Pegando o jeito de domar o bicho. O processo de aprendizagem das tecnologias digitais por idosos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165233

Palavras-chave:

Idosos, tecnologias digitais, aprendizagem

Resumo

Neste artigo pretendemos refletir sobre o processo de aprendizagem das tecnologias digitais por idosos, a partir de pesquisa etnográfica realizada no ano de 2016 em plataformas como o Facebook e no curso de informática para a Melhor Idade ofertado pelo Laboratório de Informática da PRAE/CPD da UFSM. Nossa intenção é mostrar como o relacionamento com computadores constitui um processo complexo para esses sujeitos que estão tendo contato com a tecnologia digital pela primeira vez, requerendo o aprendizado de uma série de ações e dos gestos técnicos. Através de distintas situações etnográficas discorreremos sobre a constituição de um conjunto de saberes e gestos que são corporificados e ilustram a relação entre a materialidade da tecnologia, corpo e motricidade no processo de “pegar o jeito” do computador e “domá-lo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Krischke Leitão, Universidade Federal de Santa Maria

Débora Krischke Leitão é doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), professora do Departamento de Sociologia da Université du Quebec à Montreal (UQAM) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). É pesquisadora associada ao Núcleo de Estudos sobre Emoções e Realidades Digitais (UFSM) e ao laboratório Homo Ludens (UQAM), atuando nos temas: mídias digitais, corpo, consumo, gênero e sexualidade.

Diessica Shaiene Gaige, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Diéssica Shaiene Gaige é Licenciada em Sociologia e mestra em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Atualmente é doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), bolsista CAPES e pesquisa o mercado das lutas corporais. Integra o Grupo de An- tropologia da Economia e da Política (GAEP/PPGAS) da UFRGS. Tem experiência nas áreas de Antropologia Digital, Envelhecimento e Antropologia Econômica.

Monalisa Dias de Siqueira, Universidade Federal de Santa

Monalisa Dias de Siqueira é graduada em Ciências Sociais e mestra em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente é pós- doutoranda (bolsista CAPES) e professora no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). É pesquisadora vinculada ao Grupo de Estudos e Pesquisas em Cultura, Gênero e Saúde, Núcleo de Estudos sobre Emoções e Realidades Digitais, Grupo de Estudos e Pesquisa em Gerontologia, Espaçocorpo: Núcleo Transdisciplinar de Estudos em Dança e Terapia Ocupacional (UFSM).

Referências

BATESON, Gregory. 1972. Steps to an Ecology of Mind. San Francisco, Chandler Pub. Co.

BOELLSTORFF, Tom. 2008. Coming Of Age In Second Life. Princeton, Princeton University Press.

CALLON, Michel. 2004. “The role of hybrid communities and socio-technical arrangements in the participatory design”. Journal of the Center for Information Studies, n. 5: 3-10.

CLARK, Andy. 1997. Being there. Cambridge, The MIT Press.

CSORDAS, Thomas. 2008. “A corporeidade como paradigma”. In: CSORDAS, T. Corpo/significado/cura. Porto Alegre, Editora UFRGS, pp XX-XX.

DEBERT, Guita. 2012. A reinvenção da velhice:socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. 1. ed. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo/ FAPESP.

GAIGE, Diessica Shaiene. 2017. “Devagarinho a gente pega o jeito”: um estudo antropológico sobre envelhecimento e mídias digitais. Santa Maria, dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria.

GUIMARÃES JR., Mário. 1999. “Sociabilidade no ciberespaço: distinção entre plataformas e ambientes”. In: Anais da 51ª Reunião Anual da SBPC, PUC, Porto Alegre,Rio Grande do Sul.

HINE, Christine. 2004. Etnografía virtual. Cidade,Editorial UOC.

INGOLD, Tim. 2015. “O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção”. Horizontes Antropológicos, n. 44:21-36. Disponível em: http://horizontes.revues.org/992

INGOLD, Tim. 2010. “Da transmissão de representações à educação da atenção”.Educação v. 33, n. 1: 6-25.

