Conhecimentos para a política. Processo, produto e seus efeitos na materialização de saberes indígenas na Serra da Lua/Roraima

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165229

Palavras-chave:

Política, rede, materialização, conhecimentos, sujeitos

Resumo

Experiências de representação de conhecimentos e práticas tradicionais estão cada vez mais presentes nas estratégias indígenas de comunicação intercultural. Este artigo aborda a experiência de produção de um livro-documento que conectou diversos atores em uma rede de apoiadores, técnicos e um grupo de Agentes Territoriais e Ambientais Indígenas (ATAIs) que vivem na região Serra da Lua, no Estado de Roraima. Através da contextualização do processo de pesquisas colaborativas realizadas por estes agentes visando à confecção desse produto, meu interesse é inscrever o fluxo dessa produção para identificar alguns aspectos epistemológicos e efeitos sociopolíticos desta movimentação “dentro” e “fora” das comunidades participantes. O objetivo, de um lado, é reafirmar as diferenças entre os modos indígenas de conhecer e formas de representação destes saberes. De outro, considerar a dimensão política das relações que são criadas para a geração destes materiais e por meio destes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Roberto Oliveira, Universidade de Brasília

Alessandro Roberto Oliveira é graduado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Montes Claros e mestre e doutor em Antropologia Social pela Universidade de Brasília. Atualmente, é professor adjunto nesta última universidade, vinculado ao Departamento de Teoria e Fundamentos da Faculdade de Educação.

Referências

ALBERT, Bruce. 1997. “‘Ethnographic Situation’ and Ethnic Movements: Notes on Post-Malinowskian Fieldwork”. Critique of Anthropology, vol. 17 (1): 53-65.

ALMEIDA, Mauro W. B. 2003. “Relativismo antropológico e objetividade etnográfica”. Campos, 3: 9-19.

ANDRELLO, Geraldo. 2010. “Falas, objetos e corpos. Autores indígenas no alto rio Negro”. RBCS, vol. 25 n° 73: 05-26

ANDRELLO, Geraldo. 2012. Rotas de criação e transformação: narrativas de origem dos povos indígenas do Rio Negro. São Paulo, Instituto Socioambiental; São Gabriel da Cachoeira, FOIRN – Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro.

ÁVILA, Thiago A. M. de. 2001. Biopirataria e os Wapichana: análise antropológica do patenteamento de conhecimentos indígenas. Brasília, monografia de graduação, Universidade de Brasília.

BAINES, Stephen Grant. 2006. “Entre dois Estados Nacionais: perspectivas indígenas a respeito da fronteira entre Guiana e Brasil”. Anuário Antropológico, v. 2005: 35-49

BANIWA, Gersem. 2015. “Os indígenas antropólogos: desafios e perspectivas”. Novos Debates: Fórum de Debates em Antropologia. Brasília, Associação Brasileira de Antropologia, 2(1): 233- 243.

BARTH, Fredrik. 1995. “Other Knowledge And Other Ways of Knowing”.Journal of Anthropological Research, v.51, n.1: 65-68.

BERKES, Fikret. 2003. Sacred Ecology. Traditional Ecological Knowledge and Resource Management. London, Taylor & Francis (Trabalho original publicado em 1999).

BENITES, Tonico. 2015. “Os antropólogos indígenas: Desafios e perspectivas”. Novos Debates/ABA 2(1): 2-7.

CABALZAR, Aloisio (org.) 2010. Manejo do mundo: conhecimentos e práticas dos povos indígenas do Rio Negro, Noroeste Amazônico. São Paulo, ISA-Instituto Socioambiental.

CAMPOS, Marcio D. 2002. “Etnociência ou etnografia de saberes, técnicas e práticas?”. In: AMOROSO, Maria Christina de Mello; MING, Lin Chau; SILVA, Sandra Maria P. (orgs). Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecológia e disciplinas correlatadas. Rio Claro, UNESP/CNPQ, pp. 47-92.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; ALMEIDA, Mauro (orgs.) 2002. Enciclopédia da floresta. O alto Juruá: práticas e conhecimentos das populações. São Paulo, Companhia das Letras.

CORREA, Cloude de Souza. 2007. Etnozoneamento, Etnomapeamento e Diagnóstico Etnoambiental: Representações Cartográficas e Gestão Territorial em Terras Indígenas no Estado do Acre. Brasília, tese de doutorado, Universidade de Brasília.

CRUIKSHANK, Julie. 2005. Do Glaciers Listen? Local Knowledge, Colonial Encounters And Social Imagination. Seattle, University of Washington Press/ Vancouver, UBCPress.

DURKHEIM, Émile; MAUSS, Marcel. 1990. “Algumas formas primitivas de classificação”. Em Ensaios de Sociologia. São Paulo: Perspectiva. pp. 399-455.

ESCOBAR, Arturo. 2005. “O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento?”. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Colección Sur Sur, CLACSO, pp.133-168.

FARAGE, Nádia. 1997. As flores da fala: práticas retóricas entre os Wapichana. São Paulo, tese de doutorado, Universidade de São Paulo.

