Depósitos Irregulares de Lixo em áreas informais: a Ação Colaborativa como tática para a Qualificação do Espaço

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.175924

Palavras-chave:

Descarte irregular de lixo, Planejamento urbano, Participação, Informalidade

Resumo

A metrópole do Rio de Janeiro tem uma constituição de áreas formais e informais que apresentam alguns espaços abandonados, dada a sua configuração histórica urbana. Alguns desses espaços viram depósitos irregulares de lixo, como é o caso da rua Capitão Carlos, localizada entre uma área industrial em desuso e a Favela da Maré. Uma gari percebeu que a contínua varrição era insuficiente para implementar a limpeza definitiva do local, e, por meio do projeto “Jardins Sustentáveis”, mobilizou a comunidade para, juntos, atuarem na remoção dos depósitos irregulares de lixo. O objetivo deste artigo é apresentar a intervenção realizada na rua Capitão Carlos e discutir a importância de ações colabora-tivas e da participação dos usuários na qualificação dos espaços. A intervenção colaborativa incentivou a responsabilidade cidadã e teve como resultado a revitalização da rua, mostrando a relevância da participação dos moradores no processo de transformação. Foi aplicado um método de experimentação que agregou participação local e maior conexão entre os atores o que, a partir das ações informais, pode ser considerado alternativa visando o planejamento urbano da “participação verdadeira”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS (CNM). Gestão Municipal de Resíduos Sólidos, Estudo Técnico. Disponível em http://www.lixoes.cnm.org.br/. Acesso em 06/10/2020. 52 p.

COELHO, V. Baía de Guanabara: uma história de agressão ambiental. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2007. 278 p.

FILHO, L. Descarte irregular de resíduos é origem para diversos problemas. Além de refletir nível cultural, prática prejudica meio ambiente, saúde e até mesmo a economia. In: Jornal da USP, 04/10/2019. Disponível em https://jornal.usp.br/atualidades/descarte-irregular-de-residuos-e-origem-para-diversos-problemas/ acessado em 20/02/2020.

HEHL, R. A convergência de micro e macroatores. Rumo a redes multiescalares para intervenções urbanas. In Micro Planejamento: práticas urbanas criativas. São Paulo: Editora da Cultura, 2011. 232 p.

IBGE. Banco de Dados Agregados 2010. Sistema IBGE de Recuperação Automática - SIDRA. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/>. Acesso em: 10 setembro de 2016.

JACOBS, J. Morte e vida das grandes cidades. Tradução de Carlos S. Mendes Rosa. 3° edição. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011. 532 p.

LEITE, C. Cidades sustentáveis, cidades inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Porto Alegre: Bookman, 2012. 278 p.

MUXÍ MARTÍNEZ, Z. et al. Qué aporta la perspectiva de género al urbanismo? Feminismo/s 17, pp. 105-129, 2011.

NEUMAN, M. The Compact City Fallacy. Journal of Planning Education and Research 25, pp. 11-26, 2005.

PREFEITURA RIO. Rio de Janeiro se destaca na gestão do lixo e é melhor capital brasileira em Índice de Sustentabilidade Urbana. Publicado em 23/08/2019, disponível em http://www.prefeitura.rio/comlurb/rio-de-janeiro-se-destaca-na-gestao-do-lixo-e-e-melhor-capital-brasileira-no-indice-de-sustentabilidade-urbana-2019/ acessado em 06/10/2020.

PULICI, A. DE P, et al. Diagnóstico para a Sustentabilidade do Desenvolvimento da Maré. Rio de Janeiro: IPP, 2016 (Relatório). 145 p.

RANDOLPH, R. Do planejamento colaborativo ao planejamento “subversivo”: reflexões sobre limitações e potencialidades de Planos Diretores no Brasil.; Scripta Nova. In: Revista Electrónica de Geografia y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1 de agosto de 2007, vol. XI, núm. 245.12 p.

RANDOLPH, R. A nova perspectiva do planejamento subversivo e suas (possíveis) implicações para a formação do planejador urbano e regional – o caso brasileiro. In: X Coloquio Internacional de Geocrítica. Barcelona: 2008. 15 p.

REDES DA MARÉ. Censo Populacional da Maré. Rio de Janeiro: Redes da Maré, 2019. 108 p.

RIO DE JANEIRO (2011). Lei complementar nº 111 de 1º de fevereiro de 2011. Rio de Janeiro: Câmara Municipal, [2020]. Disponível em https://leismunicipais.com.br/plano-diretor-rio-de-janeiro-rj acessado 12/02/2020

ROSA, M.L. Práticas Urbanas Criativas. In Micro Planejamento: práticas urbanas criativas. São Paulo: Editora da Cultura, 2011, 229 p.

ROY, A. Urban Informallity: Toward an epistemology of planning. In Journal of the American Planning Association, vol. 71, n. 02, 2005. 147-158 pp.

SOLÀ-MORALES, Ignasi. Terrain Vague (1995). Tradução: Igor Fracalossi. In: Archdaily, Março de 2012, disponível em https://www.archdaily.com.br/br/01-35561/terrain-vague-ignasi-de-sola-morales acessado em 09/07/2018.

ZILLMANN, K. Rethinking the Compact City: Informal Urban Development in Caracas. In Jenks, M. and Burgess, R. Compact Cities: Sustainable Urban Forms for Developing Countries, Londres: E & F N Spon, 2000, pp. 37-52.

Publicado

2021-06-23

Como Citar

Galeazzi, C. H., & Brandão, V. . (2021). Depósitos Irregulares de Lixo em áreas informais: a Ação Colaborativa como tática para a Qualificação do Espaço . Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 28(52), e175924. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.175924

Edição

Seção

Dossiê: Estudos decoloniais na arquitetura, no urbanismo, no design e na arte

Dados de financiamento