Museus indígenas na Costa Noroeste do Canadá e nos Estados Unidos: colaboração, colecionamento e autorrepresentação

  • Andrea Roca Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional. Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento
Palavras-chave: Museus indígenas, descolonização, trabalho colaborativo, colecionamento, autorrepresentação

Resumo

A revisão das relações históricas de dominação nos museus etnográficos e o aparecimento e proliferação dos museus indígenas se enquadram dentro da virada pós-colonialista das últimas décadas. Enquanto os primeiros se reconheceram como instrumentos de legitimação da expansão colonial e começaram a considerar a presença dos produtores dos objetos expostos, os segundos foram aparecendo para reclamar as soberanias indígenas sobre a definição e interpretação de suas próprias histórias. Nesse processo de descolonização museológica, uma das práticas cruciais é o chamado “trabalho colaborativo” entre os profissionais que trabalham nos museus e os índios. A partir da leitura de uma série de trabalhos e exposições na Costa Noroeste do Canadá e nos Estados Unidos onde a colaboração aparece invocada, este trabalho propõe avaliar os alcances, limites e pontos de contato entre o trabalho colaborativo e a autorrepresentação indígena, fornecendo uma estrutura analítica que vai além das fronteiras desses dois países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Roca, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional. Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento
Doutora em Antropologia Social e pesquisadora do Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Publicado
2015-12-22
Como Citar
Roca, A. (2015). Museus indígenas na Costa Noroeste do Canadá e nos Estados Unidos: colaboração, colecionamento e autorrepresentação. Revista De Antropologia, 58(2), 117-142. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2015.108515
Seção
Artigos