A invenção da infância

Mudança geracional na comunidade de Feira Nova (Orobó – PE) a partir do Programa Bolsa Família

Autores

  • Patrícia Oliveira S. dos Santos Universidade Federal de Campina Grande
  • Flávia Ferreira Pires Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148951

Palavras-chave:

Crianças, Infância, mudança geracional, Programa Bolsa Família, trabalho infantil

Resumo

Na comunidade de Feira Nova, um pequeno povoado rural, pertencente à cidade de Orobó, no Agreste pernambucano, Nordeste do Brasil, há um ideal de infância que se encontra relacionado ao não trabalho, à escolarização e à ludicidade. Contudo, essa compreensão de infância não foi vivenciada pelas gerações de avós e mães das crianças da geração contemporânea. Essa negação está, sobretudo, assentada na necessidade que lhes foi imposta pelo trabalho precoce e pela ausência total ou parcial de escolarização. Diferente das predecessoras, a geração atual de crianças encontra-se determinantemente marcada pela escolarização e largamente ausente do trabalho infantil, o que vem configurando uma importante mudança na forma em que a infância é vivenciada nesse contexto. O presente texto refletirá sobre essas mudanças que reverberam em uma maior atenção para as crianças no meio rural e surgem a partir de um processo de institucionalização da infância. Esse processo ganha força a partir da implementação e efetivação de programas sociais de transferência condicionada de renda, a exemplo do Programa Bolsa Família, que nesse contexto vem mudando, entre outras coisas, o lugar de socialização das crianças rurais e as marcas geracionais da infância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Oliveira S. dos Santos, Universidade Federal de Campina Grande

Patrícia Oliveira S. dos Santos é Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Campina Grande. Mestre em Antropologia, bacharel e licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Paraíba. É membro do grupo de pesquisa Crias: criança, sociedade e cultura. Recentemente tem se dedicado a pesquisar entre as crianças rurais do Agreste Pernambucano.

Flávia Ferreira Pires, Universidade Federal da Paraíba

Flávia Ferreira Pires é professora da Pós-Graduação em Sociologia e da Pós-Graduação em antropologia da Universidade Federal da Paraíba, membro da Global Young Academy, pesquisadora produtividade do CNPq, líder do grupo de pesquisa CRIAS: Criança, Sociedade e Cultura. Pesquisa infância e crianças em seus mais diversos desdobramentos teóricos, éticos, metodológicos e etnográficos.      

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. 2011. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In FARIA, Ana Lúcia Goulart de e FINCO, Daniela (orgs.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas, Autores Associados.

ARIÈS, Philippe. 1981. História social da criança e da família. Trad. D.

Flakasman. 2ª ed. Rio de Janeiro, LTC Editora.

AZEVEDO, José Sérgio Gabrielli. de; MENEZES, Wilson Ferreira.; e FERNANDES, Cláudia Monteiro. 2000. Fora de lugar. Crianças e adolescentes no mercado de trabalho. São Paulo, Abet.

BRANDÃO, Carlos R. 1986. “A criança que cria: conhecer o seu mundo”. In A educação como cultura. 2ª ed. São Paulo, Brasiliense.

BRANDÃO, Carlos R. 1990. O trabalho de saber: cultura camponesa e escola rural. São Paulo, FTD.

CANDIDO, Antonio. 1971. Os parceiros do Rio Bonito. São Paulo, Duas Cidades.

CARNEIRO, Maria. José (org.). 2012. Modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro, Mauad.

CARVALHO, Inaiá Maria M. de. 2004. “Algumas lições do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil”. São Paulo em Perspectiva, 18(4): 50-61.

CIPOLA, Ari. 2001. O trabalho infantil. São Paulo, Publifolha.

COHN, Clarice. 2005. Antropologia da criança. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed.

DAMASCENO, Maria Nobre e BEZERRA, Bernadete. 2004. “Estudos sobre educação rural no Brasil: estado da arte e perspectiva”. Educação e Pesquisa, 30 (1):73-89.

DEBERT, Guita Guin. 1994. “Pressupostos da reflexão antropológica sobre a velhice”. In: ______ (org.). Antropologia e velhice (Textos Didáticos, 13). Campinas, IFCH/Unicamp, pp. 7-30.

GARCIA JR., Afrânio Raul. 1989. O sul: caminho do roçado: estratégias de reprodução camponesa e transformação social. São Paulo, Marco Zero.

