Impactos da morfologia da cidade nas condições microclimáticas de áreas urbanas consolidadas em dias quentes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.posfau.2020.168232

Palavras-chave:

Condições térmicas, Espaços urbanos abertos, Microclima urbano, Morfologia urbana

Resumo

O objetivo deste trabalho é a investigação dos potenciais impactos que diferentes composições morfológicas urbanas de assentamentos de áreas urbanas consolidadas podem ocasionar sobre as condições microclimáticas locais ao longo de dias quentes percebidas na escala do pedestre. A avaliação se baseia no levantamento de dados empíricos, com base em simulações computacionais das condições térmicas de ambientes urbanos abertos de exemplos de distritos de São Paulo, por meio do software ENVI-met, calibrado a partir de medições empíricas de variáveis microclimáticas em ambientes existentes da cidade. Os resultados das avaliações permitem a verificação comparativa de variáveis microclimáticas encontradas em cada local frente às características da ocupação urbana dos diferentes modelos, o que possibilita compreender de que forma as diferentes morfologias urbanas respondem às mesmas condições climáticas. Verifica-se, portanto, os principais impactos que as distribuições, as formas, as geometrias e as relações dos edifícios podem ocasionar no microclima de nossas cidades ao longo de dias quentes, tomando como exemplo bairros representativos de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Bonansea de Alencar Novaes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Mestre em Tecnologia da Arquitetura pela Universidade de São Paulo (USP), com foco em em Desempenho Ambiental, Sustentabilidade e Eficiência Energética em edifícios e no meio urbano. Formado pelo Programa de Dupla Graduação em Arquitetura e Engenharia Civil da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Auditor da Fundação Vanzolini para a Certificação AQUA-HQE de Alta Qualidade Ambiental na Construção, de Sistemas de Gestão da Qualidade (NBR ISO 9001) e da Certificação A2S - Ambiente Seguro e Saudável, Gestor Técnico do Programa Brasileiro de Etiquetagem de Eficiência Energética em Edifícios (PBE EDIFICA), além de atuação direta no Programa de Declarações de Produtos Ambientais EPD Brasil e em auditorias e avaliações da conformidade das áreas de acessibilidade, sustentabilidade e eficiência energética. Em qualificação para auditorias de Sistemas de Gestão Ambiental (NBR ISO 14001) e Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (NBR ISO 45001). 

Leonardo Marques Monteiro, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Professor Associado do Departamento de Tecnologia da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP. Coordenador do Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência Energética - LABAUT. Possui graduação pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP (2002) e bacharelado/licenciatura em Letras (Português e Inglês) pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas / Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo - FFLCH-USP/FE-USP (2007). Doutor em Tecnologia da Arquitetura pela FAUUSP (2008), com estágio de pesquisa no Oxford Institute for Sustainable Development - OISD. Pós-doutor pelo Departamento de Tecnologia da FAUUSP (2011) com estágio de pesquisa na Kyoto University - KYODAI (2009) e University of California at Berkeley - UCB (2010). Livre-Docente pelo Departamento de Tecnologia da FAUUSP (2018). Revisor dos periódicos Building and Environment, Energy and Buildings, Climate Research, Technical Transactions Journal of Civil Engineering, Hábitat Sustentable, Ambiente Construído, entre outros. Editor associado da Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. Assessor ad hoc da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Programa Ibero Americano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento e Consejo Nacional de Ciencia y Tecnología. Fellow do Precourt Energy Efficiency Center, Stanford University. Pesquisador do Núcleo de Apoio à Pesquisa (NAP) de Mudanças Climáticas - INCLINE. Membro do Programa Iberoamericano de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento - CYTED, Rede Temática: Energia. PLEA Associate. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Adequação Ambiental.

Referências

ABNT. NBR 15.220-2 - Desempenho térmico de edificações Parte 2 - Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro: ABNT, 2013.

AMORIM, F. P.; TANGARI, V. Estudo Tipológico sobre a Forma Urbana - Conceitos e Aplicações. Paisagem Ambiente - Ensaios, São Paulo, n. 22, 2006. 61-73.

ASSIS, E. S. Abordagem do Clima Urbano e Aplicações no Planejamento - Reflexões sobre uma trajetória. Anais do VIII Encontro Nacional e IV Encontro Latinoamericano de Conforto no Ambiente Construído (ENCAC/ELACAC). Maceió: ANTAC - Associação Nacional de Tecnologia no Ambiente Construído. 2005.

