Espera, paciência e resistência: reflexões antropológicas sobre transexualidades, curso da vida e itinerários de acesso à saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2020.170813

Palavras-chave:

Antropologia, Transexualidade, Espera, Curso da vida, Saúde

Resumo

Este trabalho parte de duas investigações realizadas na cidade de Goiânia (Brasil), sobre o tema do acesso à saúde nos marcos do Processo Transexualizador do Sistema Único de Saúde (SUS), com foco na questão da espera. A primeira delas centrou-se nas narrativas de homens trans e a segunda nas de mulheres trans, acerca de suas trajetórias e dos itinerários terapêuticos implicados na chamada transição de gênero. Nosso argumento é que a espera é uma chave antropológica importante para interpretar tais narrativas. Nosso interesse, assim, é colocar em diálogo elementos etnográficos produzidos nessas investigações, tendo como eixo principal uma discussão em torno das ambivalências e tensões que tais sujeitos estabelecem em relação à espera. Nesse sentido, interessa-nos trazer também elementos de campo a fim de discutir antropologicamente os efeitos que expectativas heteronormativas e cisnormativas acerca do gênero e do curso da vida produzem em seus corpos e em suas vidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camilo Braz, Universidade Federal de Goiás

Camilo Braz é professor Associado de Antropologia na Faculdade de Ciências Sociais (FCS) e nos Programas de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) e em Sociologia (PPGS) da Universidade Federal de Goiás (UFG). Integrante do Ser-Tão, Núcleo de Ensino, Extensão e Pesquisa em Gênero e Sexualidade (FCS/UFG).

Anderson Santos Almeida, Universidade Federal de Goiás

Anderson Santos Almeida é Analista de Gestão Governamental na Universidade Estadual de Goiás e doutorando no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) da Universidade Federal de Goiás (UFG). Integrante do Ser-Tão, Núcleo de Ensino, Extensão e Pesquisa em Gênero e Sexualidade (FCS/UFG).

Referências

ALMEIDA, Guilherme S. 2012. “‘Homens trans’: novos matizes na aquarela das masculinidades?” Estudos Feministas, v.20, n.2: 513-523.

ALMEIDA Guilherme; MURTA Daniela. 2013. “Reflexões sobre a possibilidade de despatologização da transexualidade e a necessidade da assistência integral à saúde de transexuais no Brasil”. Sexualidade, Saúde e Sociedade, v. 14: 380-407.

ALVES, Paulo C.; SOUZA, Iara M. 1999. “Escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico”. In: RABELO, ALVES, SOUZA. Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro: Editora da FIOCRUZ.

ARÁN, Márcia& MURTA, Daniela. 2010. “Do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero às redescrições da experiência da transexualidade: uma reflexão sobre gênero, tecnologia e saúde”. Physis – Revista de Saúde Coletiva, v.19, n.1: 15-41.

VILA, Simone. 2015. Transmasculinidades: A emergência de novas identidades políticas e sociais. Rio de Janeiro, Multifoco.

AYUERO, Javier. 2012. Pacients of the State – The politics of waiting in Argentina. Durham and London, Duke University Press.

BARBOSA Bruno. 2010. Nomes e diferenças: uma etnografia dos usos das categorias travesti e transexual. São Paulo, Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo.

BARBOSA Bruno. 2015. Imaginando trans: saberes e ativismos em torno das regulações das transformações corporais do sexo. São Paulo, Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo.

BENTO, Berenice. 2006. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond.

BORBA, Rodrigo. 2016. O (des)aprendizado de si: Transexualidades, interação e cuidado em saúde. Rio de Janeiro, Editora da FIOCRUZ.

BRAZ, Camilo. 2017. “Transmasculinidades, salud y espera Antropología del tiempo y el acceso a la salud para hombres trans en Brasil”. In: PECHENY, Mario; PALUMBO, Mariana (orgs.). Esperar y hacer esperar: escenas y experiencias en salud, dinero y amor. Buenos Aires: Teseopress.

BRAZ, Camilo. 2018. “’Eu Já Tenho um Nome’ – Itinerários de homens trans em busca de respeito”. Revista Habitus, v. 16: 162-173.

BRAZ, Camilo. 2019a. “’Acá yo soy un pibe normal’. Narrativas sobre la espera y el acceso a derechos entre varones trans en Argentina”. Sexualidade, Saúde e Sociedade, v.31: 119-138.

BRAZ, Camilo. 2019b. “Vidas que esperam? Itinerários do acesso a serviços de saúde para homens trans no Brasil e na Argentina”. Cadernos de Saúde Pública, v. 35: 1-11.BRAZ, Camilo; SOUZA, Érica. 2018. “Transmasculinidades, transformações corporais e saúde: algumas reflexões antropológicas”. In: CAETANO; MELGAÇO (Org.). De Guri a Cabra Macho: masculinidades no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina: 28-42.

BUTLER, Judith. 2003. Problemas de Gênero – feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CARVALHO, Mário. 2011. Que mulher é essa? Identidade, política e saúde no movimento de travestis e transexuais. Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

CARVALHO, Mário. 2015. ‘Muito Prazer, Eu Existo!’: Visibilidade e Reconhecimento no Ativismo de Pessoas Trans no Brasil. Rio de Janeiro, Tese de Doutorado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

CARVALHO, Mário. 2018. “‘Travesti’, ‘mulher transexual’, ‘homem trans’ e ‘não binário’: interseccionalidades de classe e geração na produção de identidades políticas”. Cadernos Pagu, v.52: 185-211.