GOMES, Ana Maria Rabelo. 2008. “Outras crianças, outras infâncias?” In: SARMENTO, Manuel e GOUVEA, Maria Cristina Soares de (orgs.). Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis, Vozes.

HEREDIA, Beatriz Maria Alásia de. 2013. A morada da vida: trabalho familiar entre pequenos produtores do Nordeste do Brasil . Rio de Janeiro, Centro Edelstein de Pesquisas Sociais. Biblioteca Virtual de Ciências Humanas.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. IBGE Cidades.

JAMES, Allison. 2007. “Giving Voice to Children’s Voices: Practices and Problems, Pitfalls and Potentials”. American Anthropologist, 109 (2).

JAMES, Allison e PROUT, Alan. 1997. Constructing and Reconstructing Childhood: Contemporary Issues in the Sociological Study of Childhood. Basingstoke, Falmer Press.

KASSOUF, Ana Lúcia. 2007. “O que conhecemos sobre o trabalho infantil?”. Nova economia, v. 17, n. 2.

KRAMER, Sônia. 1996. Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas, Papirus.

LIBÓRIO, Renata M. C. e UNGAR, Michael. 2010. “Children’s Perspectives on Their Economic Activity as a Pathway to Resilience”. Children & Society, 24 (4): 326-338.

MARIN, Joel Orlando Bevilaqua. 2008. “Infância camponesa: processos de socialização”. In NEVES, Delma P e SILVA, Maria Aparecida de M. (orgs.). Processos de reconstituição e reprodução do campesinato no Brasil. Formas tuteladas de condição camponesa. Vol I. São Paulo, Ed. Unesp.

MAYALL, Berry. 2005. “Conversas com crianças. Trabalhando problemas geracionais”. In CHRISTENSEN, Pia e JAMES, Allison (orgs.). Investigação com crianças: perspectivas e práticas. Porto, Edições Escola Superior de Educação Paula Frassinetti.

MAYBLIN, Maya. 2010. Gender, Catholicism and Morality in Brazil. Virtuous Husbands, Powerful Wives. Nova York, Palgrave / Macmillan.

MELLO, João Manuel Cardoso de e NOVAIS, Fernando. 1998. “Capitalismo tardio e sociabilidade moderna”. In SCHWARCZ, Lilia Moritz (org.). História da vida privada no Brasil. Vol. 4. Contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 559-658.

NEVES, Delma. P. 1981. Lavradores e pequenos produtores de cana: Estudo das formas de subordinação dos pequenos produtores agrícolas ao capital. Rio de Janeiro, Zahar.

NEVES, Delma. P. 1999. A perversão do trabalho infantil: lógicas sociais e alternativas de prevenção. Niterói, Intertexto.

PAULO, Maria de Assunção Lima de. 2011. Juventude rural: suas construções identitárias. Recife, Ed. Universitária da UFPE.

PIRES, Flávia F. 2007a. Quem tem medo de mal-assombro? Religião e infância no semiárido Nordestino. Rio de Janeiro, tese de doutorado, UFRJ/Museu Nacional.

PIRES, Flávia F. 2007b. “Ser adulta e pesquisar crianças: explorando

possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica”. Revista de Antropologia, 50 (1): 225-270.

PIRES, Flávia F. 2012. “Crescendo em Catingueira: criança, família e organização social no semiárido nordestino”. Mana, (18): 539-561.

PIRES, Flávia F. 2014. “Child as Family Sponsor: An Unforeseen Effect of Programa Bolsa Familia in Northeastern Brazil”. Childhood , (21): 134-147.

PIRES, Flávia F. e REGO, Walquiria Leão. 2013. “10 Anos de Programa Bolsa Família: apresentação do dossiê”. Política & Trabalho, (38): 13-19.

PIRES, Flávia F. e SILVA JARDIM, George Ardilles da. 2014. “Geração Bolsa Família: educação, trabalho infantil e consumo na casa sertaneja (Catingueira/PB)”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, (29): 99-112.

PIRES, Flávia; SANTOS, Patrícia Oliveira S. dos; e SILVA, Jéssica K. Rodrigues da 2010. “Elas decidem? Analisando o papel familiar da mulher a partir do Programa Bolsa Família”. CAOS. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, v. 16: 108-119.

RIZZINI, Irma. 2010. “Pequenos trabalhadores do Brasil”. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das crianças no Brasil. São Paulo, Contexto, pp. 376-406.

