Da crítica à superquadra ao quarteirão murado: o caso de Águas Claras em Brasília

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.175043

Palavras-chave:

Águas Claras, Brasília, Projeto urbano, Superquadra, Muros

Resumo

Este artigo discute processos envolvidos na transformação da materialidade de Águas Claras, bairro planejado em Brasília, Distrito Federal, cujo projeto aspirava mimetizar as ruas e as avenidas com largas calçadas típicas das ditas “cidades tradicionais” em contraposição ao modelo urbanístico de matriz modernista – amplos espaços verdes, vias separadas dos fluxos de pedestres e edifícios isolados – que caracteriza o Plano Piloto de Brasília, localizado apenas a 19 quilômetros do sítio analisado. Para além da crítica estabelecida acerca de Brasília enquanto tema urbanístico, Águas Claras caracteriza-se como ruptura na paisagem metropolitana da região, antes marcada pela horizontalidade de suas cidades satélites e pela ocupação dispersa no território. A intensa verticalização, muito superior aos 12 pavimentos previstos inicialmente no projeto de Paulo Zimbres contratado em 1991, configura quadras muradas como pequenos condomínios fechados, apesar das premissas de profusos espaços públicos em seu projeto. Este estudo discute as
ambiguidades do projeto enquanto narrativa de disputa e conflito que (re)configura o território e a paisagem ao longo do tempo. Surgem como conclusões principais a maneira pela qual a questão do projeto atravessa modelos urbanísticos substancialmente distintos...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Brasil Pereira, Universidade de Coimbra/ Universidade de Brasília

Bacharel em Sociologia e licenciado em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília, Mestre em Arquitetura e Urbanismo, na área de Teoria, História e Crítica da Cidade e do Urbanismo (UnB), Doutorando em Arquitetura e Urbanismo, na área de Teoria e História da Cidade e do Urbanismo (UnB) e co-tutela em Sociologia (Universidade de Coimbra). É membro do Grupo de Pesquisa TOPOS (UnB/CNPq), vinculado ao Laboratório de Estudos da Urbe – LabEUrbe (PPG-FAU/UnB).

Luciana Saboia Fonseca Cruz, Universidade de Brasília

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília, Mestre e Doutora em Teoria e História da Arquitetura e da Cidade pela Université Catholique de Louvain. Professora Associada FAU-UnB, Pesquisadora Associada ao Laboratoire Infrastructure, Architecture, Territoire - LIAT, École Nationale Supérieure d'Architecture Paris-Malaquais e Pesquisadora Visitante no laboratório Office for Urbanization da Harvard Graduate School of Design. Está Coordenadora do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - UnB. É membro do Grupo de Pesquisa TOPOS (UnB/CNPq), vinculado ao Laboratório de Estudos da Urbe – LabEUrbe (PPG-FAU/UnB).

Referências

BENEVOLO, L. (2005). História da Cidade (4ª ed.). São Paulo: Perspectiva.

BICCA, P. (1985). Brasília: mitos e realidades. Em A. Paviani, & P. Bicca, Brasília, Ideologia e Realidade: espaço urbano em questão (pp. 101-134). São Paulo & Brasília: Projetos Editores Associados & CNPq.

CAMPANHONI, A. (2011). Implantação dos edifícios em Águas Claras-DF: influência no desempenho térmico ambiental dos espaços abertos. Brasília: Universidade de Brasília (Dissertação de mestrado).

CAMPANHONI, A. (2013). Planejamento urbano, cidade compacta e infraestrutura adequada: caso de Águas Claras - DF. Anais do Encontro Nacional da ANPUR (p. x). Recife: ENANPUR.

CARVALHO JÚNIOR, E. B., SOUSA NETO, F., OLIVEIRA, L. F., COSTA, C. A., MELO, W. C., & GARAVELLI, S. L. (2016). Avaliação do ruído da construção civil na cidade de Águas Claras-DF. Congresso Luso-Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável VII, 1-12.

CODEPLAN. (2018). PDAD-Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios: Águas Claras. Brasília: Governo do Distrito Federal.

