Regularização fundiária e regimes de conhecimento: notas sobre o sul do estado do Amazonas (Brasil)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2022.192794

Palavras-chave:

Povos indígenas sul-americanos, Tupi-Kagwahiva, terras indígenas

Resumo

Com o presente artigo, busca-se uma reflexão acerca dos processos de regularização fundiária nos quais diferentes formas de conhecimento entrecruzam-se. O ponto de partida é um conjunto de experiências relativas a estudos de identificação de terras indígenas no sul do estado do Amazonas. A intenção é problematizar a grafia de distintas leituras de contextos. Se de um lado o antropólogo deve redigir um relatório que contenha um mapa com os limites de uma terra indígena, de outro deve compreender a confluência de relações constitutivas de um coletivo e seu lugar. Se a produção de um texto e de um mapa são pensados para futuras leituras (jurídicas e antropológicas), os registros dos lugares, pautados em eventos que conjugam socialidade e sociabilidade, são também uma forma de linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edmundo Antonio Peggion, Universidade Estadual Paulista

Edmundo Antonio Peggion é professor associado da Universidade Estadual Paulista – Unesp e colaborador do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFSCar. Desenvolveu pesquisas sobre organização social e parentesco nas regiões sul do estado do Amazonas e norte de Rondônia. Na ocasião, contribuiu com processos de regularização fundiária das terras indígenas. Atualmente organiza e sistematiza, com apoio da FAPESP, seu acervo de imagens e registros sonoros para retorná-los ao povo indígena Tenharin, tendo como foco uma reflexão sobre memória e biografia.

Referências

ALMEIDA, Mauro W. Barbosa de. 2013. “Caipora e outros conflitos ontológicos”. R@u - Revista de Antropologia da UFSCar, v. 5, n. 1: 7-28. DOI: https://doi.org/10.52426/rau.v5i1.85.

BANDEIRA, Virgilio. 1923. Carta encaminhada a José Garcia de Freitas criticando sua atuação juntos aos possíveis postos de pacificação dos Parintintin no ano de 1923. Filme 32, planilha 389, Rio de Janeiro, Museu do Índio.

BARRANCAS, Francisco Pereira. 1941. Relatório da 1a. Expedição ao rio Madeira, realisada de 5 de janeiro á 22 de março de 1941 pelo Snr. ajudante Francisco Pereira Barrancas. Filme 32, planilha 389, Rio de Janeiro, Museu do Índio.

BERTOLIN, Gabriel Garcêz. 2014. Entre Outros: uma Análise da Transformação Ritual entre os Kagwahiva. São Carlos, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de São Carlos.

BETTS, LaVera. 1981. Dicionário Parintintin-Português Português-Parintintin. Brasília: Summer Institute of Linguistics.

BRASIL. Constituição. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, Centro Gráfico.

BRASIL. Presidência da República. 1996. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto no. 1.775.

BRASIL. Ministério da Justiça. 1996. Portaria/FUNAI no 14.

COELHO DE SOUZA, Marcela et al. 2017. T/terras indígenas e territórios conceituais: incursões etnográficas e controvérsias públicas. Projeto de pesquisa. Entreterras, [S.l.], v. 1, n. 1: 1-61.

FAUSTO, Carlos. 2008. “Donos demais: maestria e domínio na Amazônia”. Mana, v. 14, n. 2: 329-366. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-93132008000200003.

FREITAS, José Garcia de. 1926. “Os Índios Parintintin”. Journal de la Socièté des Américanistes de Paris, v. 18: 67-73. DOI https://doi.org/10.3406/jsa.1926.3604.

FREITAS, José Garcia de. 1930. Relatório encaminhado ao Diretor do SPI Sr. Dr. José Bezerra Cavalcanti, pelo inspetor Bento Pereira de Lemos referente às atividades da IR 1 no exercício de 1930. Filme 33, planilha 396, pp. 02-12), Rio de Janeiro, Museu do Índio.

GALLOIS, Dominique Tilkin. 2004. “Terras ocupadas? Territórios? Territorialidades?”. In: RICARDO, Fany (org.) Terras Indígenas e Unidades de Conservação da Natureza. O desafio das sobreposições territoriais. São Paulo, Instituto Socioambiental, pp. 37-41.

GONDIM, Joaquim. 1925. A pacificação dos Parintintins - Koró de Iuirapá. Rio de Janeiro, Comissão Rondon.

GONDIM, Joaquim. 1938. Etnografia Indígena. Estudos realizados em várias regiões do Amazonas, no período de 1921 a 1926. Fortaleza, Editora Fortaleza.

HUGH-JONES, Stephen. 2012. “Escrever na pedra, escrever no papel”. In: ANDRELLO, Geraldo (org.). Rotas de criação e transformação: narrativas de origem dos povos indígenas do Rio Negro. São Paulo, Instituto Socioambiental/FOIRN.

HUGO, Vitor. 1959. Desbravadores. Humaitá, Missão Salesiana. (2 volumes), 1959.

INGOLD, Tim. 2015. Estar Vivo. Ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, Vozes.

KRACKE, Waud. 2004. “A posição histórica dos Parintintin na evolução das culturas Tupi-Guarani”. Trabalho apresentado no Encontro Internacional sobre as Línguas e Culturas dos Povos Tupi. Brasília, UNB.