SÁNCHEZ, Martha Areli Ramírez. 2007. “‘Helping at Home’: The Concept of Childhood and Work among the Nahuas of Tlaxcala, Mexico”. In HUNGERLAND, Beatrice; LIEBEL, Manfred; MILNE, Brian; e WIHSTUTZ, Anne (orgs.). Working to be Someone – Child Focused Research and Practice with Working Children. Londres e Philadelphia, Jessica Kingsley Publishers, pp. 87-95.

SANTOS, Patrícia Oliveira S. dos. 2011. “Deixa eu falar!”: uma análise antropológica do Programa Bolsa Família a partir das crianças beneficiadas do Alto Sertão Paraibano. João Pessoa, trabalho de conclusão de curso, Universidade Federal da Paraíba.

SANTOS, Patrícia Oliveira S. dos. 2014. A invenção da infância: o Programa Bolsa Família e as crianças da comunidade de Feira Nova (Orobó) no Agreste pernambucano. João Pessoa, dissertação de mestrado, Universidade Federal da Paraíba.

SANTOS, Patrícia Oliveira S. dos e PIRES, Flávia Ferreira. 2011. “Conversando com crianças sobre o Programa Bolsa Família: uma análise antropológica no semi-árido”. Trabalho apresentado no XXVII Congresso Internacional Associação Latino Americana de Sociologia, 6 a 11 de Setembro, Recife, UFPE.

SARMENTO, Manuel Jacinto. 2005. “Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância”. Educação & Sociedade, Campinas, 26 (91): 361-378.

SILVA, Ana Paula S. da; PASUCH, Jacqueline; e SILVA, Juliana Bezzon. 2012. Educação infantil no campo. São Paulo, Cortez.

SOUSA, Emilene Leite de. 2004a. “Que trabalhais como se brincásseis”: trabalho e ludicidade na infância Capuxu. Campina Grande, dissertação de mestrado, Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba.

SOUSA, Emilene Leite de. 2004b. “Relativizando o trabalho infantil a partir de uma experiência etnográfica: o caso das crianças Capuxu”. Caderno Pós Ciências Sociais, 1 (2): 75-94.

SOUSA, Emilene Leite de. 2014. Umbigos enterrados: corpo, pessoa e identidade Capuxu através da infância. Florianópolis, tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina.

SOUSA, Emilene Leite de. 2015. “As crianças e a etnografia: criatividade e imaginação na pesquisa de campo com crianças”. Iluminuras, Porto Alegre, v. 16, n. 38: 140-164.

STROPASOLAS, Valmir. 2012. “Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico”. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, ano 17, n. 27: 249-286.

SUÁREZ Mireya et al. 2006. “O Programa Bolsa Família e o enfrentamento das desigualdades de gênero – o desafio de promover o reordenamento do espaço doméstico e o acesso das mulheres ao espaço público”. Relatório Compreensivo de Pesquisa. Apresentado ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e ao Department for International Development (DFID) por Agende Ações em Gênero Cidadania e Desenvolvimento.

TAVARES DOS SANTOS, José Vicente. 1978. Colonos do vinho: estudo sobre a subordinação do trabalho camponês ao capital. São Paulo, Hucitec.

VASCONCELLOS, Eduardo Alcântara de. 1991. “Crianças rurais e acesso à escola: sugestões de política pública”. São Paulo em Perspectiva, 5 (1): 93-98.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. 2004. “Olhares sobre o “rural” brasileiro”. Revista Raízes, 23 (1-2).

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. 2006. “Juventude rural: vida no campo e projetos para o futuro”. Relatório de pesquisa.

WOORTMANN, Klass. 1990. “Migração, família e campesinato”. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 7, n. 1: 35-53.

WOORTMANN, Ellen F. e WOORTMANN, Klaas. 1997. O trabalho da terra: a lógica simbólica da lavoura camponesa. Brasília, Editora da UnB.

YAMIN, Giane Amaral e MELLO, Roseli Rodrigues. 2004. “Um estudo de caso para a compreensão da infância rural”. II Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos: a pesquisa qualitativa em debate. Bauru. II Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos: a pesquisa qualitativa em debate.

Downloads

Publicado

2018-08-14

Como Citar

Santos, P. O. S. dos, & Pires, F. F. (2018). A invenção da infância: Mudança geracional na comunidade de Feira Nova (Orobó – PE) a partir do Programa Bolsa Família. Revista De Antropologia, 61(2), 156-186. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2018.148951

Edição

Seção

Artigos