Atenção à saúde mental na Estratégia Saúde da Família: recursos não reconhecidos

Autores

  • Mariana de Oliveira Pasqualin Ribeiro Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; Departamento de Medicina Social
  • Maria do Carmo Gullaci Guimarães Caccia-Bava Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; Departamento de Medicina Social
  • Carla Guanaes-Lorenzi Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto; Departamento de Psicologia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0103-65642013000300002

Resumo

Um dos pilares da política de Atenção Básica, a Estratégia Saúde da Família, realiza assistência descentralizada nos territórios adscritos, atendendo diferentes demandas, incluindo a saúde mental. Esta pesquisa teve como objetivo produzir sentidos com profissionais da Saúde da Família sobre seus recursos para o cuidado em saúde mental. Para tanto, foram realizados grupos focais com profissionais da saúde da família de um município do interior do estado de São Paulo. A análise do material foi realizada por procedimentos qualitativos de análise temática, com base nas contribuições do movimento construcionista social. Essa análise permitiu dar visibilidade a importantes recursos técnicos e relacionais da equipe para o cuidado em saúde mental, mas que pareciam pouco legitimados em seu cotidiano. Discutimos a necessidade de criação de espaços de reflexão onde os trabalhadores de saúde possam ressignificar suas ações, o que pode contribuir para a qualificação do atendimento em saúde mental na Atenção Básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-12-01

Como Citar

Ribeiro, M. de O. P., Caccia-Bava, M. do C. G. G., & Guanaes-Lorenzi, C. (2013). Atenção à saúde mental na Estratégia Saúde da Família: recursos não reconhecidos . Psicologia USP, 24(3), 369-390. https://doi.org/10.1590/S0103-65642013000300002

Edição

Seção

Artigos Originais