Mulheres-Onça: mitologia, gênero e antropofagia no Complexo do Marico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2022.192785

Palavras-chave:

Mitologia ameríndia, Antropofagia, Sudoeste Amazônico, Gênero

Resumo

As narrativas mitológicas dos povos originários dos afluentes da margem direita do médio rio Guaporé revelam uma íntima conexão entre relações de gênero e a diferença humano/animal/espírito.  Enfatizam, por um lado, as condições de possibilidade de uma sociedade composta por relações de sexo oposto, e por outro lado, a “antropofagia” praticada pelas mulheres. A partir da articulação com a etnografia cotidiana, em particular referente à produção e consumo de bebida fermentada, o artigo sugere que a antropofagia feminina, i.e., a identificação virtual das mulheres com as onças, é a condição para a diferença (atual) que separa os humanos dos não-humanos e os humanos entre si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nicole Soares-Pinto, Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, ES, Brasi

Nicole Soares-Pinto é professora do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Espírito Santo. Doutora em Antropologia Social pelo PPGAS-UnB. Realizou dois estágios pós doutorais no PPGAS-Museu Nacional (UFRJ), em 2016 e em 2020.

Referências

BELAUNDE, Luísa Elvira. 2006. A força dos pensamentos, o fedor do sangue: hematologia e gênero na Amazônia. Revista de Antropologia, v. 49, n. 1: 205-243. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-77012006000100007

BELAUNDE, Luísa Elvira. 2019. O ninho do japu: perspectivismo, gênero e relações interespécies airo-pai. Amazônica: Revista de Antropologia, v. 11, n. 2: 657-687. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v11i2.7638

CASTRO, Thiago. 2012. Djeoromitxí: Notes on Phonology and Simple Noun Phrase Structure. Austin, Master of Arts, The University of Texas.

COELHO DE SOUZA, Marcela. 2004. Parentes de Sangue: incesto, substância e relação no pensamento timbira. Mana – Estudos de Antropologia Social, v. 10, n. 1: 25-60.

CONKLIN, Beth. 2001. “Women’s Blood, Warriors’ Blood, and the Conquest of Vitality in Amazonia”. In: GREGOR, Thomas; TUZIN, Donald. Gender in Amazonia and Melanesia: an exploration of the comparative method. California, University of California Press, pp.141-174.

DESCOLA, Phillipe. 2001. “The genres of gender: local models and global paradigms in the comparison of Amazonia and Melanesia”. In: GREGOR, Thomas; TUZIN, Donald. Gender in Amazonia and Melanesia: an exploration of the comparative method. California, The University of California Press, pp. 91-114.

FRANCHETTO, BRUNA. 1996. Mulheres entre os Kuikurú. Revista Estudos Feministas, v. 4, n. 1: 35-54.

JABOTI, André. 2019. Produção de Material Didádito Bilíngue: aspectos culturais do povo Djeoromitxi (Djeoromitxi hõnõ nõtxi), Ji-Paraná, Monografia de Especialização, Universidade Federal de Rondônia.

LEA, Vanessa. 2001. “The composition of mebengokre households”. In: RIVAL, Laura; WHITEHEAD, Neil. (Eds.). Beyond the visible and the material: the amerindianization of society in the work of Peter Rivière.Oxford, Oxford University Press, pp. 157-176.

LIMA, Tânia Stolze. 1996. O dois e seu múltiplo: reflexões sobre o perspectivismo em uma cosmologia tup”. Mana – Estudos de Antropologia Social, v. 2, n. 2: 21-47. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-93131996000200002

LIMA, Tânia Stolze. 2005. Um peixe olhou para mim: o povo Yudjá e a perspectiva. São Paulo, Editora Unesp/ISA; Rio de Janeiro, NUTI.

LIMA, Tânia Stolze. 2008. “Uma História do Dois, do Uno e do Terceiro”. In: CAIXETA DE QUEIROZ, Ruben; FREIRE NOBRE, Renarde (Orgs.). Lévi-Strauss: Leituras Brasileiras. Belo Horizonte, Editora UFMG, pp. 209-264.

