Formas de compreensão e gestão da pobreza urbana no Rio de Janeiro

Entre a violência e o mercado

Autores

  • Ramón Chaves Gomes Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-2423.v9i9p43-62

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de discutir a natureza político-social dos problemas relacionados à segurança pública no Rio de Janeiro. Com o apoio de vasta literatura, é possível afirmar que, desde a redemocratização, as políticas adotadas pelo poder público com a intenção de frear a “criminalidade violenta” na cidade e no estado se caracterizaram pelo recurso à coerção e à violência física e simbólica contra as favelas. O flagrante insucesso desse modelo de intervenção estatal provocou debates em torno da possibilidade de reforma ou mudança de perspectiva na atuação do Estado. No Rio de Janeiro, isso se expressou de forma mais madura na implantação das Unidades de Policia Pacificadora (UPP) em algumas favelas da cidade, o que configurou provisoriamente um novo contexto de tratamento ao problema da favela como território da violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU JUNIOR, Laerthe de Moraes; CARVALHO, Eliane Vianey. O discurso médico-higienista no Brasil do início do século XX. Revista Trabalho, Educação e Saúde (Impresso), v. 10, p. 427-451, 2012.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 15. Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BARBOSA, Antonio Rafael. Considerações introdutórias sobre territorialidade e mercado na conformação das unidades de polícia pacificadora no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Segurança Pública, São Paulo, v.6, n.2, p. 256-265, 2012.

BARREIRA, Marcos. Cidade Olímpica: sobre o nexo entre reestruturação urbana e violência na cidade do Rio de Janeiro . In: ROCHA de Oliveira, Pedro; BRITO, F. (Org.). Até o último homem. Visões cariocas da administração armada da vida social. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

BARROS, Ricardo; MENDONÇA, Rosane; TSUKADA, Raquel. Portas de saída, inclusão produtiva e erradicação da extrema pobreza no Brasil. Brasília, DF: Secretaria de Assuntos Estratégicos, 2011. (Texto para discussão). Disponível em http://www.sae.gov.br/wp-content/uploads/Portas-de-erradicaçao-da-extrema-pobreza.pdf. Acesso em: maio de 2016.

CANO, Ignacio. As políticas de segurança pública no Brasil: modernização e democratização versus a guerra contra o crime . Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 5, p. 137-156, 2006.

CANO, Ignacio; BORGES, Doriam; RIBEIRO, Eduardo. Os Donos do Morro: uma análise exploratória do impacto das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro. 1.ed. São Paulo: Fundo Brasileiro de Segurança Pública, 2012.

COIMBRA, Cecília Maria.Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de Janeiro/Niterói: Oficina do Autor/Intertexto, 2001.

CUNHA, Neiva Vieira; MELLO, Marco Antonio da Silva. Novos conflitos na cidade: o processo de urbanização na favela. Dilemas: revista de estudos de conflito e controle social, Rio de Janeiro, v.4, n.3, p. 371-401, 2011.

DAS, Veena; POOLE, Deborah (Ed.) Anthropology in the Margins of the State. Oxford: James Currey, 2004.

ELIAS, Nobert; SCOTSON, John L. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

FRIDMAN, Luis Carlos. Morte e vida favelada. In: MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. (Org.). Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008, p. 77-98.

OST, Sabrina; FLEURY, Sonia. O Mercado sobe o morro: a cidadania desce? Efeitos socioeconômicos da pacificação no Santa Marta. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v.56, p. 635-671, 2013.

LEITE, Márcia Pereira. Da metáfora da guerra ao projeto de pacificação: favelas e políticas de segurança pública no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 6, p. 374, 2012a.

LEITE, Márcia Pereira. Las “ciudades” de la ciudad de Rio de Janeiro: reestructación urbana en el contexto de los “grandes eventos”. In: Proposta, ano 36, n, 125, 2012b.

LEITE, Márcia Pereira. De territórios da pobreza a territórios de negócios: dispositivo de gestão das favelas cariocas em contexto de “pacificação”. In: LEITE, Márcia Pereira; BIRMAN, Patrícia (Org.); CARNEIRO, Sandra de Sá (Org.); MACHADO, Carly (Org.). Dispositivos Urbanos e Trama dos Viventes: ordens e resistências. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2015.