CORBUSIER, L. (2004[1930]). Précisions. São Paulo: Cosac & Naify.

COSTA, L. (1995). Lúcio Costa: registro de uma vivência. São Paulo: Empresa das Artes.

DEL RIO, V. (1990). Introdução ao desenho urbano no processo de planejamento. São Paulo: Editora Pini.

DURKHEIM, É. (2004 [1895]). As Regras do Método Sociológico (9ª ed.). Lisboa: Editorial Presença.

EL-DAHDAH, F. (2005). Lucio Costa: Brasilia’s Superquadra (CASE). NY & Londond: Prestel.

FERNANDES, W. C., BAPTISTA, G. M., & BIAS, E. d. (2011). Quantificação do Verde Urbano na Área Urbana da Região Administrativa de Águas Claras, por meio de Modelagem Espectral em Aerofotos Digitais (UltraCamXP). Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, 1051-1058.

FERREIRA, M. M., & GOROVITZ, M. (2009). A invenção da Superquadra: o conceito de unidade de vizinhança em Brasília. Brasília: Superintendência do IPHAN no Distrito Federal.

FICHER, S. (2009). Paradigmas urbanísticos de Brasília. Revista da Biblioteca Mário de Andrade, I(65), 86-112.

FRAMPTON, K. (1997). História crítica da arquitetura moderna (1ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

FRANÇA, F. C. (2008). A indisciplina que muda a arquitetura: a dinâmica do espaço doméstico no Distrito Federal. Brasília: Universidade de Brasília (Tese de doutorado).

GARAVELLI, S. L., MORAES, A. M., NASCIMENTO, J. R., NASCIMENTO, P. H., & MAROJA, A. M. (2010). Mapa de ruído como ferramenta de gestão da poluição sonora: estudo de caso de Águas Claras - DF. PLURIS: Congresso Luso-Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável IV, 1-12.

GEHL, J. (2014). Cidade para pessoas. São Paulo: Perspectiva

GORELIK, A. (2005). Das vanguardas a Brasília: cultura urbana e arquitetura na América Latina. Belo Horizonte: Humanitas - Editora UFMG.

GORELIK, A. (2012). A impossibilidade de (pensar) Brasília. Serrote(10), 238-239.

GOUVÊA, L. A. (1995). Brasília: a Capital da segregação e do controle social - Uma avaliação da ação governamental na área da habitação. São Paulo: Annablume.

HALL, P. (2013[1988]). Cidades do amanhã: uma história intelectual do planejamento e projeto urbanos no século XX (2ª ed.). São Paulo: Perspectiva.

HEYNEN, H. (1999). Architecture and modernity: a critique. Massachusetts: MIT Press.

HOLANDA, F. d. (1985a). A morfologia interna da Capital. Em A. Paviani, & P. Bicca, Brasília, Ideologia e Realidade: espaço urbano em questão (pp. 135-160). São Paulo & Brasília: Projeto Editores Associados & CNPq.

HOLANDA, F. d. (1985b). Arquitetura como Estruturação Social. Em R. FARRET (Org.), O Espaço da Cidade: Contribuição à Análise Urbana (pp. 115-141). São Paulo: Projeto.

HOLFORD, W. (2002). Apreciação do Júri. Perguntadas formuladas pelo Dr. Israel Pinheiro ao urbanista William Holford, presidente da Comissão julgadora, com referência ao resultado do concurso. Em A. J. Buchman, Lúcio Costa o inventor da cidade de Brasília (pp. 51-59). Brasília: Thesaurus.

HOLSTON, J. (1993[1989]). Cidade modernista: uma cítica de Brasília e sua utopia (2ª ed.). São Paulo: Companhia das Letras.

JACOBS, J. (2011[1961]). Morte e vida de grandes cidades (3ª ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

JATOBÁ, S. U. (2010). Crescimento urbano na metrópole de Brasília: potencial e limitações. Em A. P. (org.), F. F. (org.), I. C. (org.), L. C. (org.), & S. U. (org.) (Eds.), Brasília 50 anos: da capital à metrópole (pp. 307-338). Brasília: Editora UnB.

