Identidades em movimento: uma etnografia em contexto de violência

  • Aline Gama Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Clarice Peixoto Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Identidade, violência urbana, familiares de vítimas, Antropologia Urbana

Resumo

O trabalho analisa alguns movimentos em que as identidades na pesquisa com familiares de vítimas da violência do Rio de Janeiro acionam códigos de conduta ético-morais. A partir de observação participante, entrevistas e outras informações obtidas no campo, realizado entre 2009 e 2013, discutimos a relação intersubjetiva do antropólogo e a do familiar de vítima baseada no debate contemporâneo sobre identidade e alteridade. No campo, essas identidades se elaboram para superar o sofrimento individual dos familiares de vítimas em prol de causas coletivas, mas não é apenas ele que se converte em uma luta coletiva contra a violência, a partir do noticiário midiático. Guardados os devidos graus de envolvimento, o sofrimento dos familiares aciona outros como de pesquisadores, leitores e instituições que se inscrevem em uma linguagem e uma sociabilidade violentas. Entretanto, nesse trânsito identitário em situação limite pode-se perceber o surgimento de negações e do “duplo” sujeito/agente da violência urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-23
Como Citar
Gama, Aline, e Clarice Peixoto. 2017. Identidades Em Movimento: Uma Etnografia Em Contexto De Violência. Revista De Antropologia 60 (3), 186-210. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2017.141651.
Seção
Artigos