Ritual, emoções e engajamento militante: a produção em ato da mística na romaria dos mártires da floresta em Nova Ipixuna/PA

Autores

  • Igor Rolemberg École de Hautes Études en Sciences Sociales /Paris, Île de France, França – em co-tutela com Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0002-5171-1254

DOI:

https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2021.186656

Palavras-chave:

Ritual, emoções, engajamento, mobilização, mística

Resumo

Todos os anos, na região do sudeste do estado do Pará, atores engajados na mobilização social em torno da reforma agrária e da defesa da floresta participam de uma romaria em memória de duas lideranças assassinadas em um assentamento agroextrativista. Trata-se de um momento de produção intensa de emoções que compõem junto com outros elementos a mística, termo local que, em sua acepção ampla, significa a motivação de agir para o engajamento militante. Busco descrever os agenciamentos operados durante o ritual (dispositivo de sensibilização) que permitem a emergência e a circulação de emoções, tais como indignação, revolta, alegria, comunhão, esperança, e sua incidência para renovar o engajamento na comunidade instaurada pela mobilização. O material empírico advém de uma etnografia que realizo desde 2014 sobre o trabalho militante da Comissão Pastoral da Terra na região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Rolemberg, École de Hautes Études en Sciences Sociales /Paris, Île de France, França – em co-tutela com Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Igor Rolemberg é doutorando em “Sciences de la société” pela EHESS de Paris, em co-tutela de tese com o Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da UFRJ.

Referências

BERTHOMÉ, François e HOUSEMAN, Michael. 2010 “Ritual and emotions: moving relations and patterned effusions”. Religion and Society, 1(1), 57-75. https://doi.org/10.3167/arrs.2010.010105

BIRMAN, Patricia e LEITE, Márcia Pereira (orgs.). 2004. Um mural para a dor: movimentos cívico-religiosos por justiça e paz. Porto Alegre, ed.UFRGS

BLEIL, Susana. 2012. Vie et lutte des sans-terre au Brésil. Paris, Khartala.

BOLTANSKI, Luc e THEVENOT, Laurent. 1991. De la justification. Paris, Gallimard

CEFAÏ, Daniel. 1996. “La construction des problèmes publics. Définitions de situations dans des arènes publiques”. Réseaux (Paris, Impresso) 14(75), 43-66.

CEFAÏ, Daniel. 2007. Pourquoi se mobilise-t-on? Paris, La Découverte

CEFAÏ, Daniel. 2009. “Como nos mobilizamos? A contribuição de uma abordagem pragmatista para a sociologia da ação coletiva”. Dilemas (Rio de Janeiro, Online), 2(4), 11-48.

CHAVES, Christine. 2000. A marcha nacional dos sem-terra. Rio de Janeiro, Relume-Dumará.

COHEN, Anouk; KERESTETZI, Katerina e MOTTIER, Damien. 2017. “Introduction.Sensorialités religieuses: sens, matériaités et expériences”. Gradhiva (Paris, Online), 26, 5-21. https://doi.org/10.4000/gradhiva.3418

COMERFORD, John. 1999. Fazendo a luta. Rio de Janeiro, Relume-Dumará.

DULLO, Eduardo. 2016. “Testemunho: cristão e secular”. Religião e sociedade (Rio de Janeiro, Online), 36(2), 85-106. http://dx.doi.org/10.1590/0100-85872016v36n2cap05

DURKHEIM, Émile. 1996[1912]. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo, Martins Fontes

FASSIN, Didier. 2009. “Les économies morales revisitées”. Annales. Histoire, Sciences Sociales (Paris, Online), 64(6),1237-1266. https://doi.org/10.3917/anna.646.1237

GOODWIN Jeff; JASPER James e POLETTA Francesca (orgs.). 2001. Passionate Politics: Emotions and Social Movements, Chicago, University of Chicago Press.

HOCHSCHILD, Arlie. 2003. “Travail émotionnel, règles de sentiments et structure sociale”. Travailler (Revigny-sur-Ormain, Impresso), 9,19-49.

JASPER, James. 1998. “The Emotions of Protest: Affective and Reactive Emotions in and around Social Movements”. Sociological Forum, 13(3), 397-424

KEANE, Webb. 2008. “The evidence of the senses and the materiality of religion”. Journal of the Royal Anthropological Institute, 14(S1),110-127. https://doi.org/10.1111/j.1467-9655.2008.00496.x

LACERDA, Paula. 2014. “O sofrer, o narrar e o agir: dimensões da mobilização social de familiares de vítimas”. Horizontes Antropológicos (Porto Alegre, Online), 20(42), 49-75. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832014000200003.

LAIDLAW, James. 2017. “Ethics / Morality”. In STEIN F. et al (org.) The Cambridge Encyclopedia of Anthropology. Disponível em: http://doi.org/10.29164/17ethics, acesso em 20.01.2020

LAMBEK, Michael. 2000. “The Anthropology of Religion and the Quarrel between Poetry and Philosophy”. Current Anthropology, 41(3), 309-320. https://doi.org/10.1086/300143

LAMBEK, Michael. 2013. “The value of (performative) acts”. Hau: Journal of Ethnographic Theory, 3 (2), 41-60. https://doi.org/10.14318/hau3.2.009.

LUTZ, Catherine. 2017. “What matters”. Cultural Anthropology, 32 (2), 181-191. https://doi.org/10.14506/ca32.2.02

MAUÉS, Raymundo Heraldo. 2010. “Comunidades 'no sentido social da evangelização': CEBs, camponeses e quilombolas na Amazônia oriental brasileira”. Religião e Sociedade (Rio de Janeiro, Impresso), 30(2), 13-37.

MAUSS, Marcel. 1979 [1921]. “A expressão obrigatória dos sentimentos”. In CARDOSO DE OLIVEIRA, R. (org.), Marcel Mauss: Antropologia. São Paulo, Ática, 147-153.

MENEZES, Renata. 2018. “As religiões, a estética e o sensorial”. Debates do NER (Porto Alegre, Online), 19(34), 47-54. https://doi.org/10.22456/1982-8136.89860

MEYER, Birgit. 2018. “A estética da persuasão: as formas sensoriais do cristianismo global e do pentecostalismo”. Debates do NER (Porto Alegre, Online), 19(34), 13-45. https://doi.org/10.22456/1982-8136.89858

MILANEZ, Felipe. 2015. A ousadia de conviver com a floresta: uma ecologia política do extrativismo na Amazônia. Coimbra, Tese de Doutorado, Universidade de Coimbra.

PEIRANO, Mariza. 2016. “Etnografia e rituais: relato de um percurso”. Anuário Antropológico (Brasília, Online), 41 (1), 237-248. https://doi.org/10.4000/aa.2011

RANCIÈRE, Jacques. 1990. Aux bords du politique. Paris, Gallimard.

REZENDE, Cláudia e COELHO, Maria Cláudia. 2010. Antropologia das emoções. Rio de Janeiro, Editora FGV.

ROBBINS, Joel. 2014. “Pluralismo religioso e pluralismo de valores”. Debates do NER (Porto Alegre, Online), 2 (26), 15-41. https://doi.org/10.22456/1982-8136.52034

ROBBINS, Joel. 2015. “Ritual, value, and example: on the perfection of cultural representations”. Journal of the Royal Anthropological Institute, 21 (S1),18-29. https://doi.org/10.1111/1467-9655.12163

ROBBINS, Joel e SUMIALA, Johanna. 2016. “Ritual intimacy—ritual publicity: revisiting ritual theory and practice in plural societies”. Suomen Antropologi, 41 (4), 1-5. Disponível em: https://journal.fi/suomenantropologi/article/view/63063, acesso em 20.01.2020.

SOUZA, Edimilson. 2016. “Crônicas da morte revividas na luta: uma etnografia da Romaria dos Mártires da Caminhada em Ribeirão Cascalheira (MT), Brasil”. Etnográfica (Lisboa, Online), 20 (2), 339-362. https://doi.org/10.4000/etnografica.4306

SOUZA, Edimilson. 2019. A luta se faz caminhando. Campinas, Tese de Doutorado, Universidade de Campinas.

STEIL, Carlos Alberto.1996. O sertão das romarias. Petrópolis, Vozes.

TRAÏNI, Christophe e SIMMÉANT, Johanna. 2008. “Introduction: pourquoi et comment sensibiliser à la cause”. In TRAÏNI, C. (org.), Emotions...Mobilisatons!. Paris, Presses Sciences Po, pp. 11-34.

VIANNA, Adriana e FARIAS, Juliana. 2011. “A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional”, Cadernos Pagu (Campinas, Online), 37, 79-116. https://doi.org/10.1590/S0104-83332011000200004.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Rolemberg, I. (2021). Ritual, emoções e engajamento militante: a produção em ato da mística na romaria dos mártires da floresta em Nova Ipixuna/PA. Revista De Antropologia, 64(2), e186656. https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2021.186656

Edição

Seção

Artigos