A família narrada por crianças e adolescentes de rua: a ficção como suporte do desejo

Autores

  • Leda Verdiani Tfouni USP; Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto
  • Juliana Moraes USP; Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-65642003000100005

Palavras-chave:

Subjetividade, Representação mental em crianças, Estrutura familiar, Meninos de rua

Resumo

Fundamentando-se na perspectiva teórica fornecida pela psicanálise de orientação lacaniana, busca-se investigar a representação familiar em narrativas orais de ficção, produzidas por uma criança e um adolescente de rua. Parte-se do princípio de que o discurso narrativo configura-se como locus privilegiado para a instalação da subjetividade. No discurso narrativo de ficção, em especial, a verdade do sujeito irrompe à sua revelia; ele acaba falando de si, pois não logra escapar de seu assujeitamento à linguagem. O que parece caracterizar as narrativas é a emergência de um jogo entre o empírico e o idealizado, que se organiza da seguinte maneira: lado a lado com a representação de uma família desestruturada (figuras parentais ausentes, rearranjos familiares, pais negligentes), aparece a representação de uma família unida e feliz. A conclusão é que, através da ficção, eles organizaram sua simbolização particular sobre o que é uma família, guiados fundamentalmente pelo desejo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2003-01-01

Como Citar

Tfouni, L. V., & Moraes, J. (2003). A família narrada por crianças e adolescentes de rua: a ficção como suporte do desejo. Psicologia USP, 14(1), 65-84. https://doi.org/10.1590/S0103-65642003000100005

Edição

Seção

Artigos Originais