FLEISCHER, Soraya. 2018. Descontrolada. Uma etnografia dos problemas de pressão, São Carlos, EDUFSCAR.

HALBERSTAM, J. 2005. In a Queer time and Place: Transgender Bodies, Subcultural lives. New York: New York University Press.

HENNING, Carlos Eduardo. 2014. Paizões, Tiozões, Tias e Cacuras: envelhecimento, meia idade, velhice e homoerotismo masculino na cidade de São Paulo. Campinas,Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas.

HENNING, Carlos Eduardo. 2016. “‘Na minha época não tinha escapatória’: teleologias, temporalidades e heteronormatividade”. Cadernos Pagu, v.46: 341-371.

LEITE JR., Jorge. 2011. Nossos corpos também mudam – a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso científico. São Paulo: Annablume.

LIMA, Fátima. 2014. Corpos, Gêneros, Sexualidades: políticas de subjetivação. Porto Alegre: Reunida.

LIONÇO, Tatiana. 2009. “Atenção integral à saúde e diversidade sexual no processo transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios”. Physis, v.19, n.1: 43-63.

MARQUES Pollyanna& SILVA, Wiley. 2017. “A construção coletiva do serviço especializado do processo transexualizador no sus em goiás – reflexões e ressignificações sobre a gestão de políticas públicas de saúde para pessoas trans”. Paper apresentado na Reunião de Antropologia do Mercosul (RAM), Posadas, Argentina.

MISKOLCI, Richard. 2007. “A teoría queer e a sociología: o desafio de uma analítica da normalização.” Sociologias, v.11, n. 21: 150-182.

MOIRA, Amara. 2017. “O cis pelo trans”. Revista de Estudos Feministas, v. 25, n.1: 365-373.

NASCIMENTO, Silvana. 2014. “Variações Do Feminino: Circuitos Do Universo Trans Na Paraíba”. Revista De Antropologia, v.57, n.2: 377-411.

OLIVEIRA, Lorena Hellen de. 2017. Travesti Envelhece, Não Vira Purpurina! Um olhar interseccional sobre a(s) velhice(s) na experiência de travestis em Belo Horizonte. Belo Horizonte, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais.

ORTEGA, Julián; TISEYRA, María Victoria; MORCILLO, Santiago; GÁLVEZ, Marine. 2017. “(Im)pacientes trans en hospitales públicos de Buenos Aires. La experiencia de la espera y la accesibilidad en contextos de estigmatización”. Vivência – Revista de Antropologia, v.49: 239-252.

ORTNER, Sherry. 2007. “Subjetividade e crítica cultural”. Horizontes Antropológicos, v.13, n. 28: 375-405.PECHENY, Mario. 2017. “Introducción”. In: PECHENY, Mario; PALUMBO, Mariana (orgs.). Esperar y hacer esperar: escenas y experiencias en salud, dinero y amor. Buenos Aires: Teseopress.

PODESTÀ, Lucas L. 2018. “Os usos do conceito de transfobia e as abordagens das formas específicas de violência contra pessoas trans por organizações do movimento trans no Brasil”. Goiânia, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Goiás.

SAMPAIO, Liliana L. P.; COELHO, Maria Thereza A. D. 2014. “As transexualidades na atualidade: aspectos conceituais e de contexto”. In: COELHO, M.; SAMPAIO, L. Transexualidades – um olhar multidisciplinar, Salvador, EDUFBA.

SIMÕES, Julio Assis. 2004. “Homossexualidade masculina e curso de vida: pensando idades e identidades sexuais”. In: PISCITELLI, Adriana; GREGORI, Maria Filomena; CARRARA, Sérgio. (Orgs.). Sexualidade e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond: 415-447.

TEIXEIRA, Flávia B. 2009. Vidas que desafiam corpos e sonhos: Uma etnografia do construir-se outro no gênero e na sexualidade. Campinas, Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas.

TEIXEIRA, Flávia B. 2012. “Histórias que não têm Era Uma Vez: As (in)certezas da transexualidade”. Revista de Estudos Feministas, v.20, n.2: 501-512.

TENÓRIO, Leonaro Farias Pessoa; PRADO, Marco Aurélio Máximo. 2016. “Os impactos e contradições da patologização das transidentidades e argumentos para a mudança de paradigma”. In: VAL, Alexandre Costa; DIAS, Fernando Machado Vilhena; GOMES, Gabriela de Lima. (Org.). Multiplicando os gêneros nas práticas em Saúde. Ouro Preto: Editora UFOP, pp. 130-148.

TOTA, Martinho. 2015. “Cinco Vidas: travestilidades, gênero, sexualidades e etnicidades no interior da Paraíba”. Revista De Antropologia, v.58, n.2: 173-207.

VÁZQUEZ, Sandra; FERNANDEZ, Salomé & SZWARC, Lucila. 2017. “Esperando un aborto exitoso Tensiones en la espera por abortar con pastillas en el Área Metropolitana de Buenos Aires”. In: PECHENY, Mario; PALUMBO, Mariana (orgs.). Esperar y hacer esperar: escenas y experiencias en salud, dinero y amor. Buenos Aires: Teseopress.

VERGUEIRO, Viviane. 2015. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Salvador, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia

Downloads

Publicado

2020-06-08

Como Citar

Braz, C., & Almeida, A. S. (2020). Espera, paciência e resistência: reflexões antropológicas sobre transexualidades, curso da vida e itinerários de acesso à saúde. Revista De Antropologia, 63(2), e170813. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2020.170813

Edição

Seção

Artigos