Sacrifício, tempo, antropologia: três exercícios em torno de O Pensamento Selvagem

  • Marcos Lanna Universidade Federal de São Carlos
  • Carlos Eduardo Costa Universidade Federal de São Carlos
  • Alexandre Colli de Souza Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: C. Lévi-Strauss, O Pensamento Selvagem, sacrifício, história, arte

Resumo

O artigo apresenta leitura de O Pensamento Selvagem, de C. Lévi- Strauss, buscando demonstrar sua importância para a antropologia atual. Salientamos sua apresentação do “pensamento em estado selvagem” como possibilidade ou mesmo necessidade formal de todo pensamento humano, sua manifestação como arte, mito, bricolagem e sua relação com a ciência. Como se sabe, entre outras contribuições, esse livro apresenta uma noção de transformação entre conjuntos analíticos sistemáticos. Ao mesmo tempo, demonstra ser a atividade classificatória inelutável, afirmando um homem condenado a classificar, seja de modo totêmico, seja sacrificial. Nesse quadro, procuramos reunir diferentes estilos de pensamento — inclusive os nossos próprios, eles também bricolagens e classificações. Discutimos o contraste entre sistemas classificatórios totêmico e sacrificial, para depois confrontarmos antropologia e história e finalmente debatermos a questão do lugar da antropologia em um triângulo arte-ciência-mito. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-08-12
Como Citar
Lanna, M., Costa, C. E., & Souza, A. (2015). Sacrifício, tempo, antropologia: três exercícios em torno de O Pensamento Selvagem. Revista De Antropologia, 58(1), 321-361. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2015.102110
Seção
Artigos