Estéticas da diversão nos "mortos-vivos" contemporâneos

Autores

  • Marília Etienne Arreguy Universidade Federal Fluminense; Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.1590/0103-656420130028

Resumo

O presente ensaio visa refletir sobre a diversão com uma estética da violência nos cult movies e alguns de seus efeitos na subjetividade contemporânea. Toma por base o referencial psicanalítico cotejado com a perspectiva crítica de Theodor Adorno. O texto utiliza o conceito de diversão como fonte de crítica à indústria cultural, no intuito de demonstrar o modo em que certa estética da violência produz uma espécie de sublimação passiva e alienante em boa parte dos sujeitos, que passam a representar, sobretudo do ponto de vista político, uma espécie de "mortos-vivos", ou seja, de zumbis impotentes, como atestam as análises de Slavoj Žižek. O filme Funny games [Violência gratuita] de Michael Haneke ilustra essa análise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-04-01

Como Citar

Arreguy, M. E. (2015). Estéticas da diversão nos "mortos-vivos" contemporâneos . Psicologia USP, 26(1), 100-107. https://doi.org/10.1590/0103-656420130028

Edição

Seção

Artigos Originais