KOOLHAAS, R. (Agosto de 2016). Brasília. Revista Centro (0+), online. Fonte: http://revistacentro.org/index.php/koolhaaspt/

LEFEBVRE, H. (1999[1970]). A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG.

LEFEBVRE, H. (2012[1968]). O Direito à Cidade. Lisboa: Estúdio e Livraria Letra Livre.

LIMA, R. R., & SOUZA, E. A. (2014). A (In) Sustentabilidade das Edificações Verticalizadas: Estudo de caso em Águas Claras. Anais do III ENANPARQ - Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 1-13.

MASCARÓ, J. L. (1987). Desenho urbano e custos de urbanização. Brasília: Ministério da Habitaçao, Urbanismo e Meio Ambiente.

OLIVEIRA, J. A., SPOSITO, R. M., & BLUMENSCHEIN, R. N. (01 de Abril de 2012). Ferramenta para avaliação da sustentabilidade ambiental na fase de execução de edifícios no Distrito Federal. Revista Gepros - Gestão da Produção, Operações e Sistemas, 7(2), pp. 11-21.

OLIVEIRA, M. E. (2009). O processo de estruturação urbana de Águas Claras-DF: avaliação pós-ocupação. Brasília: Universidade Católica de Brasília (Dissertação de mestrado).

PAVIANI, A. (2010a). A metrópole terciária: evolução urbana socioespacial. Em A. Paviani, F. F. Barreto, I. C. Ferreira, L. C. Cidade, & S. U. Jatobá (Eds.), Brasília 50 anos: da capital à metrópole (pp. 227-252). Brasília: Editora UnB.

PAVIANI, A. (2010b). O “Projeto Águas Claras” - planejamento desperdiçado. Em A. Paviani, & A. Paviani (Ed.), Brasília, a metrópole em crise: ensaios sobre urbanização (pp. 111-143). Brasília: Editora UnB.

PEREIRA, L. B. (2016). Modernidade, Mixofobia e a Configuração do Espaço Público: questões sobre Civilidade em Águas Claras, Brasília-DF. Brasília, Brasil: Faculdade de Arquitetura e Urbanismo-Universidade de Brasília (Dissertação de Mestrado; 313p)

SANTOS, C. N. (1988). A cidade como um jogo de cartas. São Paulo: Projeto Editores.

SECCHI, B. (2009). A cidade do século vinte. São Paulo: Perspectiva.

SERRANO, A. d. (2010). O processo de verticalização em espaços urbanos: o exemplo de Águas Claras-DF. Anais do XVI Encontro Nacional dos Geógrafos (pp. 1-11). Porto Alegre: Associação dos Geógrafos Brasileiros.

SILVA, M. A. (2016). A especulação imobiliária descaracterizando uma ideia: o caso de Águas Claras, no DF. Porto Alegre: Anais do IV ENANPARQ.

SIMMEL, G. (1987[1902]). A metrópole e a vida mental. Em O. G. Velho, O fenômeno urbano (Quarta ed., pp. 11-25). Rio de Janeiro: Editora Guanabara.

TÖNNIES, F. (2001 [1887]). Community and Society. Cambridge: Cambridge University Press.

VENTURI, R. (2004[1966]). Complexidade e contradição em arquitetura (2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

VIDAL, L. (2009). De Nova Lisboa a Brasília: a invenção de uma capital. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

WILLIAMS, R. (2007). Brasília depois de Brasília. Arquitextos, 083.00(07).

ZIMBRES E REIS ARQ. ASSOCIADOS. (1991). Memorial Descritivo do Bairro Águas Claras - MDE 220/90. Brasília: Governo do Distrito Federal

Publicado

2021-06-23

Como Citar

Pereira, L. B., & Cruz, L. S. F. (2021). Da crítica à superquadra ao quarteirão murado: o caso de Águas Claras em Brasília. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 28(52), e175043. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.175043

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento