“Jajeroky”

Corpo, dança e alteridade entre os Mbya Guarani

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161094

Palavras-chave:

Corporalidade, dança, guarani, xamanismo, alteridade

Resumo

Neste artigo procedo a uma reflexão sobre as práticas corporais mbya guarani que mobilizam a dança e sua relação com a alteridade. Diferencio alguns contextos específicos em que se dança de distintas maneiras, tais como, a opy (casa de reza), as apresentações de corais e danças de xondaro, e os bailes de forró, espaços que mobilizam aldeias e relações entre aldeias. Penso a centralidade de tais práticas nas vidas mbya; meu foco de análise toma tais espaços como arenas das relações com diversos outros, tema central da experiência xamânica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lucia Ferraz, Universidade Federal Fluminense

Ana Lucia Ferraz é Professora do Departamento de Antropologia da Universidade Federal Fluminense e Coordenadora do Laboratório do Filme Etnográfico (ICHF-UFF). É Coordenadora do Comitê de Antropologia Visual da Associação Brasileira de Antropologia (ABA). Professora no Mestrado em Antropologia Visual da FLACSO-Equador. Tem experiência com os temas: filme etnográfico, classes trabalhadoras, cidade, povos guaranis, cosmologia, artes e cinema.

Referências

ACSELRAD, Maria. 2017. “Dançando contra o Estado: Análise descoreográfica das forças em movimento entre os caboclinhos de Goiana/Pernambuco”. Ñanduty, v.5, n.6: 146-166.

BADIE, Marilyn Cebolla. 2013. Cosmología y naturaleza mbya-guaraní. Barcelona, tese de doutorado, Universidade de Barcelona.

BARBOSA, Gustavo Baptista. 2004. “A socialidade contra o Estado: a antropologia de Pierre Clastres”. Revista de Antropologia, v.47, n.2: 529-576.

BASTOS, Rafael Menezes. 2007. “Música nas sociedades indígenas das terras baixas da América do Sul: Estado da arte”. Mana, v.13, n.2: 293-316.

BUTLER, Judith. 2015. Relatar a si mesmo. Belo Horizonte, Editora Autêntica.

BUTLER, Judith. 2012. “Cuerpos em alianza y política de la calle”. Transversales, v.26 : 01-18pp.

CADOGAN, León. 1959. Aywu Rapyta. Revista de Antropologia, v.1 n.1. :35-42.

CLASTRES, Hélène. 1978. Terra sem mal: Profetismo Tupi-Guarani. São Paulo, Editora Brasiliense.

CLASTRES, Hélène. 2016 “De que falam os índios”. Cadernos de Campo, v.25, n.25: 366-379.

CLASTRES, Pierre. 1995. Crônicas dos Índios Guayaki. São Paulo, Editora 34.

CLASTRES, Pierre. 2003. A sociedade contra o Estado. São Paulo, Cosac & Naify.

CLASTRES, Pierre. 2004. Arqueologia da violência. São Paulo, Cosac & Naify.

COSTA, Ana C. Estrela da. 2014. “Pescando imagens: presença e visibilidade nos domínios da pesca e do cinema“. Devires, v.11, n.2: 122-152.

DALLANHOL, Katia Maria Bianchini. 2002. Jeroky e jerojy. Por uma antropologia da música guarani Mbya do Morro dos Cavalos. Florianópolis, dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina.

FAUSTO, Carlos. 2008. “Donos demais: Maestria e domínio na Amazônia”. Mana, v.14, n.2: 329-366.

FAUSTO, Carlos. 2007. “If God Were a Jaguar. Canibalism and Christianity among the Guarani (16th-20th Centuries). In:

FAUSTO, Carlos e HECKENBERGER Michael (org.) Time and Memory in Indigenous Amazonia: Anthropological Perspectives, University of Florida Press, Gaynesville, pp.75-104.

FAUSTO, Carlos. 2005 “Se deus fosse jaguar: Canibalismo e cristianismo entre os (séculos XVI-XX)”. Mana v.11, n.2: 385-418.1999 “Of Enemies and Pets: Warfare and shamanism in Amazonia”. American Ethnologist, v.26, n.4: 933-956.

