A ESTRADA DO PACÍFICO: NECESSIDADE E CUSTOS SÓCIO-AMBIENTAIS

Autores

  • Mauro Leonel Programa Interunidades em Integração da América Latina. Universidade de São Paulo.
  • Luiz Sanná Pinto Programa Interunidades em Integração da América Latina. Universidade de São Paulo.
  • Julieth Aquino Instituto de Antropologia e Meio Ambiente.
  • Janine Salles de Carvalho Programa Interunidades em Integração da América Latina. Universidade de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1676-6288.prolam.2008.82317

Palavras-chave:

América do Sul, Relações Internacionais, Política Territorial.

Resumo

As estradas chegaram a ser a medida de boas políticas públicas: “governar é construir estradas”, já foi dito no Brasil, pré e pós JK. No entanto, na história das civilizações, as estradas nunca deixaram de ser penosas para os conquistados. O caso da Estrada do Pacífico compromete ecossistemas frágeis das diversidades amazônicas, desrespeita as populações tradicionais, povos tribais e populações Quechuas e Aymaras das
encostas andinas. A estrada do Pacífico é apenas um dos trechos dos planos de infra-estrutura que também se dirigem, via Guianas, ao Caribe. A pergunta é: como ficam florestas, povos e encostas andinas?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2008-06-01

Como Citar

Leonel, M., Pinto, L. S., Aquino, J., & Carvalho, J. S. de. (2008). A ESTRADA DO PACÍFICO: NECESSIDADE E CUSTOS SÓCIO-AMBIENTAIS. Brazilian Journal of Latin American Studies, 7(12), 223-260. https://doi.org/10.11606/issn.1676-6288.prolam.2008.82317

Edição

Seção

Artigos