LOBATO, Elvira; ANTUNES, Claudio. “Empresas ajudam a financiar pacificação”, Folha de São Paulo, 28 de novembro de 2010. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2811201040.htm. Acesso em: maio de 2016.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira; FRIDMAN, Luis Carlos. Matar, Morrer, “civilizar”: O Problema da Segurança Pública. IBASE/Action Aind-Brazil/ Fundação Ford, 2005.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira. Violência, crime e polícia: o que favelados dizem quando falam desses temas? In: MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. (Org.). Vida sob cerco: violência e rotina nas favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FAPERJ/Nova Fronteira, 2008, p. 47-76.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira. Quarenta anos de sociologia urbana. In: Sandra de Sá Carneiro; Maria Josefina Gabriel Sant’Anna. (Org.). Cidade: olhares e trajetórias. 1ed.Rio de Janeiro: Garamond, 2009, v. , p. 21-42

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira. Violência urbana, segurança pública e favelas - o caso do Rio de Janeiro atual.Caderno CRH (UFBA. Impresso), v. 23, p. 283-300, 2010a.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira. Afinal, qual é a das UPPs? Portal do InEAC/UFF, Rio de Janeiro, 15 abr. 2010b.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira. Dossiê Unidades de Polícia Pacificadora - CEVIS. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 7, 2014.

MENEGAT, Marildo. A crítica do valor bate à sua porta. In: ROCHA DE OLIVEIRA, Pedro; BRITO, F. (Org.) . Até o último homem. Visões cariocas da administração armada da vida social. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

MISSE, Michel. Malandros, marginais e vagabundos: a acumulação social da violência no Rio de Janeiro. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Iuperj, 1999.

MISSE, Michel. Crime, sujeito e sujeição criminal: aspectos de uma contribuição analítica sobre a categoria “bandido”. Lua Nova, São Paulo, 79: 15-38, 2010.

NAZARETH CERQUEIRA, Carlos Magno. As políticas de segurança pública do governo Leonel Brizola. Archè, Rio de Janeiro, ano VII, n.19, 1998.

RIBEIRO, Luiz Cesar; SANTOS JR, Orlando Alves. Governança empreendedorista e megaeventos esportivos: reflexões em torno da experiência brasileira. In: O social em questão, ano XVI, n. 29, 2013.

RIBEIRO, Ludmila Mendonça Lopes; MONTANDON, Ana Maria Alemão. O que os policiais querem dizer com ‘policiamento comunitário’: Uma análise dos discursos dos oficiais da PMERJ.

DILEMAS - Vol. 7 - n 259 o 2 - ABR/MAI/JUN 2014 - pp. 233-260.

ROCHA, Lia de Mattos. Da “cidade integrada” ao “empreendedorismo”: participação e gestão nas margens em tempos de “pacificação”. 38º Encontro Anual da Anpocs Caxambu - Minas Gerais. Outubro de 2014.

ROSE, Nikolas. Governando a alma: a formação do eu privado. In: Silva, Tomaz Tadeu da (org.). Liberdades reguladas. Petrópolis: Vozes, 1988, p.30-45.

SOARES, Luiz Eduardo. Meu casaco de general: quinhentos dias no front da segurança pública do Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

TOMMASI, Livia; VELAZCO, Dafne. A produção de um novo regime discursivo sobre as favelas cariocas e as muitas faces do empreendedorismo de base comunitária. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, p. 15-42, 2013. Primeiros Estudos, São Paulo, n. 9, 2019 62

Downloads

Publicado

2019-03-20

Como Citar

Gomes, R. C. (2019). Formas de compreensão e gestão da pobreza urbana no Rio de Janeiro: Entre a violência e o mercado. Primeiros Estudos, 9(9), 43-62. https://doi.org/10.11606/issn.2237-2423.v9i9p43-62

Edição

Seção

Artigos