GALLOIS, Dominique Tilkin. 2007. “Materializando saberes imateriais: experiências indígenas na Amazônia Oriental”. Revista de Estudos e Pesquisas, FUNAI, Brasília, v.4, n.2: 95-116.

GALLOIS, Dominique Tilkin. 2012. Saberes enredados: qual formação para qual conhecimento?Coletânea Redes Ameríndias – Relatório científico 5/2012.

INGLIS, Julian. 1993. Traditional Ecological Knowledge: Concepts And Cases.Ottawa, Ontário, Canadian Museum of Nature.

INGOLD, Tim; KURTTILA, Terhi, 2000. “Perceiving The Environment In Finnish Lapland”. Body & Society, v. 6, n. 3-4: 183-196.

INGOLD, Tim. 2000. The Perception Of The Environment: Essays In Livelihood, Dwelling and Skill. London, Routledge.

INGOLD, Tim. 2008. “Pare, Olhe, Escute! Visão, Audição e Movimento Humano”. Ponto Urbe [online], v.3: 1-52.

LITTLE, Paul E. 2010. “Os conhecimentos tradicionais no marco da intercientificidade”. In: ___ (ed.). Conhecimentos tradicionais para o século XXI: etnografias da intercientificidade. São Paulo, Annablume, pp. 09-31.

MCGREGOR, Debora. 2005. Traditional Ecological Knowledge: An Anishnabe Woman’s Perspective. Atlantis: Critical Studies in Gender, Culture and Social Justice, vol. 29, n.2: 103-109.

MELATTI, Júlio Cezar. 2011. Índios da América do Sul – Áreas Etnográficas. Mimeo.

MENZIES, Charles R. 2006. Traditional Ecological Knowledge And Natural Resource Management.Lincoln and London, University of Nebraska Press.

NADASDY, Paul. 1999. “The Politics of TEK: Power And Integration Of Knowledge”. Artic Anthropology, vol 36, n. 1-2: 1-18.

NADASDY, Paul. 2003. “It ́s Not Really ‘Knowledge’ at All, It’s More a Way of Life”. In: ____. Hunters and Bureaucrats: Power, knowledge, and Aboriginal-state Relations In The Southwest Yukon. Vancouver, UBC Press, pp.60-113.

NEVES DE OLIVEIRA, Adolfo. 2002. “Fragmentos da etnografia de uma rebelião do objeto: indigenismo e antropologia em tempos de autonomia indígena”. Anuário Antropológico, v.98: 109-130.

OLIVEIRA, Alessandro Roberto de; VALLE, Sineia (orgs.). 2014. Amazad Pana’adinhan: percepções das comunidades indígenas sobre as mudanças climáticas – Região Serra da Lua – RR. Boa vista, CIR.

OLIVEIRA, Alessandro Roberto de. 2012. Tempo dos netos: abundância e escassez nas redes de discursos ecológicos entre os Wapichana na Fronteira Brasil-Guiana. Brasília, tese de doutorado, Universidade de Brasília.

OLIVEIRA, Frederico César Barbosa. 2010. Quando resistir é habitar: Lutas pela afirmação territorial dos Kaiabi no Baixo Teles Pires. Brasília, tese de doutorado, Universidade de Brasília.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. 1988. “O nosso governo”: os Ticuna e o regime tutelar. São Paulo, Marco Zero.

PRADO, Helbert Medeiros; MURRIETA, Rui Sérgio Sereni. 2015. “A etnoecologia em perspectiva: origens, interfaces e correntes atuais de um campo em ascensão”. Ambient. soc. [online], v.18, n.4:139-160.

PRADO, Helbert Medeiros; MURRIETA, Rui Sérgio Sereni. 2017. “A experiência do conhecimento em Tim Ingold e as etnociências: reflexões a partir de um estudo de caso etnoecológico”. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi.Ciênc. hum. [online], v.12, n.3: 839-853.

PIMENTA, José. 2007. “Indigenismo e ambientalismo na Amazônia Ocidental: a propósito dos Ashaninka do rio Amônia”. Revista de Antropologia, v. 50, n. 2: 633-681.

RAMOS, Alcida Rita. 2007 “Do engajamento ao desprendimento”. Campos, v.8, n.1:11-32.

RAMOS, Alcida Rita. 2014. “Ensaio sobre o não entendimento interétnico”. Série Antropologia, v. 444. Brasília, DAN/UNB, pp. 7-31.

ROUÉ, Marie. 1997. “Novas perspectivas em etnoecologia: ‘saberes tradicionais’ e gestão dos recursos naturais”. In: CASTRO, Edna; PITON, Florence (orgs.). Faces do trópico úmido: conceitos e novas questões sobre desenvolvimento e meio ambiente. Belém, UFPA-NAEA.

SANTILLI, Paulo. 1994. Fronteiras da República: história e política entre os Macuxi no vale do rio Branco. São Paulo, NHII-USP/FAPESP.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo, Cosac & Naify

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

Oliveira, A. R. (2019). Conhecimentos para a política. Processo, produto e seus efeitos na materialização de saberes indígenas na Serra da Lua/Roraima. Revista De Antropologia, 62(3), 679 - 709. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165229

Edição

Seção

Artigos