GOLDMAN, Marcio. 2015. “Quinhentos anos de contato: Por uma teoria etnográfica da (contra)mestiçagem”. Mana, v.21, n.3: 641-659.

GORE, Georgiana. 1999. “Textual Fields: Representation in dance ethnography”. In: Buckland, T.J. (ed.). Dance in the Field. Palgrave Macmillan, New York, pp. 208- 220.

GRÜNBERG, Friedl. 2003. “La relación de los indígenas con la naturaleza y los proyectos de Cooperación Internacional”. In: GRÜNBERG, F. P. e GRÚNBERG, G. Los Guaraníes. Persecución y resistencia. Editora Abya Yala, Quito. 323-354.

GRÜNEWALD, Leif. 2016. “A ‘cosmo/política’ ameríndia”. Indiana, v.33, n.2: 119-142.

HEURICH, Guilherme Orlandini. 2015. “Outras alegrias: cachaça e cauim na embriaguez Mbya-Guarani”. Mana, v.21, n.3: 527-552.

KILDEA, Gary e SIMON, Andrea. 2005. Koriam’s law and the dead who govern. Canberra, Ronin Films.

KRAKCE, Waud H.2009 “Dream as deceit, dream as truth: The grammar of telling dreams”. Anthropological Linguistics, v.51, n.1: 64-77.

LADEIRA, Maria Inês. 2007. O caminhar sob a luz. Território mbya à beira do oceano. São Paulo, EdUnesp/FAPESP.

LOPES DA SILVA, Aracy. 1999. “Uma ‘antropologia da educação’ no Brasil? Reflexões a partir da escolarização indígena”. In: LOPES DA SILVA, Aracy. FERREIRA, Mariana Kawall Leal (orgs.). Antropologia, história e educação: a questão indígena e a escola. São Paulo, Global, Fapesp, Mari, pp. 29-43.

MACEDO, Valéria. 2009. Nexos da diferença. Cultura e afecção em uma aldeia guarani na Serra do M a r. São Paulo, tese de doutorado, Universidade de São Paulo.

MACEDO, Valéria. 2011. “Vetores porã e vai na cosmopolítica Guarani”. Tellus, v.11, n.21: 25-52.

MACEDO, Valéria. 2011b. “Jepotá e aguyjé entre os Guarani. O desejo da carne e da palavra”. Anais da 35ª. ANPOCS.

MACEDO, Valéria. 2012. “Dos cantos para o mundo. Invisibilidade, figurações da ‘cultura’ e o se fazer ouvir nos corais guarani”. Revista de Antropologia, v.55, n.1: 357-400.

MACEDO, Valéria. 2017. “Misturar e circular em modulações guarani. Uma etiologia das (in)disposições”. Mana, v.23, n.3: 511-543.

MATTOS, Amilton Pelegrino de. 2002. O que se ouve entre a opy e a escola? Corpos e vozes na ritualidade guarani.São Paulo, dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo.

MELIÁ, Bartolomeu. 1990. “A terra se mal dos Guarani: Economia e Profecia”. Revista de Antropologia, v. 33, :33-46.

MENDES JR., Rafael Fernandes. 2009. Os animais são muito mais do que algo bom para comer. Rio de Janeiro, dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense.

MENDES JR., Rafael Fernandes. 2016. A saga rumo ao norte e os outros do caminho: a busca da terra sem mal entre os Guarani contemporâneos. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MIGLIORA, Amanda Alves. 2011. “De Dentro e de Fora. As diferentes dinâmicas sociais e seus reflexos nos usos do espaço em uma aldeia urbana Mbyá Guarani”. Ponto Urbe 9 :1-11.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. 2002. Através do mbaraká: Música e xamanismo Guarani. São Paulo, tese de doutorado, Universidade de São Paulo.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. 2004. O caminho do conhecimento - música e dança no jeroky guarani. In: V Seminário de pesquisa em Educação da Região Sul, V ANPED SUL, Curitiba.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. 2016. “Musica y resistencia, etica y estetica Guarani”. SALSA X Sesquiannual Conference. New Orleans, mimeo.