LEFEBVRE, Henri. 2004. Rhythmanalysis: Space, Time and Everyday Life. Londres, Continuum.

LEFEBVRE, Henri. 1992. The production of space. Oxford, Blackwell.

LEITAO, Débora; GOMES, Laura Graziela. 2013. “Estar e não estar lá, eis a questão: pesquisa etnográfica no Second Life”. Revista Cronos v. 12, n. 2: 23-38. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/cronos/article/view/3159

LEROI-GOURHAN, André. 1971. Evolução e Técnicas 1:O Homem e a matéria. Lisboa, Edições 70. 2002 O Gesto e a Palavra 2:Memória e Ritmos. Lisboa: Edições 70.

MAIA, Gabriela. 2010. Olhares sobre o envelhecer: uma leitura de gênero no centro de Santa Maria. Santa Maria, dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria.

MANOVICH, Lev. 2011. El lenguage de los nuevos medios de comunicacion. Barcelona, Paidós.

MAUSS, Marcel. 1974. “Conceptions qui ont précédé la notion de matière”. In: MAUSS, M. Oeuvres II. Paris, Minuit, pp. 161-168.

MAUSS, Marcel. 2003. “As técnicas do corpo”. In: MAUSS, M. Sociologia e antropologia, São Paulo, Cosac Naify, pp.399-422.

MILLER, Daniel; HORST, Heather. 2015. “O Digital e o Humano: prospecto para uma Antropologia Digital”. Revista Parágrafo,v. 2, n. 3: 91-111.

MILLER, Daniel; MADIANOU, Mirca. 2013. Migration and New Media: Transnational Families and Polymedia. London, Routledge.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. 2004. “Etnografia on e off line: cybercafés em Trinidad”. Horizontes Antropológicos, v.10, n. 21: 41-65. Disponível Em: http://Www.Scielo.Br/Scielo.Php?Pid=S0104-1832004000100003&Script=Sci_Arttext.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. 2000. The Internet: an ethnographic approach. Oxford, Berg.

NUNES, Rojane. 2010. “Boca”, a “Esquina” e o “Recanto”: sociabilidade, cotidiano e memória entre aposentados habitués do Centro de Santa Maria, RS. Santa Maria, dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

PEREIRA, Vinícius Andrade. 2006. “Reflexões sobre as materialidades dos meios:embodiment, afetividade e sensorialidades nas dinâmicas de comunicação das novas mídias”. Revista Fronteiras, v.8, n.2: 93- 101.

PRENSKY, Marc. 2001. Nativos digitais, imigrantes digitais. Horizon, NCB University Press.

SAUTCHUK, Carlos Eduardo. 2015. “Aprendizagem como gênese:prática, skill e individuação”. Horizontes Antropológicos, n. 44: 109-139. Disponível em: http://horizontes.revues.org/1094.

SERRES, Michel. 2013. Polegarzinha. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil.

TURKLE, Sherry .1997. La vida en la pantalla: la construcción de la identidade en la era de Internet. Cidade, Editora Paidós Ibérica, 1. ed..

WARNIER, Jean-Pierre. 1999. Construire la culture matérielle: L’homme qui pensait avec ses doigts. Paris, Presses Universitaires de France.

WINOCUR, Rosalía. 2009. Robinson Crusoé ya tiene celular: la conexión como espacio de control de la incertidumbre. México, Siglo XXI/ Uníversidad Autônoma Metropolitana, Unidad Iztapalapa.

Downloads

Publicado

2019-12-19

Como Citar

Leitão, D. K., Gaige, D. S., & Siqueira, M. D. de. (2019). Pegando o jeito de domar o bicho. O processo de aprendizagem das tecnologias digitais por idosos. Revista De Antropologia, 62(3), 652 - 678. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165233

Edição

Seção

Artigos