O debate sobre o trabalho e exercício profissional do arquiteto-urbanista brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.180698

Palavras-chave:

Trabalho, Exercício profissional, Arquiteto e urbanista, Nova morfologia do trabalho

Resumo

Este artigo apresenta os resultados do levantamento exploratório da literatura sobre o trabalho e o exercício profissional do arquiteto e urbanista, bem como uma pequena amostra do debate mais recente sobre a questão realizado pela categoria no Brasil e no mundo. Percebe-se que o tema tem ganhado relevância nas discussões no âmbito da organização da classe; entretanto, a isso não corresponde uma maior da pesquisa científica ou do debate acadêmico, já que os textos existentes são dispersos e nem sempre tomam como centro de sua atenção o trabalho e o exercício de suas atribuições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Cesar Euphrasio de Mello, Universidade Federel do Rio Grande do Sul (UFRGS). Faculdade de Aquitetura, Departamento de Urbanismo

Doutor em Planejamento Urbano e Regional, professor do Departamento de Urbanismo da Faculdade de Arquitetura/UFRGS

Geisa Zanini Rorato, Universidade Federel do Rio Grande do Sul (UFRGS). Faculdade de Aquitetura, Departamento de Urbanismo

Doutora em Planejamento Urbano e Regional, professora do Departamento de Urbanismo da Faculdade de Arquitetura/UFRGS

Eugenia Aumond Kuhn, Universidade Federel do Rio Grande do Sul (UFRGS). Faculdade de Aquitetura, Departamento de Urbanismo

Doutora em Engenharia Civil, professora do Departamento de Urbanismo da Faculdade de Arquitetura/UFRGS.

Referências

ALVES, G. Trabalho e Subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.

AMARAL, B. Da crítica do canteiro à autogestão: Sérgio Ferro, Usina e os mutirões autogeridos em São Paulo, Brasil. Finisterra, LV(114), 2020, pp. 141-155.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

ANTUNES R. Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2011.

ANTUNES R. O trabalho, sua nova morfologia e a era da precarização estrutural. Revista Theomai: Estúdios críticos sobre sociedad y desarollo, n. 19, primeiro semestre de 2009, p. 50-51. Disponível em: http://revista-theomai.unq.edu.ar/NUMERO19/ArtAntunes.pdf. Acesso em: 05 jan. 2021.

ANTUNES R. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2005.

ARANTES, P.F. Arquitetura na era digital-financeira: desenho, canteiro e renda da forma. São Paulo: Editora 34, 2012.

BICCA, P. Arquiteto a máscara e a face. São Paulo: Projeto Editores Associados, 1984.

BUNGE, M. Una disciplina poliédrica. La Nacion. Disponível em: http://www.lanacion.com.ar/107696-una-disciplina-poliedrica. Acesso em: 05 jan. 2021.

CASER, K.C. Discriminação de gênero em arquitetura: o campo profissional pela perspectiva da mulher arquiteta. Salvador: Anais do V ENANPARQ, 2016, p. 642-665.

HESÍODO. O trabalho e os dias. São Paulo: Hedra, 2013.

KAPP, S. Grupos sócio-espaciais ou a quem serve a assessoria técnica. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, São Paulo, v.20, n.2, p. 221-236, mai.-ago. 2018. DOI: https://doi.org/10.22296/2317-1529.2018v20n2p221

LOPES, J.M.A. Nós, os arquitetos dos sem-teto. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, São Paulo, v.20, n.2, p. 237-253, Mai.-ago. 2018. DOI: https://doi.org/10.22296/2317-529.2018v20n2p237

MELLO, B.C.E. Emprego em arquitetura e urbanismo e nova morfologia do trabalho. Notas a partir da experiência do Rio Grande do Sul. Arquitextos, São Paulo, ano 15, n. 178.02, Vitruvius, mar. 2015. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/15.178/5493. Acesso em: 05 jan. 2021.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES EM ARQUITECTURA. Manifesto do Movimento dos Trabalhadores em Arquitectura, 09 nov. 2019. Disponível em: http://www.movimento-mta.pt/documentos/20191109-Manifesto_MTA.pdf. Acesso em: 05 jan. 2021.

OVÍDIO. Metamorfoses. São Paulo: Editora 34, 2017.

PINTO, G.A. A organização do trabalho no século XX: taylorismo, fordismo e toyotismo. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

SAMPAIO, R.F.; MANCINI, M.C.; Estudos de Revisão Sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v.11, n.1, p. 83-89, jan./fev.2007.

SANTIAGO, A.D.C. Inventando a contra-mola que resiste: reflexões sobre o trabalho do arquiteto em tempos de precarização. Dissertação (mestrado) Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Fluminense, Escola de Arquitetura e Urbanismo: Niterói, 2019.

SCHOLZ, T. Cooperativismo de plataforma: contestando a economia do compartilhamento corporativa. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo; Elefante; Autonomia Literária, 2016.

SEGNINI, F. A prática profissional do arquiteto em discussão. Tese (doutorado) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, USP: São Paulo, 2002.

SHIMBO, L.Z. Habitação social, habitação de mercado: a confluência entre Estado, empresas construtoras e capital financeiro. Tese (doutorado) Programa de Pós-Graduação em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo, Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo: São Carlos, 2010.

SILVA, E. Profissão, conhecimento & ideologia na Arquitetura. Tese (doutorado) Programa de Pós-graduação em sociologia. Porto Alegre: UFRGS, 1997.

SILVA, H.A.; MONTE, A.C.; LEITE, I.F.B. Formação e atuação profissional: panorama geral da arquitetura e do design no nordeste brasileiro. Salvador: Anais do V ENANPARQ, 2016, p.794-808.

SLEE, T. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Elefante, 2017.

WHITAKER, J.S. Perspectivas e desafios para o jovem arquiteto no Brasil. Qual o papel da profissão? Arquitextos, São Paulo, ano 12, n. 133.07, Vitruvius, jul. 2011. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/12.133/3950. Acesso em: 05 jan. 2021.

WILDEROM, M.; ARANTES, P.F. Arquiteturas da distância: o que a pandemia pode revelar sobre o ensino de Arquitetura e Urbanismo. ArchDaily Brasil. 02 ago. 2020. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/944738/arquiteturas-da-distancia-o-que-a-pandemia-pode-revelar-sobre-o-ensino-de-arquitetura-e-urbanismo. Acesso em: 05 jan. 2021.

ZARDO, P.; MUSSI, A.Q. SILVA, J.L. Tecnologias digitais no processo de projeto contemporâneo: potencialidades e desafios à profissão e à academia. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 425-440, abr./jun. 2020.

Publicado

2021-06-17

Como Citar

Mello, B. C. E. de, Rorato, G. Z., & Kuhn, E. A. (2021). O debate sobre o trabalho e exercício profissional do arquiteto-urbanista brasileiro. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 28(52), e180698. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.psrevprogramapsgradarquiturbanfauusp.2021.180698

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento