“Alguém a fim?”: uma etnografia on-line em salas de bate-papo na fronteira Brasil-Bolívia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2020.170814

Palavras-chave:

Gênero, Sexualidade, Etnografia On-line, Fronteira, Redes Sociais

Resumo

O presente artigo apresenta parte dos resultados de uma pesquisa sobre gênero, sexualidade e diferenças, em uma perspectiva socioantropológica, na área de fronteira Brasil-Bolívia. Ele busca analisar experiências de interações de usuários/as das salas de bate-papo do provedor Universo Online (UOL) Corumbá. A metodologia é, principalmente, a etnografia on-line, mas também apresenta parte do trabalho de campo off-line realizado nessa região fronteiriça em Mato Grosso do Sul. A perspectiva teórica é pós-estruturalista, em especial, estudos subalternos (queer, feminista, pós-colonial). O enfoque é para as relações de gêneros dissidentes e sexualidades disparatadas nesse ambiente virtual, sem, contudo, deixar de compreendê-lo a partir do contexto off-line. As reflexões apontam para o erotismo presente nesse espaço virtual, assim como discute a experiência da produção de um “Outro” desvalorizado. Busca, ainda, contribuir para as reflexões no campo metodológico das pesquisas em ambientes da internet e em regiões de fronteira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Cristina de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Carla Cristina de Souza é mestra em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (PPGAS/UFMS). Pesquisadora do Impróprias - Grupo de Pesquisa em Gênero, Sexualidade e Diferenças (UFMS/CNPq). Graduada em Ciências Sociais - Bacharelado (UFMS). Foi Bolsista Voluntária do PIBIC/CNPq (2015/2016). Técnica de Projetos na Organização da Sociedade Civil, Instituto Brasileiro de Inovações Pró Sociedade Saudável do Centro Oeste (IBISS-CO).

Tiago Duque, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Tiago Duque é pós-doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Graduado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) e do Programa de Pós-Graduação em Educação do Campus do Pantanal (PPGE-CPAN). Pesquisador do Impróprias – Grupo de Pesquisa em Gênero, Sexualidade e Diferenças (UFMS/CNPq).

Referências

AMARAL, Adriana; NATAL, Geórgia; VIANA, Lucina. 2008. “Netnografia como Aporte Metodológico da Pesquisa em Comunicação Digital”. Revista Sessões do Imaginário, v.2, n.20: 34-40.

BANDUCCI JÚNIOR, Álvaro. 2012. “O Pantanal e a sua gente: diversidade étnica e cultura”. In: MORETTI, Edvaldo Cesar; BANDUCCI JUNIOR, Álvaro (Orgs). Pantanal: territorialidades, culturas e diversidade. Campo Grande: Ed. UFMS: 09-23.

BELELI, Iara. 2015. “O imperativo das imagens: construção de afinidades nas mídias digitais”. Cadernos Pagu, n.44: 91-114.BENTO, Berenice. 2011. “Política da Diferença: Femininos e Transexualidades”. In: COLLING, Leandro (org). Stonewall 40 + o que no Brasil?, Salvador: 79-110.

BERLANT, Laurent & WARNER, Michael. 2002. “Sexo em Público”. In: JIMÉNEZ, Rafael M. M. (editor) Sexualidades transgressoras. Barcelona, Içaria: 229-257.BUTLER, Judith. [1990] 2003. Problemas de gênero: feminismo e subversão da realidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

BRAGA, Gibran Teixeira. 2015. “Não estou cobrando o que eu não posso dar: masculinidade simétrica no homoerotismo virtual”. Sexualidad, Salud y Sociedad, v.21: 225-261.

CARRARA, Sérgio; FRANÇA, Isadora Lins; SIMÕES, Júlio Assis. 2018. “Conhecimento e práticas científicas na esfera pública: antropologia, gênero e sexualidade”. Revista de Antropologia, v.61, n.1: 71-82.

COSTA, Gustavo Villela Lima da. 2018. “‘Diz que em corumbá tem muita conversa fiada’: fofoca, política e moralidade em uma cidade do Pantanal”. Política & Sociedade, v.17, n.39: 396-426.

COSTA, Gustavo Villela Lima da. 2013a “O Muro Invisível: a nacionalidade como discurso reificado na fronteira Brasil- Bolívia”. Tempo Social, v.25: 141-156.

COSTA, Gustavo Villela Lima da. 2013b “A Feira Bras-Bol em Corumbá (MS): notas sobre o comércio informal na fronteira Brasil-Bolívia”. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, v.3, n.2: 467-489.

DUQUE, Tiago. 2011. Montagens e desmontagens: desejo, estigma e vergonha entre travestis adolescentes. São Paulo: Annablume.ESSELIN, Paulo Marcos; OLIVEIRA, Tito Carlos Machado de; OLIVEIRA, Marco Aurélio Machado de. 2012. Fronteiras esquecidas: a construção da hegemonia nas fronteiras entre os Rios Paraguai e Paraná. Dourados: Editora da UFGD.

FOUCAULT, Michel. [1976] 2007. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal.

KOZINETS, Robert V. 2014. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre, Penso.

LEITÃO, Débora K; GOMES, Laura Graziela. 2017. “Etnografia em ambientes digitais: perambulações, acompanhamentos e imersões”. Revista Antropolítica, n.42: 41-65.

LEITÃO, Débora K; GOMES, Laura Graziela. 2018 “Gênero, sexualidade e experimentação de si em plataformas digitais on-line”. Civitas-Revista de Ciências Sociais, v.18, n.1: 171-186.

MAGNANI, José Guilherme Cantor et al. 2002. “De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.17, n.49: 11-29.

MILLER, Daniel. [2010] 2013. Trecos, Troços e Coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar.

MISKOLCI, Richard. 2017. Desejos Digitais:uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

MISKOLCI, Richard. 2012. “A gramática do armário: notas sobre segredos e mentiras em relações homoeróticas masculinas mediadas digitalmente”, XXX International Congress of LASA, San Francisco. LASA 2012 Congress Paper Archive. Pittsburgh: LASA, v.1: 1-25.

MISKOLCI, Richard. 2011. “Novas Conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais”. Cronos, v.12: 9-22.

MISKOLCI, Richard. 2009. “O Armário Ampliado: notas sobre sociabilidade homoerótica na era da internet”. Gênero, v.9: 171-190.

NOVELI, Marcio. 2010. “Do off-line para o online: a netnografia como um método de pesquisa ou o que pode acontecer quando tentamos levar a etnografia para a Internet?” Metodista, v. 12, n.6: 107-133.

OLIVEIRA, Marco Aurélio Machado de; CAMPOS, Davi Lopes. 2012. “Migrantes e fronteira: lógicas subversivas, vidas referidas”. In: PEREIRA, Jacira Helena do Valle; OLIVEIRA, Marco Aurélio Machado de (orgs.). Migração e integração: resultados de pesquisa em Mato Grosso do Sul. Dourados: Editora UFGD: 17-37.

PASSAMANI, Guilherme Rodrigues. 2018. Batalha de Confete: envelhecimento, condutas homossexuais e regime de visibilidade no pantanal-MS. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens.

PERLONGHER, Néstor. 2008. O negócio do michê: prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

PISCITELLI, Adriana. 2008. “Internseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras”. Sociedade e Cultura, v.11, n.2: 263-274.

RUBIN, Gayle. 1984. “Thinking Sex: Notes for a Radical Theory of the Politics of Sexuality”. In: VANCE, Carol. Pleasure y danger: exploring female sexuality: 267-319.

RAMOS, Jair de Souza. 2015. “Subjetivação e poder no ciberespaço. Da experimentação à convergência identitária na era das redes sociais”. Vivência: Revista de Antropologia, v.1, n.45: 57-75.

Publicado

2020-06-08

Como Citar

Souza, C. C. de, & Duque, T. (2020). “Alguém a fim?”: uma etnografia on-line em salas de bate-papo na fronteira Brasil-Bolívia. Revista De Antropologia, 63(2), e155710. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2020.170814

Edição

Seção

Artigos