Do contrato sexual ao reconhecimento: repensando a prostituição por um olhar teórico-crítico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.184139

Palavras-chave:

contrato sexual, Prostituição, Justiça, Reconhecimento, Redistribuição

Resumo

A partir de um breve panorama das críticas do socialismo clássico à prostituição, discutindo a pauta “abolicionista”, propomos uma forma, entre as várias possíveis, de dar continuidade a esses argumentos no âmbito da teoria política contemporânea. O que fazemos é colocar duas autoras socialistas, a princípio dissidentes, em diálogo para analisar o fenômeno da prostituição: 1. Apresentamos a concepção de Carole Pateman sobre a prostituição. 2. Acatamos a crítica de Nancy Fraser ao modelo de Pateman, e utilizamos sua própria teoria crítica da justiça para analisar a questão da prostituição, explorando possíveis aproximações e distanciamentos entre ambas. 3. Apontamos para um possível caminho de se “ler” a prostituição, pelas chaves dos critérios de justiça do reconhecimento e da redistribuição. 4. Buscamos, em suma, reivindicar o papel da teoria política em discutir temas caros ao feminismo, como o da prostituição, tentando contribuir com a abertura e a continuidade dessas discussões nessa área disciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tarine Guima, Universidade de São Paulo

Mestranda em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (FFLCH-USP) e membra do DesJus - Seminários em Desigualdades e Injustiças/CEBRAP. https://orcid.org/0000-0001-6411-4961

Thaís de Almeida Lamas

Mestra em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Paulo (EFLCH-Unifesp) e graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Referências

AFONSO, Mariana (2014). Regulamentar para quê(m)? As representações sociais de prostitutas sobre a regulamentação da “profissão”. Dissertação (Mestrado em Psicologia). São Carlos: Universidade Federal de São Carlos.

BIROLI, Flávia (2013). Democracia e tolerância à subordinação: livre-escolha e consentimento na teoria política feminista. Revista de Soc. e Política, v. 21, n. 48, p. 127-142.

BIROLI, Flávia (2017). Teorias feministas da política, empiria e normatividade. Lua Nova, São Paulo, v. 102, p. 173-210.

BONOMI, Carolina (2019). "Mulher da Vida, É Preciso Falar": um estudo do movimento organizado de trabalhadoras sexuais. Dissertação (Mestrado em Ciência Política).Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

BROWN, Wendy (1987). Where is the Sex in Political Theory? Women & Politics, v. 7, n. 1, p. 3-23.

FRASER, Nancy (1993). Beyond the Master/Subject Model: Reflections on Carole Pateman's Sexual Contract. Social Text, n. 37, p. 173-181.

FRASER, Nancy (2006). Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista. Cadernos de campo, São Paulo, n. 14/15, p. 231-239.

FRASER, Nancy (2007a). Mapeando a imaginaçãofeminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 291-308.

FRASER, Nancy (2007b). Reconhecimento sem ética? Lua Nova, São Paulo, v. 70, p. 101-138.

FRASER, Nancy (2009). O Feminismo, o capitalismo e a astúcia da história. Mediações, Londrina, v. 14, n.2, p. 11-33.

FRASER, Nancy (2014). Sobre justiça: lições de Platão, Rawls e Ishiguro. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 15, p. 265-277.

FRASER, Nancy (1985). What’s critical about critical theory? The case of Habermas and gender. New German Critique, n. 35, p. 97-131.

HIRATA, Helena et al (2009). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Unesp.

KEMPADOO, Kamala (2001). Women of Color and the Global Sex Trade: Transnational Feminist Perspectives. Meridians, v. 1, p. 28–51.

KOLLONTAI, Alexandra (2007). A nova mulher e a moral sexual. São Paulo: Expressão Popular.

NICHOLSON, Linda (1994). Interpreting gender. Signs, v. 20, n. 1, p. 79-105.

NUSSBAUM, Nussbaum, Martha (1998). “Whether from Reason or Prejudice”: Taking money for bodily services. The Journal of Legal Studies, v. 27, n. S2, p. 693-723.

MELO, Rúrion (2017). Teoria política e pesquisa social. Lua Nova, São Paulo, v. 102, p. 211-230.

MIGUEL, Luis F (2017). Carole Pateman e a Crítica Feminista do Contrato. Rev. Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 93, p. 1-17.

OVERALL, Christine (1992). What's Wrong with Prostitution? Evaluating Sex Work. Signs, v. 17, n. 4, p. 705-724.

PARADIS, Clarisse Goulart (2018). A prostituição no marxismo clássico: crítica ao capitalismo e à dupla moral burguesa. Rev. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 26, p. 1-20.

PARADIS, Clarisse Goulart (2017). Feminismo, liberdade e prostituição: para além do dissenso democrático. Tese (Doutorado em Ciência Política). Minas Gerais: Universidade Federal de Minas Gerais.

PATEMAN, Carole 2020 [1988]. Contrato Sexual. São Paulo: Paz e Terra.

PATEMAN, Carole 1992 [1970]. Participação e teoria democrática.São Paulo: Paz e Terra.

PATEMAN, Carole 1985 [1979]. The problem of political obligation: a critique of liberal theory. Berkeley: University of California Press.

PATEMAN, Carole (1999). What's Wrong with Prostitution?Women's Studies Quarterly, v. 27, n. 1/2, p. 53-64.

PISCITELLI, Adriana (2012). Feminismos e Prostituição no Brasil: Uma Leitura a Partir da Antropologia Feminista. Cuadernos de Antropología Social, n. 36, p. 11-31.

RAGO, Margareth (1990). Os prazeres da noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930). Tese (Doutorado em História Social). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

TRISTAN, Flora (2009). Paseos en Londres. Lima: Biblioteca Nacional del Perú, Biblioteca Digital Andina.

SHOWNDEN, Carisa (2016). “Feminist Sex Wars”. In: NAPLES, Nancy A. (org.).The Wiley Blackwell Encyclopedia of Gender and Sexuality Studies, Nancy A. Naples (ed.), p. 1-3.

SHRAGE, Laurie (2016). “Feminist Perspectives on Sex Markets”. In: ZALTA, Edward N. (org.).The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2016 Edition), n.p.Disponível em: <https://plato.stanford.edu/archives/fall2016/entries/feminist-sex-markets/>. Acesso em: 18 de ago. de 2021.

WALKOWITZ, Judith (1980). The Politics of Prostitution. Signs, v. 6, n1. p. 123-135.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Guima, T., & Lamas, T. de A. . (2021). Do contrato sexual ao reconhecimento: repensando a prostituição por um olhar teórico-crítico. Plural, 28(2), 28-46. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2021.184139

Edição

Seção

Dossiê "Marxismo, feminismo e a teoria social"