A criança e a psicanálise: o"lugar" dos pais no atendimento infantil

Autores

  • Léia Priszkulnik Universidade de São Paulo; Instituto de Psicologia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-51771995000200006

Palavras-chave:

Psicanálise da criança, Psicanálise, Tratamento, Crianças, Família

Resumo

Este artigo relata o caminho seguido pela Psicanálise infantil desde a primeira tentativa de tratar uma criança por meios analíticos realizada por Freud com o pequeno Hans. Expõe os trabalhos de Anna Freud e Melanie Klein, cujas obras diferem diametralmente sobre a possibilidade de estabelecer com a criança uma relação puramente analítica, e os trabalhos de Françoise Dolto e Maud Mannoni que centram o tratamento na escuta do inconsciente e incluem a posição parental. A partir das linhas de trabalho destas psicanalistas procura refletir sobre a questão de saber se o psicanalista infantil deve ou não receber os pais, ou se estes devem ou não aparecer na cena analítica, valendo-se do suporte teórico da Psicanálise francesa de inspiração lacaniana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1995-01-01

Como Citar

Priszkulnik, L. (1995). A criança e a psicanálise: o"lugar" dos pais no atendimento infantil . Psicologia USP, 6(2), 95-102. https://doi.org/10.1590/S1678-51771995000200006

Edição

Seção

Artigos Originais