LEMOS, Bento Pereira. 1925/1928/1930/1932. Relatório encaminhado ao Diretor do SPI Sr. Dr. José Bezerra Cavalcanti, pelo inspetor Bento Pereira de Lemos referente às atividades da IR 1 nos exercícios de 1925 (filme 33, planilha 396, pp. 2-3; 33-44); 1929 (filme 33, planilha 396, pp. 4-24); 1930 (filme 33, planilha 396, pp. 02-12); 1932 (filme 379, fotograma 107). Rio de Janeiro, Museu do Índio.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1996. Tristes Trópicos. São Paulo, Companhia das Letras.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1958. “Documents Tupi-Kawahib”. In: Miscellanea Paul Rivet, octagenario dicata II. México, pp. 323-338.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1963. “The Tupi-Cawahib”. In: STEWARD, J. (org.). Handbook of South American Indians. New York: Cooper Square Publishers Inc., pp. 299-305.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 2008. “As organizações dualistas existem?” In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural. São Paulo, Cosac Naify, pp. 147-178.

MENÉNDEZ, Miguel A. 1981/1982. “Uma contribuição para a etno-história da área Tapajós-Madeira”. Revista do Museu Paulista v. 28: 289-388.

MENÉNDEZ, Miguel A. 1984. Avaliação da situação dos Tenharim (Kawahiwa) do rio Marmelos, Estado do Amazonas. Brasília, FIPE/POLONOROESTE.

MENÉNDEZ, Miguel A. 1984/1985. “Contribuição ao estudo das relações tribais na Área Tapajós-Madeira”. Revista de Antropologia. v. 27-28: 271-286. https://www.jstor.org/stable/41618578

MENÉNDEZ, Miguel A. 1989. Os Tenharim. Uma contribuição ao estudo dos Tupi Centrais. São Paulo, Tese de doutorado, Universidade de São Paulo.

NIMUENDAJÚ, Curt. 1924. “Os indios Parintintin do rio Madeira”. Journal de la Socièté des Américanistes de Paris, v. 16: 201-278. DOI https://doi.org/10.3406/jsa.1924.3768.

NIMUENDAJÚ, Curt. 1963. “The Cawahib, Parintintin and their neighbors”. In: STEWARD, J. (org.). Handbook of South American Indians, v. 3: 283-297, New York: Cooper Square Publishers Inc, 1963.

PEGGION, Edmundo A. 1996a. Forma e Função. Uma Etnografia do sistema de parentesco Tenharim (Kagwahív-AM). Campinas, Dissertação de mestrado, Unicamp.

PEGGION, Edmundo A. 1996b. “Os Tenharim do rio Marmelos querem rever demarcação”. In: Carlos Alberto Ricardo (editor). Povos Indígenas no Brasil: 1991-1995. São Paulo: Instituto Socioambiental, pp. 373-374.

PEGGION, Edmundo A. 1998. “Os procedimentos na identificação de terras indígenas: relato de uma experiência”. Boletim da ABA, v. 29: 12-14.

PEGGION, Edmundo A. 2000. “Conflitos e demandas das Terras Indígenas do Médio Madeira”. In: RICARDO, Carlos Alberto (org.). Povos Indígenas no Brasil-1996/2000. São Paulo, Instituto Socioambiental, pp. 472-475.

PEGGION, Edmundo A. 2004. “Alianças e Facções. A organização política dos Kagwahiva da Amazônia”. Estúdios Latinoamericanos. Varsovia, Sociedad Polaca de Estúdios Latinoamericanos, v. 23: 109-119. DOI https://doi.org/10.36447/Estudios2003.v23.art6.

PEGGION, Edmundo A. 2011. Relações em perpétuo desequilíbrio. A organização dualista dos Kagwahiva da Amazônia. São Paulo, ISA/FAPESP/ANNABLUME.

PEGGION, Edmundo A. 2012. “O debate sobre o dualismo e algumas questões amazônicas”. In: HOFBAUER, Andreas; LEPINE, Lepine, SCHWARCZ, Lilia Moritz (Org.). Manuela Carneiro da Cunha: o lugar da cultura e o papel da antropologia. Rio de Janeiro, Azougue, pp. 173-186.

PEGGION, E. A. 2016. “Um histórico da organização social tupi-kagwahiva (Rondônia e sul do Amazonas, Brasil)”. Thule. Rivista italiana di studi americanistici, v. 38/39-40/41: 439-448.

PEGGION, Edmundo A. 2017. “Os povos Kagwahiva do sul do Amazonas: de multiplicidades a múltiplas unidades”. Comunicação apresentada no Seminário 25 anos de “História dos índios no Brasil”. CEstA/USP.

SÁEZ, Oscar Calávia. 2015. “O território, visto por outros olhos”. Revista de Antropologia, v. 58, n. 1: 258-284. DOI https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2015.102108.

SANTOS-GRANERO, Fernando. 2005. “Writing history into the landscape: Yanesha notions of space and territoriality”. In: SURRALLÉS, Alexandre & HIERRO, Pedro Garcia (org.). The land whithin. Indigenous territory and the perception of Environment. Copenhagen, IWGIA (International Work Group for Indigenous Affairs), pp. 170-198.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1990. “Princípios e Parâmetros: um comentário a L’Exercice de la parenté”. Comunicação do PPGAS 17. Rio de Janeiro: Museu Nacional.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002a. “O nativo relativo”. Mana, v. 8, n. 1: 113-148. DOI https://doi.org/10.1590/s0104-93132002000100005.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002b. “Atualização e contraefetuação do virtual: o processo do parentesco”. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo, Cosac Naify.

WAGNER, Roy, 2010. A invenção da cultura. São Paulo, Cosac Naify.

Depoimentos:

Ñagwea’i Jiahui & Irá Jiahui. 1999. Registros realizados durante o processo de regularização fundiária da Terra Indígena Jiahui. Aldeia Ju’i,Amazonas.

Publicado

2022-05-03

Como Citar

Peggion, E. A. (2022). Regularização fundiária e regimes de conhecimento: notas sobre o sul do estado do Amazonas (Brasil). Revista De Antropologia, 65(1), e192794. https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2022.192794

Edição

Seção

Artigos