio (orgs.). Educação democrática: antídoto ao Escola sem Partido. Rio de Janeiro. UERJ; LPP, 2018, p. 153-173.

SANTIAGO FILHO, Elio Roberto Pinto. Possibilidades interpretativas do campo religioso brasileiro: três perspectivas complementares. Revista Plural, São Paulo, v.20 n.1: 99-120. 2013. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/plural/article/view/74417. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

SOUZA, Andréa Silveira. Religião e Educação: as marcas do fundamentalismo religioso no Programa “Escola sem partido”. Revista Religare, João Pessoa-PB, n. 1: 09-33. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/religare/article/view/42473. Acesso em 10 de dezembro de 2020.

SOUZA, André Ricardo. A renovação popularizadora católica. Revista Plural, São Paulo, v. 9, p. 89-101, 2002. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/plural/article/view/75766. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

TELLES, Vera da Silva. Espaço público e espaço privado na constituição do ser social: notas sobre o pensamento de Hannah Arendt. Revista Tempo Social, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 23-48. 1990. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/84786. Acesso em: 10 de dezembro de 2020.

VASCONCELOS JÚNIOR, Raimundo Elmo de Paula; PEREIRA, Katiane Maciel. “Catolicismo e educação: relação de poder que se perfaz no espaço geográfico”. In: FIALHO, Lia; CASTRO, Edilson; SILVA Júnior, Roberto (orgs.). Teologia, história e educação na contemporaneidade. Fortaleza: EdUECE, 2014, p. 123-140.

Downloads

Publicado

2021-07-19

Como Citar

Oliveira, E. C. P. de, & Oliveira, D. (2021). Fundamentalismo religioso: uma chave para entender o programa “Escola sem Partido”. Plural, 28(1), 259-278. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.179875

Edição

Seção

Dossiê: "Religião, cultura e política entre o progressismo e o conservadorismo"