Enunciações da tortura. Memórias da ditadura brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165230

Palavras-chave:

Tortura, dor, testemunha, memória, ditadura militar brasileira

Resumo

O objetivo deste texto é discutir a tortura a partir do que revelam suas formas de enunciação. Em um diálogo com reflexões sobre a tortura na sociedade moderna em contextos históricos diversos, analisa testemunhos literários escritos por quem viveu essa experiência de dor e sofrimento durante o período da ditadura civil-militar brasileira (1964-85). Interroga esses testemunhos como reminiscências, tecidas ao longo do tempo por elos distintos entre passado e presente, segundo as perguntas individuais e coletivas do presente, buscando a singularidade do vivido nas circunstâncias sociais e políticas que o envolvem, diante do caráter extremo da tortura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cynthia Sarti, Universidade Federal de São Paulo

Cynthia Sarti é professora na Universidade Federal de São Paulo/Unifesp desde 1994. Fez graduação em ciências sociais na Universidade de São Paulo/USP (1977), mestrado em ciências sociais (1986) e doutorado em antropologia (1994) na mesma universidade. É livre-docente pelo Departamento de Medicina Pre- ventiva da Unifesp (2003). Atualmente é diretora da Editora Unifesp e profes- sora titular no Departamento de Ciências Sociais da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/EFLCH desta universidade. Atua na área de antropologia, com ênfase nos seguintes temas: sofrimento, violência, vítima, testemunha, memória; corpo, saúde e doença; moralidade; gênero.

Referências

ABENSOUR, Miguel.1992 . “O heroísmo e o enigma do herói revolucionário”. In: NOVAES, Adauto (org.). Tempo e História. São Paulo, Companhia das Letras/Secretaria Municipal de Cultura, pp. 205-237.

AGAMBEN, Giorgio.2008. O que resta de Auschwitz (Selvino J. Assman, trad.). São Paulo, Boitempo.2010 Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I (Henrique Burigo, trad.). Belo Horizonte, Editora UFMG.

ALONSO, Silvia Leonor. 2006. “O tempo que passa e o tempo que não passa”, Revista Cult, nº 101. Disponível em https://revistacult.uol.com.br/home/o-tempo-que-passa-e-o-tempo-que-nao-passa/. Acesso em 25 de março de 2019.

AMÉRY, Jean. 1995. Par Delà le crime et le chatîment: essai pour surmonter l’insurmontable (Françoise Wuilmart, trad.). Paris, Actes Sus (Texto original publicado em 1966).

ARANTES, Maria Auxiliadora de Almeida Cunha.2013. Tortura: testemunhos de um crime demasiadamente humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO.1985.Projeto Brasil nunca mais. São Paulo, Vozes. Disponível em: http://bnmdigital.mpf.mp.br/pt-br/. Acesso em 26 de junho de 2019.

ASAD, Talal.2011.“Reflexões sobre crueldade e tortura” (Bruno Reinhardt e Eduardo Dullo, trads.). Revista Pensata, vol. 1, nº 1, pp. 164-187.

AZEVEDO, Desirée de Lemos.2018.Ausências incorporadas: etnografia entre familiares de mortos e desaparecidos políticos no Brasil. São Paulo, Editora Unifesp.

BARRINGTON MOORE, Jr. 1987. Injustiça: as bases sociais da obediência e da revolta (João Roberto Martins Filho, trad.). São Paulo, Brasiliense. (Texto original publicado em 1978).

BASZANGER, Isabelle.1995. La Douleur et la médicine, la fin d’un oubli. Paris, Seuil.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade.2014. Relatório (Vol.1-3). Brasília, CNV. Disponível em: http://www.cnv.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=571. Acesso em 12 de março de 2019.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República. 2007. Direito à verdade e à memória, Comissão Especial sobre Mortos e DesaparecidosPolíticos. Brasília, SEDH. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/dados/livros/a_pdf/livro_memoria1_direito_verdade.pdf. Acesso em 26 de junho de 2019.

BUTLER, Judith.2015.Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? (Sérgio T. de N. Lamarão; Arnaldo M. da Cunha, trads.). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

CANDIDO, Antônio.2012.“Posfácio”. In:SALINAS FORTES, Luiz Roberto. Retrato calado. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 123-126.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio.2000. “Violência, o corpo incircunscrito e o desrespeito aos direitos na democracia brasileira”. In:___. Cidade de Muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo, Editora 34/Edusp, pp. 343-377.

CHAUÍ, Marilena.2012.“Apresentação”. In: SALINAS FORTES, Luiz Roberto. Retrato calado. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 9-15.

CLASTRES, Pierre.1978.“Da tortura nas sociedades primitivas” (Theo Santiago, trad.). In:___. A Sociedade contra o Estado (1ª ed.). São Paulo, Francisco Alves, pp. 123-131

DAS, Veena et al. 2001. Remaking A World: Violence, Social Suffering And Recovery. Berkeley/Los Angeles/London, University of California Press.

DAS, Veena.1999. “Fronteiras, violência e o trabalho do tempo: alguns temas wittgensteinianos”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 14, nº 40: 31-42. 2011 “O ato de testemunhar: violência, gênero e subjetividade”. Cadernos Pagu, nº 37: 9-41.

FON, Antônio Carlos. 1979. Tortura: a história da repressão política no Brasil. São Paulo, Global.

FREIRE, Alípio; ALMADA, Izaías; PONCE, José Adolfo de Granville (orgs.).1997. Tiradentes, um presídio da ditadura: memórias de presos políticos. São Paulo, Scipione.