LIMA, Tânia Stolze. 2011. Por uma cartografia do poder e da diferença nas cosmopoliticas ameríndias. Revista de Antropologia, v. 54, n. 2: 601-646. DOI: https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2011.39641

LÉVI-STRAUSS, Claude.1993. História de Lince. São Paulo, Editora Schwarcz.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 2004a. O cru e o Cozido. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo, Cosac & Naify.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 2004b. Do Mel às Cinzas. Tradução: Carlos Eugênio Marcondes de Moura e Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo, Cosac & Naify.

MAIZZA, Fabiana. 2018. The wander women: some thoughts about gender in Amazonia. Journal of the Anthropological Society of Oxford, New Series, v. X, n. 2: 136-156.

MALDI, Denise. 1991. O complexo cultural do marico: sociedades indígenas do rio Branco, Colorado e Mequens, afluentes do médio Guaporé. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi (Antropologia), v. 7, n. 2: 209-269.

MATOS, Beatriz de Almeida. 2019. O perigo do olhar da mulher: reflexões sobre gênero e perspectiva a partir de um ritual de iniciação masculina matses. Amazônica: Revista de Antropologia, v. 11, n. 2: 637-656. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v11i2.7637

MATOS, Beatriz de A.; OTERO, Julia; BELAUNDE, Luisa E. 2019. “Corpo, Terra, Perspectiva”. Amazônica: Revista de Antropologia, v. 11, n. 2: 391-412. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v11i2.7957

MAGNANI, Claúdia; GOMES, Ana; MAXACALI, Sueli; MAXACALI, Maísa. 2020. Panela de barro, água de batata, linha de embaúba: práticas xamânicas das mulheres tikmũ’ũn-maxakali. Cadernos de Campo, v. 29, n.1: 262-281. DOI https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i1p247-266

MCCALLUM, Cecília. 1996. The body that knows: from cashinahua epistemology to a medical anthropology of lowland South America. Medical Anthropology Quarterly, v. 10, n. 3: 347-372. DOI: https://doi.org/10.1525/maq.1996.10.3.02a00030

MIMICA, Jadran. 1991. The incest passions: an outline of the logic of Iqwaye social organization (part 1). Oceania, v. 62, n. 1: 34-58. DOI: https://doi.org/10.1002/j.1834-4461.1991.tb02382.x

MINDLIN, Betty; narradores Makurap, Tupari, Wajuru, Djeoromitxí, Arikapú e Aruá. 2014. Moqueca de Maridos: mitos eróticos indígenas. São Paulo, Paz e Terra.

NUNES, Eduardo Soares. 2016. Transformações Karajá: Os “antigos” e o “pessoal de hoje” no mundo dos brancos. Brasília, tese de doutorado, Universidade de Brasília.

OLIVEIRA, Melissa. 2019. Vida, poder e conhecimento: cuidados contemporâneos em torno do nascimento entre grupos Tukano Orientais do médio rio Tiquié, Noroeste Amazônico. R@U – Revista de Antropologia da UFSCar, v. 11, n. 1: 35-64.

OTERO, Julia. 2019. Sobre mulheres brabas: ritual, gênero e perspectiva. Amazônica: revista de antropologia, v. 11, n. 2: 607–635. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/amazonica.v11i2.7643

OVERING, Joanna. 1986. Men control women? The ‘catch 22’ in the analysis of gender. International Journal of Moral and Social Studies, v. 1, n. 2: 135-156.

RAMO Y AFFONSO, Ana Maria. 2014. De pessoas e palavras entre os guarani-mbya. Niterói, tese de doutorado, Universidade Federal Fluminense.

RAMO Y AFFONSO, Ana M. s/d. Entre o milho e o mel nhemongarai: ritual, gênero e outros encaixes entre os Guarani. No Prelo

RODRIGUES, Patricia. 1995. Alguns aspectos da construção do gênero entre os Javaé da ilha do Bananal. Cadernos Pagu, n. 5: 131-146.

