Sobre a interpretação sociológica causalmente adequada: entre máximas e disposições

Autores

  • Denizar Amorim Azevedo Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-2423.v9i9p7-22

Palavras-chave:

Teoria sociológica, Sociologia da sociologia, Sociologia weberiana, Metodologia weberiana, Sociologia brasileira

Resumo

O presente artigo analisar o primeiro capítulo da obra “Homens livres na ordem escravocrata” (1997) de Maria Sylvia de Carvalho Franco, intitulado “O Código do Sertão”. A análise teve como subsídio a sociologia de Max Weber, para evidenciar as conexões de sentidos causalmente adequadas nas condutas dos agentes investigados pela socióloga uspiana. Os resultados da analise apontou para a existência de disposições de comportamentos que alicerçam as ações e relações sociais cujos conteúdos são as agressões físicas, e de máximas que as justificam.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denizar Amorim Azevedo, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Referências

BOTELHO, A. (2013). “Teoria e história na sociologia brasileira: a crítica de Maria Sylvia de Carvalho Franco”. Lua nova. n. 90, p. 331-366.

BOTELHO, A. (2007). “Sequências de uma sociologia política brasileira”. Dados. v.50, n.1, p. 49-82.

BENDIX, R. (1986). Max Weber: um perfil intelectual. Tradução de Elisabeth Hanna (Trad.). Brasília: Universidade de Brasília (UnB).

COHN G. (2012 [1991]) “Alguns problemas conceituais e de tradução em ‘Economia e sociedade”. In:____.WEBER, Max (2012) Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Trad. de Regis Barbosa e Karen Elsen Barbosa; ver. Téc. de Gabriel Cohn, 4ª ed. 3ª reimpressão. Brasília. Editora Universidade de Brasília (UnB).

ELIAS, N. (2001). A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia da corte. Trad.Pedro Süssekind; André Telles. Rio de Janeiro. Jorge Zahar.

FRANCO, M. S. C. (1997). Homens livres na ordem escravocrata. 4 ed. 2ª reimpressão. São Paulo: Fundação Editora da UNESP – Universidade Estadual de São Paulo (Biblioteca Básica).

FERNANDES, F. (1976). A Revolução Burguesa No Brasil: Ensaio De Interpretação Sociológica. 2ª Ed. Rio De Janeiro: Zahar, 1976.

FREUND, J. (1980) Sociologia de Max Weber. Luis Claudio de Castro e Costa (Trad.). 3ª ed. Rio de Janeiro: Forense - Universitária.

JACKSON, L. C. (2007a). “Tensões e Disputas na Sociologia Paulista (1940-1970)”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v.22, n. 65, p. 33-49.

JACKSON, L. C. (2007b). “Gerações pioneiras na sociologia paulista (1934 -1969)”. Tempo Social. v. 19, n. 1, p. 115-130.

PULICI, C. (2008). Entre Sociólogos: Versões conflitivas da "condição de sociólogo" na usp dos anos 1950-1960. São Paulo, SP, Brasil: Editora da Universidade de São Paulo/ Fapesp.

RIGER, F. K. (2004) A Metodologia de Max Weber: Unificação das Ciências Culturais e Sociais. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (USP).

WEBER, M. (2012) Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsen Barbosa; ver. téc. de Gabriel Cohn, 4ª ed. 3ª reimpressão. Brasília. Editora Universidade de Brasília (UnB).

WEBER, M. (1983) A ética protestante e o espírito do capitalismo. Tradução de M. Irene de Q. F. Szmrecsanyi. 3ª Ed. São Paulo. Pioneira.

Downloads

Publicado

2019-03-20

Como Citar

Azevedo, D. A. (2019). Sobre a interpretação sociológica causalmente adequada: entre máximas e disposições. Primeiros Estudos, 9(9), 7-22. https://doi.org/10.11606/issn.2237-2423.v9i9p7-22

Edição

Seção

Artigos