Análise da arquitetura das oficinas ferroviárias da Companhia Paulista em Jundiaí, São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.164126

Palavras-chave:

Arquitetura ferroviária, Arquitetura industrial, Oficina ferroviária, Companhia Paulista, Jundiaí

Resumo

O presente texto tem por finalidade analisar como se deu a construção das oficinas ferroviárias da Companhia Paulista em Jundiaí, São Paulo. O recorte temporal é limitado ao século XIX, compreendendo os anos entre 1892 e 1896, período em que foi construída a edificação original. Esse tipo de estudo se justifica pelo fato de que as oficinas de Jundiaí detinham uma construção singular para o período em comparação com as demais estruturas do tipo existentes no estado de São Paulo. Por meio da observação visual e do conhecimento de bibliografia específica, foram analisados elementos como implantação, materiais, sistemas, aberturas e ornamentos. A partir dessa análise, pode-se ampliar o conhecimento sobre algumas das técnicas construtivas utilizadas, além de elucidar aspectos do patrimônio industrial edificado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARRUOL, Guy; ROUQUETTE, Jean-Maurice. Promenades en provence romane. S.l.: Zodiaque, 2002.

BRICKA, C. Cours de chemins de fer professé à l’Ecole Nationale des Ponts et Chaussées. [s.l.] Gauthier-Villars, 1894.

COMPANHIA PAULISTA DE ESTRADAS DE FERRO. Planta das Oficinas de Jundiaí. S.l., 1969. N.J-12555. Acervo do Museu da Companhia Paulista, caixa de plantas e desenhos técnicos.

CORREIA, Telma de Barros. Ornato e despojamento no mundo fabril. An. mus. paul., São Paulo, v. 19, n. 1, p. 11-80, jun. 2011. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-47142011000100002&lng=pt&nrm=-iso>. Acesso em 20.05.2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-47142011000100002

EVERT, Klaus-Jürgen. Encyclopedic Dictionary of Landscape and Urban Planning: Multilingual Reference Book in English, Spanish, French and German. Volume 1. Springer Science & Business Media, 2010.

FLAMACHE, A.; HUBERTI, A.; STEVART, A. Traite d’exploitation des chemins de fer. Paris: Vve. Ch. Dunod, 1889.

FRANCISCO, Rita de Cássia. As oficinas da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro: arquitetura de um complexo produtivo. 2007.147 f. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GOSCHLER, C. Traité pratique de l’entretien et de l’exploitation des chemins de fer. Paris: J. Baudry, 1865.

KÜHL, Beatriz Mugayar. O legado da expansão ferroviária no interior de São Paulo e questões de preservação. In: Lugares de produção: arquitetura, paisagens e patrimônio. S.l: s.n., 2013.

MUSEU DA CIDADE. Lidgerwood. Inventário Patrimonial do Bem Arquitetônico. 12 de outubro de 2015. Disponível em <http://iabcampinas.org.br/identidade-arquitetonica/museu-da-cidade-lidgerwood-manufactoring/> Acesso em 09.04.2019NASH, W. G. Brickwork. Volume 2. Croatia: Nelson Thornes Ltd, 1990.

OLIVEIRA, Eduardo Romero de; SILVA, Tainá Maria. Bens industriais paulistas: considerações sobre a valoração e documentação de edifícios industriais. Revista Memória em Rede, Pelotas, v.12, n.23, jul/dez.2020.

PERDONNET, A. Traité élémentaire des chemins de fer. Paris: Langlois et Leclercq, 1865.

PÉREZ, Filémon. Álbum ilustrado da Companhia Paulista. S.l.: s.n, 1918.

HONOUR, Hugh; FLEMING, John; PEVSNER, Nikolaus. Dicionário enciclopédico de Arquitetura. São Cristóvão: Editora Artenova S/A, 1977.

PICANÇO, Francisco. Diccionario de estradas de ferro e sciencias e artes accessorias. Rio de Janeiro: H. Lombaerts & comp, 1892. Disponível em: <https://archive.org/details/diccionariodees00costgoog>. Acesso em 30.03.2017.

PINTO, Adolpho Augusto. História da viação pública de S. Paulo. São Paulo: Typographia e papelaria Vanorden & Cia, 1903.

SANCHIZ, Juan Manuel Cano. Patrimonio ferroviário y arqueología industrial em el Estado de São Paulo: El Projeto Memória Ferroviária. Anales de Arqueología Cordobesa, Num.25-26, p.279-307, 2015.

SANCHIZ, Juan Manuel Cano. The Morphology of a Working Place Linked to the World: The Railway Workshops of Jundiaí (Brazil, 1892–1998). In Industrial Archaeology Review, v.40, p.103-116, 2018.

SILVA, Tainá Maria. Oficinas ferroviárias em São Paulo: Um estudo sobre a formação espacial da oficina da Companhia Paulista em Jundiaí (1892-1896). 2019. 168 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Faculdade de Artes, Arquitetura e Comunicação, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/190802

SILVA, Tainá Maria; OLIVEIRA, Eduardo Romero de. Oficinas e depósitos ferroviários: identificação e análise de algumas companhias férreas paulistas (1867-1930). Pós. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo Da FAUUSP, 26(48), e145345. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.posfau.2019.145345

THE PHOENIX BRIDGE CO. Revised plan of Shop Roofs for Companhia Central Paulista Brazil. S.l., 1892. Acervo do Museu da Companhia Paulista, caixa 358 azul de poliondas.

TORREJAIS, Ana. Patrimônio ferroviário como tecnocultura: As oficinas de manutenção da Companhia Paulista em Jundiaí. Cidade, Patrimônio & Memória. Secretaria de Cultura, Prefeitura de Jundiaí, Jundiaí, Edição 001, Dez/2016, p. 12-22

Publicado

2021-06-21

Como Citar

Silva, T. M., & Oliveira, E. R. de. (2021). Análise da arquitetura das oficinas ferroviárias da Companhia Paulista em Jundiaí, São Paulo. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 28(52), e164126. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.164126

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento