Antimonumentos: trabalho de memória e de resistência

Autores

  • Márcio Seligmann-Silva Universidade Estadual de Campinas; Instituto de Estudos da Linguagem; Departamento de Teoria Literária

DOI:

https://doi.org/10.1590/0103-6564D20150011

Resumo

Este ensaio apresenta uma reflexão sobre o fenômeno dos "antimonumentos" que surgiram no final do século XX como uma forma de lidar, pelo viés das artes, com a violência de Estado, como nos casos do nazismo e das ditaduras latino-americanas. Este texto faz inicialmente uma retomada da mnemotécnica, ou seja, da antiga "arte da memória", que tem como seu pai mítico Simônides de Ceos, para em seguida apresentar a cena moderna da "arte da memória" sob a rubrica dos antimonumentos. O trabalho apresenta e discute obras de, entre outros artistas, Jochen Gerz, Horst Hoheisel, Andreas Knitz, Marcelo Brodsky e Fulvia Molina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-04-01

Como Citar

Seligmann-Silva, M. (2016). Antimonumentos: trabalho de memória e de resistência . Psicologia USP, 27(1), 49-60. https://doi.org/10.1590/0103-6564D20150011

Edição

Seção

Dossiê