FREIRE, Alípio.2005. Anotações sobre uma tragédia. A quebra do militante revolucionário Edgar de Almeida Martins – o Matias. Depoimento, realizado a pedido de Jacob Gorender [Mimeo]. Campinas, janeiro de 2005. Formato eletrônico. 13 páginas.

GABEIRA, Fernando.1979. O que é isso companheiro?. Rio de Janeiro, Codecri.

GAGNEBIN, Jeanne Marie.2006. Lembrar escrever esquecer. São Paulo, Editora 34.

GINZBURG, Jaime. 2004. “Imagens da tortura: ficção e autoritarismo em Renato Tapajós”. In: KEIL, Ivete Manetzeder; TIBURI, Márcia (orgs.). O corpo torturado. Porto Alegre, Escrita, pp. 141-160.

GINZBURG, Jaime. 2009. “A ditadura militar e a literatura brasileira: tragicidade, sinistro e impasse”. In: SANTOS, Cecilia MacDowell; TELES, Edson; TELES, Janaína de Almeida (orgs). Desarquivando a ditadura. São Paulo, Aderaldo & Rothschild Editores, pp. 557-568.

JELIN, Elizabeth. 2003. “Los derechos humanos y la memoria de la violencia política y la represión: la construcción de un campo nuevo en las ciencias sociales”. Cuadernos del IDES, nº 2: 1-27.

KEHL, Maria Rita. 2010. “Tortura e sintoma social”. In: TELES, Edson; SAFATLE, Wladimir. O que resta da ditadura. São Paulo, Boitempo, pp. 123-132.

LÉRICHE, René (ed.). 1936. Encyclopédie Française (tome VI): santé et maladie. L’être humain.

LEVI-STRAUSS, Claude. 1983. Le Régard éloigné. Paris, Plon.

MARTINS FILHO, João Roberto. 2002. “A guerra da memória: a ditadura militar nos depoimentos de militantes e militares”. Varia Historia, v. 18, n. 28: 178-201.

MATOS, Olgária. 2012. “Da dor e do pensar”. O Estado de São Paulo, São Paulo, Caderno Aliás, p. J6, 19 ago.

MAUSS, Marcel.1979. “A expressão obrigatória dos sentimentos”. In: OLIVEIRA, Roberto Cardoso (org.). Mauss (Coleção Grandes cientistas sociais, v.11). São Paulo, Ática, pp. 147-53 (Trabalho original publicado em 1921)

OLIVEIRA, Luciano. 2011. “Ditadura militar, tortura e história: a ‘vitória simbólica’ dos vencidos”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 26, n. 75: 7-25.

OSMO, Carla. 2018. “O caráter sistemático da tortura na ditadura brasileira segundo o Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade”. In: MIRANDA, Angela Espinosa; RANGEL, Claudia; COSTA-MOURA, Renata. (orgs.). Questões sobre Direitos Humanos: Justiça, Saúde e Meio Ambiente. Vitória, UFES/Proex, pp. 14-34.

PELLEGRINO, Helio. 1992. “Tortura política”. In: ____. A burrice do demônio. Rio de Janeiro, Rocco, pp. 19-21.

PINHEIRO, Paulo Sérgio. 1991. Autoritarismo e transição. Revista USP, São Paulo, nº 9: 45-56.

QUARTIM DE MORAES, João. 1988. “Resenhas: Retrato calado”. Lua Nova, São Paulo, n. 15: 150-153.

SALINAS FORTES, Luiz Roberto. 2012. Retrato calado. São Paulo, Companhia das Letras.

SANTOS, Cecilia MacDowell; TELES, Edson; TELES, Janaína de Almeida (orgs). 2009. Desarquivando a ditadura; memória e justiça no Brasil (1-2 volumes). São Paulo, Aderaldo & Rothschild Editores.

SARTI, Cynthia. 2014.“A construção de figuras da violência: a vítima, a testemunha”, Horizontes Antropológicos, v. 20, n. 42: 77-105.

SARTI, Cynthia. 2015. «La Victime et le témoin durant la dictature militaire au Brésil : une anthropologie de la mémoire ». Brésil(s). Sciences humaines et sociales, Paris, n. 8: 167-189.

SIMMEL, Georg. 2009.“A sociologia do segredo e das sociedades secretas”. Revista de Ciências Humanas, v. 43, n. 1: 219-242.

SIRONI, Françoise.1999. Bourreaux et victimes: psychologie de la torture. Paris, Odile Jacob.

TAPAJÓS, Renato.1977.Em Câmara Lenta. São Paulo, Alfa-Omega.

TAPAJÓS, Renato. 2014. “Não éramos apenas artistas, éramos militantes políticos”. Carta Maior, 13 abr.Entrevista original concedida a Blog do Zé Dirceu. Disponível em https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Renato-Tapajos-Nao-eramos-apenas-artistas-eramos-militantes-politicos/4/30471. Acesso em 02 de março de 2019.

TELES, Edson; SAFATLE, Wladimir. 2010. O que resta da ditadura. São Paulo, Boitempo.

TELLO, Mariana. 2014. “‘Una vara com qué medirnos’: Una lectura antropológica sobre los sentidos de la transgresión y la ‘traición’ en las memorias sobre la militância en ‘los ‘70’”. Contenciosa, 2/3. Disponível em: http://www.contenciosa.org/Sitio/VerArticulo.aspx?i=37. Acesso em 13 de junho de 2019.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

Sarti, C. (2019). Enunciações da tortura. Memórias da ditadura brasileira. Revista De Antropologia, 62(3), 505 - 529. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165230

Edição

Seção

Artigos