GARTLAND, L. Ilhas de Calor - Como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. Tradução de Silvia Helena Gonçalves. São Paulo: Oficina de Textos, 2010. ISBN ISBN 978-85-86238-99-4.

GUSSON, C. D. S. Efeito da densidade construída sobre o microclima urbano - construção de diferentes cenários possíveis e seus efeitos no microclima para a cidade de São Paulo, SP. São Paulo: Dissertação de Mestrado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP), 2014.

IAG/USP. Boletim Climatológico Anual da Estação Meteorológica do IAG/USP - 2017. São Paulo: Seção Técnica de Serviços Meteorológicos do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo, 2018.

INMETRO. Anexo Geral V – Catálogo de Propriedades Térmicas de Paredes, Coberturas e Vidros - Anexo da Portaria do Inmetro No. 50/ 2013 - Atualizado em 27/11/2017. Brasília: Inmetro, 2017.

IPCC. IPCC 2014 - Alterações Climáticas 2014 - Impactos, Adaptação e Vulnerabilidade - Contribuição do Grupo de Trabalho II para o Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas. Lisboa: Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P., 2014.

IPCC. The science we need for the cities we want. Working together to implement the global research agenda on cities and climate change. Edmonton: IPCC Cities, 2018.

JOHANSSON, E.; EMMANUEL, R. The influence of urban design on outdoor thermal comfort in the hot, humid city of Colombo, Sri Lanka. International Journal of Biometeorology, Colombo, 51, 2006. 119-133.

KRÜGER, E. L.; MINELLA, F. O.; RASIA, F. Impact of urban geometry on outdoor thermal comfort and air quality from field measurements in Curitiba, Brazil. Elsevier - Building and Environment, 46, 2011. 621-634.

LAMAS, J. Morfologia Urbana e Desenho da Cidade. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2004.

MINELLA, F. C. O.; HONJO, S.; KRÜGER, E. L. Estratégias de melhoria do ambiente térmico diurno em situação de verão de uma fração urbana da cidade de São Paulo. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 12, n. 4, outubro / dezembro 2012. 139-158.

MINELLA, F. O.; KRÜGER, E. L. Impactos na Geometria Urbana no Microclima. ReserchGate, Curitiba, 2015. Disponivel em: <https://www.researchgate.net/publication/265750178_IMPACTOS_DA_GEOMETRIA_URBANA_NO_MICROCLIMA>. Acesso em: 24 agosto 2019.

MONTEIRO, L. M. Conforto Térmico em Espaços Urbanos Abertos - Verificações Modelares como Aportes à Exploração de Abordagens. São Paulo: Tese de Livre-Docência. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP), 2018.

NOVAES, G. B. A. Impactos da Morfologia da Cidade nas Condições Microclimáticas de Áreas Urbanas Consolidadas de São Paulo em Dias Quentes. São Paulo: Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo FAU-USP. 2020.

.OKE, T. Urban heat islands - an overview of the research and its implications. North American Heat Islands Summit. [S.l.]: North American Heat Islands Summit. 2002.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. GeoSampa Mapa - Sistema de Consulta do Mapa Digital da Cidade de São Paulo, 2019. Disponivel em: <http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/_SBC.aspx>. Acesso em: 19 agosto 2019.

SHARMIN, T.; STEEMERS, K.; MATZARAKIS, A. Microclimatic modelling in assessing the impact of urban geometry on urban thermal environment. Elsevier - Sustainable Cities and Society, 34, 2017. 293-308.

SHASHUA-BAR, L.; TZAMIR, Y.; HOFFMAN, M. E. Thermal Effects of Building Geometry and Spacing on the Urban Canopy Layer Microclimate in a Hot-Humid Climate in Summer. International Journal of Climatology, 24, 2004. 1729–1742.

SHINZATO, P. Impacto da Vegetação nos Microclimas Urbanos em Função das Interações Solo-Vegetação-Atmosfera. São Paulo: Tese de Doutorado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU USP), 2014. 204 p.

TALEGHANI, M. et al. Outdoor thermal comfort within five different urban forms in the Netherlands. Elsevier - Building and Environment, Delft, 83, 2015. 65-78.

Publicado

2021-01-18

Como Citar

Novaes, G. B. de A. ., & Monteiro, L. M. (2021). Impactos da morfologia da cidade nas condições microclimáticas de áreas urbanas consolidadas em dias quentes. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 27(51), e168232. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.posfau.2020.168232

Edição

Seção

Dossiê: Meio ambiente e espaço construído: ideias, técnicas e processos