O luto da ciência ideal

Autores

  • Paulo Beer Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.1590/0103-6564e210162

Palavras-chave:

Luto, Ciência, Psicanálise, Ideal

Resumo

A ciência moderna tem sido objeto de idealizações desde sua emergência, as quais parecem perdurar mesmo após revisões e críticas presentes na filosofia da ciência contemporânea. Isso indica que parte das tentativas de readequação da imagem que se constrói sobre a ciência – e dos discursos que circulam sobre ela – não parece ter efeito. Propomos, neste artigo, que essas dificuldades resultam, em parte, da complexidade em lidar com os investimentos libidinais dos processos de idealização. Isso é indicado com base na teoria psicanalítica e na filosofia da ciência, sendo seguido por um trabalho conceitual sobre os mecanismos atuantes em processos identificatórios e nos possíveis efeitos da perda de um ideal, sustentando a necessidade de realização de um luto. Assim, afirmamos que desidealizar a ciência é, sobretudo, uma maneira de fortalecê-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-04-04

Como Citar

Beer, P. (2023). O luto da ciência ideal. Psicologia USP, 34, e210162. https://doi.org/10.1590/0103-6564e210162

Edição

Seção

Artigos