Zona de tatuagem

Um carimbo do estado no corpo do favelado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161091

Palavras-chave:

Violência de estado, favelas, execução sumária, zona de tatuagem, corpos

Resumo

Tendo como combustível de criação os acontecimentos da 1ª Guerra Mundial, surge uma ficção literária sobre a construção e a utilização de uma máquina estatal que tatuava no corpo do condenado o texto da sua sentença até que as perfurações o levassem à morte. Escrita por Kafka, a ficção Na colônia penal (1919) mostra uma máquina tatuadora enquanto aparelho judiciário, cuja operação ficava nas mãos de um único agente de Estado. Tal ficção foi lida por Clastres (2003) como um anúncio da mais contemporânea das realidades. Compartilhando do mesmo entendimento, encaminho a discussão tomando como referência o aparelho judiciário da ficção para refletir sobre a produção da zona de tatuagem nos corpos dos moradores de favelas. Aciono para a elaboração do debate as reflexões de Pierre Clastres (2003) sobre a tríplice aliança entre a lei, a escrita e o corpo e de Letícia Ferreira (2009) sobre a trajetória burocrática de corpos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Farias, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Juliana Farias é pesquisadora de pós-doutorado no Núcleo de Estudos de Gênero Pagu/Unicamp, com bolsa da FAPESP (processo 2017/17910-0), desenvolvendo o projeto “Violências de gênero, violações de Estado: Um estudo sobre formas de governar territórios e corpos”. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Referências

CASHNER, Bob. 2013. The FN FAL Battle Rifle. Great Britain, Osprey Publishing.

CLASTRES, Pierre. 2003. A sociedade contra o Estado – pesquisas de antropologia política (1974). São Paulo, Cosac Naify.

DAS, Veena e POOLE, Deborah. 2004. State and its Margins: Comparative ethnographies. In:______. Anthropology in the Margins of the State. New Mexico, School of American Research Press.

EISELE, Rogério; CAMPOS, Maria. 2003. Manual de Medicina Forense e Odontologia Legal. Curitiba, Juruá Editora.

FARIAS, Juliana. 2014. Governo de mortes: uma etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia - PPGSA/UFRJ.

FARIAS, Juliana. 2009. “Da política das ‘margens’: reflexões sobre a luta contra violência policial em favelas. In: HEREDIA, Beatriz; ROSATO, Ana. Política, instituiciones y gobierno: abordajes y perspectivas antropológicas sobre El hacer política. Buenos Aires: Antropofagia.

FÁVERO, Flamínio. 1991. Medicina Legal: Introdução ao Estudo da Medicina Legal. Identidade, Traumatologia, Infortunística, Tenatologia. 10ª ed. Belo Horizonte, Vila Rica.

FERREIRA, Letícia. 2009. Dos autos da cova rasa: a identificação de corpos não identificados no Instituto Médico-Legal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, E-papers/LACED/Museu Nacional.

FERREIRA, Letícia. 2015. Pessoas desaparecidas: uma etnografia para muitas ausências. 1a. ed. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2015.

FERREIRA, Natália Damazio2013 Testemunhas do esquecimento: uma análise do auto de resistência a partir do estado de exceção e da vida nua. 2013. Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Direito. Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

FOUCAULT, Michel. 1987. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes.

FOUCAULT, Michel. 2008a. Segurança, Território e População: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo, Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. 2008b. Nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo, Martins Fontes.

FüHRER, Maximilianus Cláudio; FüHRER, Maximiliano Roberto Ernesto. 2009. Resumo de Processo Penal. 24ª edição. São Paulo, Malheiros Editores.

GRECO, Rogério. 2013. Medicina legal à luz do Direito Penal e do Direito Processual Penal. 11ª ed. Rio de Janeiro, Impetus.

GUSTAFSON, Mark. 2000. The Tattoo in the Later Roman Empire and Beyond. In: CAPLAN, J. (ed.) Written on the Body: The Tattoo in European and American History. Princeton, Princeton University Press.

HERZFELD, Michael. 1992. The Social Production of Indifference: exploring the symbolic roots of western bureaucracy. Chicago, The University of Chicago Press.

JONES, Christopher. 2000. Stigma and Tattoo. In: CAPLAN, Jane. (ed.) Written on the Body: The Tattoo in European and American History. Princeton, Princeton University Press.

JUSTIÇA GLOBAL; NÚCLEO DE ESTUDOS NEGROS. 2003. Execuções sumárias no Brasil – 1997/2003. Rio de Janeiro, Justiça Global/Núcleo de Estudos Negros.

KAFKA, Franz. 2011. Na colônia penal. São Paulo, Companhia das letras.

LE BRETON, David. 2004. Sinais de identidade: tatuagens, piercings e outras marcas corporais. Lisboa, Miosótis.

LEITE, Márcia. 2000. Entre o individualismo e a solidariedade: dilemas da política e da cidadania no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, n. 44.LEVI, Primo 1988 É isto um homem? Rio de Janeiro, Rocco.

LUGONES, Maria Gabriela. 2012. Obrando en autos, obrando en vidas: formas y fórmulas de protección judicial en los tribunales prevencionales de menores de Córdoba, Argentina, a comienzos del siglo XXI. Rio de Janeiro, E-papers/LACED/Museu Nacional.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. 2002. A continuidade do “problema favela”. In: OLIVEIRA, Lúcia Lippi. (Org.). Cidade: história e desafios. Rio de Janeiro, FGV.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira; FRIDMAN, Luís Carlos. 2005. VVAA, Matar, morrer, civilizar: o problema da “segurança pública”. In: MAPAS: monitoramento ativo da participação da sociedade. Rio de Janeiro, IBASE, Ford Foundation, ActionAid.

MISSE, Michel; GRILLO, Carolina; TEIXEIRA, Cesar; NERI, Natasha. 2013. Quando a polícia mata: homicídios por “autos de resistência” no Rio de Janeiro (2001-2011). Rio de Janeiro, NECVU; BOOKLINK.

MOMBAÇA, Jota. 2016. Rumo a uma distribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência! Cadernos de Imaginação Política. Disponível em: https://issuu.com/amilcarpacker/docs/rumo_a_uma_redistribuic__a__o_da_vi Acesso em: 20/12/2016.

THOMAS, Hugh. 1997. The Branding (and Baptism) of Slaves. Review of Arts, Literature, Philosophy and the Humanities. Volume XIII, Number 1.

VERANI, Sérgio.1996. Assassinatos em Nome da Lei [Uma Prática Ideológica do Direito Penal]. Rio de Janeiro, Alderbarã.

VIANNA, Adriana. 2002. Limites da Menoridade: tutela, família e autoridade em julgamento.Tese (Doutorado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

VIANNA, Adriana; FARIAS, Juliana. 2011. A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional. Cadernos Pagu, Campinas, n. 37

Downloads

Publicado

2019-08-15

Como Citar

Farias, J. (2019). Zona de tatuagem: Um carimbo do estado no corpo do favelado. Revista De Antropologia, 62(2), 275-297. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161091

Edição

Seção

Artigos