SILVA, Marcio. 2001. Relações de gênero entre os Enawene-Nawe. Tellus, ano 1, n. 1: 41-66. DOI: https://doi.org/10.20435/tellus.v0i1.4

SILVA, Marcio. 2010. Um pequeno, mas espinhoso, problema do parentesco. Ilha, v. 12, n. 2: 165- 210. DOI: 10.5007/2175-8034.2010v12n1-2p165

SOARES-PINTO, Nicole. 2009. Do poder do sangue e da chicha: os Wajuru do Guaporé (Rondônia). Curitiba, dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná.

SOARES-PINTO, Nicole. 2014. Entre as Teias do Marico: parentes e pajés djeoromitxi. Brasília, tese de doutorado, Universidade de Brasília.

SOARES-PINTO, Nicole. 2017. Pequeno manual para se casar e não morrer: o parentesco djeoromitxi. Mana – Estudos de Antropologia Social, v. 23, n. 2: 519-549. DOI: https://doi.org/10.1590/1678-49442017v23n2p519.

SOARES-PINTO, Nicole. 2018. “Uma incontornável diferença: parentesco nas Terras Baixas da América do Sul (1996-2016)”. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica, v. 87, n. 3: 105-132.

STRATHERN, Marilyn. 2001. “Same-Sex and Cross-Sex Relations: Some Internal Comparisons”. In: GREGOR, Thomas (org.). Gender in Amazonia and Melanesia: An Exploration of the Comparative Method. California, University of California Press, pp.: 221-244.

STRATHERN, Marilyn. 2004 [1991] Partial Connections. Updated Edition. Oxford, Altamira Press.

TAYLOR, Anne-Christine. 2000. Le sexe de la proie: Représentations jivaro du lien de parenté. L’Homme, v. 154-155, pp. 309-334. DOI: https://doi.org/10.4000/lhomme.35

TAYLOR, Anne-Christine. 2001. “Wives, Pets and Affines: Marriage among the Jivaro”. In: RIVAL, Laura M.; WHITEHEAD, Neil L. (Org.). Beyond the visible and the material: the ameriandinization of society in the work of Peter Rivière. Oxford, Oxford University Press, pp. 45-56.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1986. Araweté: Os Deuses Canibais. Rio de Janeiro, Editora Zahar.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”. Mana – Estudos de Antropologia Social, v. 2, n. 2: 115-144. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-93131996000200005

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002a. “O problema da afinidade na amazônia”. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A Inconstância da alma selvagem. São Paulo, Cosac & Naify, pp. 87-180.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002b. “Atualização e contra-efetuação do virtual: o processo do parentesco”. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A Inconstância da alma selvagem. São Paulo, Cosac & Naify, pp. 401-456.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002c. “Xamanismo e Sacrifício”. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A Inconstância da alma selvagem. São Paulo, Cosac & Naify, pp.457-472.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2007. Filiação Intensiva e Aliança Demoníaca. Novos Estudos, Cebrap, ed. 77, v. 1: 91-126.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2012. “Radical Dualism: A Meta-Fantasy on the Square Root of Dual Organizations, or a Savage Homage to Lévi-Strauss”. 100 notes-100 Thoughts = 100 Notizen - 100 Gedanken; n. 056, Ostfildern, Hatje Cantz.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2015. Metafísicas Canibais. São Paulo, N-1 Edições.

WAGNER, Roy. 1977. The invention of culture. Chicago, The University of Chicago Press.

WAGNER, Roy. 1978. Lethal Speech: Daribi Myth as Symbolic Obviation. London, Cornell University Press.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Soares-Pinto, N. (2022). Mulheres-Onça: mitologia, gênero e antropofagia no Complexo do Marico . Revista De Antropologia, 65(1), e192785. https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2022.192785

Edição

Seção

Dossiê - Entre a mitologia e a etnografia: transformações nas Américas indígenas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)