NIMUENDAJU, Curt. 1987. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocuva-Guarani. São Paulo, Hucitec, Edusp.

OTTO, Tom. 1992. “Imagining Cargo Cults”, Canberra Anthropology, v.15, n.2: 01-10.

PEREIRA, Vicente Cretton. 2014. Nhamandu se levanta e nos faz levantar: etnografia das relações de alteridade entre os Mbya Guarani. Rio de Janeiro, tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense.

PEREIRA, Vicente Cretton. 2016. “Nosso pai, nosso dono: relações de maestria entre os mbya guarani”. Mana, v.22, n.3: 737-764.

PEREIRA, Vicente Cretton. 2017. “Nos transformamos em brancos: Notas sobre a cosmopolítica Mbya guarani”. Ñanduty, v.5, n. 6: 53-79.

PIERRI, Daniel Calazans. 2018. O perecível e o imperecível. Reflexões guarani mbya sobre a existência. São Paulo, Editora Elefante.

PISSOLATO, Elizabeth de Paula. 2007. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo Mbya (Guarani).São Paulo, Rio de Janeiro, Editora da Unesp/NUTI, Museu Nacional.

PISSOLATO, Elizabeth de Paula. 2015. “Fuga como estratégia: notas sobre sexualidade, parentesco e emoções entre pessoas Mbya”. Cadernos de Campo, v.24, n.1: 412-426.e MENDES Jr., Rafael Fernandes2016 “Saber sobre pássaros, saber com pássaros: Introdução a um estudo sobre formas de interação e modos de conhecimento na experiência de pessoas guarani”. Teoria e Cultura, v.11, n.2: 37-51.

RAMO Y AFFONSO, Ana Maria. 2014. De pessoas e palavras entre os Guarani-Mbya. Rio de Janeiro, tese de doutorado. Universidade Federal Fluminense.

SANTOS, Laymert Garcia dos. 2013. Amazônia transcultural. Xamanismo e tecnociência na ópera. São Paulo, n-1 Edições.

SANTOS, Lucas Keese dos. 2017. A esquiva do xondaro. Movimentos e ação política entre os Guarani Mbya. São Paulo, dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo.

SHAFFNER, Justin. 201.“Nem plural, nem singular: ontologia, descrição e a Nova Etnografia Melanésia”. Ilha, v.12, n.1: 101-133.

SEEGER, A., DA MATTA, R. e VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B.1979. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”. Boletim do Museu Nacional, v.32: 2-19.

STEIN, Marília Raquel Albornoz. 2009. Kyringüé mboraí - os cantos das crianças e a cosmo-sônica mbyá-guarani. Porto Alegre, tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SZTUTMAN, Renato. 2009. “Religião nômade ou germe do estado? Pierre e Hélène Clastres e a vertigem Tupi”. Novos Estudos, v.83: 129-157.

VERA TUPÃ POPYGUA, Timóteo da Silva. 2017. Ywyrupa/A terra é uma só. Eckman, A. (org.). São Paulo, Editora Hedra.

VIANNA, Fernando F. de Luiz Brito. 2001. A bola, os brancos e as toras: futebol para índios Xavante. São Paulo, dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. 1986. Araweté. Os deuses canibais. Rio de Janeiro, ANPOCS/Zahar.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. 1979. “A fabricação do corpo na sociedade xinguana”. Boletim do Museu Nacional, Série Antropologia, n.32: 40-49.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. 2002. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo, Cosac Naify.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. 2007. “Filiação intensiva e aliança demoníaca”. Novos Estudos 77. São Paulo, CEBRAP.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo Batalha. 2015. Metafísicas canibais. São Paulo, N-1 Edições

Downloads

Publicado

2019-09-17

Como Citar

Ferraz, A. L. (2019). “Jajeroky”: Corpo, dança e alteridade entre os Mbya Guarani. Revista De Antropologia, 62(2), 350 - 381. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.161094

Edição

Seção

Artigos