As áreas verdes no contexto do planejamento urbano em São Paulo: os parques da gestão Setúbal (1976-1979)

Autores

  • Ana Cláudia Castilho Barone Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v20i34p198-217

Palavras-chave:

Parques urbanos. Áreas verdes. Olavo Setúbal. Preservação ambiental. Proteção de florestas. Política ambiental urbana. Espaços verdes (São Paulo).

Resumo

Durante muito tempo, a imprensa e outros veículos de comunicação reforçaram a ideia de que Olavo Setúbal teria sido “o prefeito que mais fez pelo verde” em São Paulo. Nove parques públicos foram criados em sua gestão, com recursos orçamentais. Este artigo propõe uma investigação sobre os motivos que levaram Setúbal a adotar essa política. Na segunda metade da década de 1970, essa iniciativa inscrevia-se em um contexto de debates sobre a carência de áreas verdes urbanas, por parte dos órgãos públicos municipais, mas também no âmbito da orientação política de proteção da cobertura vegetal na esfera nacional. A diretriz implementada pelo governo federal, com amplo apoio internacional, voltava-se especialmente para a preservação da vegetação, legitimando a iniciativa encampada por Setúbal. Torna-se pertinente, portanto, compreender a influência, sobre a política urbana, do paradigma de defesa ambiental no Brasil, nos anos 70, como formadora de uma tendência, em pleno vigor até hoje.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Castilho Barone, Universidade de São Paulo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Arquiteta e urbanista, docente do Departamento de Projeto da FAUUSP desde 2008, na área de Planejamento Urbano. Concluiu o doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas pela USP. Em 2006, realizou estágio de doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales, França. É autora do livro Team 10: Arquitetura como crítica. Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em história da arquitetura, história das cidades e do urbanismo, planejamento urbano e projeto ambiental urbano.

Referências

ABREU, Alzira Alves de et al (coords). Dicionário histórico-biográfico brasileiro - pós-1930. Rio de Janeiro: CPDOC, 2001. 6.211 p.

AS quatro prioridades de Olavo Setúbal. O Estado de São Paulo. São Paulo, p. 42, 11 abr. 1975.

BARONE, Ana Claudia Castilho. Ibirapuera: parque metropolitano(1926-1954). 2007. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo)-Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

BARONE, Ana Claudia Castilho. Parques urbanos municipais em São Paulo e política ambiental no Brasil na década de 70. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA (Org.). Águas urbanas: memória, gestão, riscos e regeneração. Londrina: Eduel, 2008.

BARTALINI, Vladimir. Parques públicos municipais de São Paulo. 1999. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo)-Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

CAVALHEIRO, F.; DEL PICCHIA, P.C.D. Áreas verdes: conceitos, objetivos e diretrizes para o planejamento. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE ARBORIZAÇÃO URBANA, 4., 1992, Vitória. Anais... Vitória, 1992, p.29-38.

GEISER, R.R. et al. Áreas verdes nas grandes cidades. In: XXVI CONGRESSO NACIONAL DE BOTÂNICA, 26., Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 1975.

COGEP. Áreas de lazer Sabesp. São Paulo: PMSP, s.d.

COGEP. Áreas verdes declaradas de utilidade pública. São Paulo: PMSP, 1975.

COGEP. Política do verde para a cidade de São Paulo. São Paulo: PMSP, 1974.

COGEP. Relatório preliminar. Implantação de PAV-01 (Programa de Áreas Verdes). São Paulo: PMSP, 1975.

HÁ esperança para a qualidade de vida. In: Revista Galileu, n. 187, fev. 2007. Disponível em: http://revistagalileu.globo.com/Galileu/0,6993,ECT444027-1718,00.html. Acesso em: 2007.

O ECO. Disponível em: http://arruda.rits.org.br/notitia/servlet/newstorm.ns.presentation Acesso em: 2007.

KLIASS, Rosa Grena et al. Levantamentos: características urbanas de 5 zonas de aproximadamente 25 km2. São Paulo: PMSP, 1967. 32 p.

KLIASS, Rosa Grena. Parques urbanos de São Paulo. São Paulo: Pini, 1993. 211 p.

NOGUEIRA-NETO, Paulo. Uma trajetória ambientalista: diário de Paulo Nogueira-Neto. São Paulo: Empresa das Artes, 2010. 877 p.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO (PMSP). São Paulo: a cidade, o habitante, a administração, 1975-1979. Administração Olavo Egydio Setúbal. São Paulo: PMSP, 1979.

SETÚBAL explica vantagens da compra da Fazenda do Carmo. Folha de São Paulo, São Paulo, 22 jul. 1976. Primeiro Caderno, p. 11.

RAMOS, Paula Alessandra. Mídia, ecologia e áreas verdes: OESP e os parques da gestão Setúbal (1975-1979). In: Paisagem Ambiente (São Paulo), n. 29, p. 121-136, 2011.

VILLAÇA, Flávio. Uma contribuição para a história do planejamento urbano no Brasil. In: DEÁK, Csaba; SCHIFFER, Sueli Ramos (Org.). O processo de urbanização no Brasil. São Paulo: Editora da USP, 1999. p. 169-243.

Downloads

Publicado

2013-12-30

Como Citar

Barone, A. C. C. (2013). As áreas verdes no contexto do planejamento urbano em São Paulo: os parques da gestão Setúbal (1976-1979). PosFAUUSP, 20(34), 198-217. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v20i34p198-217

Edição

Seção

Artigos