O tempo do mutirão: sentidos e (re)arranjos de família e casa entre mutirantes em um bairro periférico de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2022.192798

Palavras-chave:

Casa, Família, Gênero, Movimentos de moradia, Sofrimento

Resumo

O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra Leste I é um movimento social de luta por moradia que historicamente, desde a década de 1980, obtém atendimento para famílias militantes via mutirão autogestionário. O aqui denominado ‘tempo do mutirão’ refere-se a uma marcação temporal por parte dos mutirantes do período de duração do mutirão, desde o alcance da pontuação necessária e a decisão em de fato integrar uma demanda específica, passando por todo o processo de obra e chegando à mudança para a nova casa. Este artigo discute as inter-relações entre os termos família e casa a partir de narrativas de mutirantes da Leste I, sobre seus (re)arranjos familiares e domésticos durante e depois do mutirão a fim de realizar algumas reflexões etnográficas sobre as relações entre Estado e movimentos de moradia no atendimento habitacional a essas famílias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Filadelfo, Universidade Federal do Piauí. Teresina, PI, Brasil

Carlos Filadelfo é Professor Adjunto do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPI. Possui graduação em Ciências Sociais pela UNICAMP, mestrado e doutorado em Antropologia Social pela USP e pós-doutorado em Antropologia pela UFPI. É coordenador do Grupo de Pesquisa em Antropologia e Política (GAP) da UFPI e pesquisador do Hybris (USP e UFSCAR) e do NuAP (UFRJ/MN).

Referências

ALMEIDA, Mauro. 1986. “Redescobrindo a família rural”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.1, n.1: 63-83.

CALDEIRA, Tereza P. R. 1984. A política dos outros. O cotidiano dos moradores da periferia e o que pensam do poder e dos poderosos. São Paulo: Editora Brasiliense.

CALDEIRA, Tereza P. R. 2000. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Edusp/Ed. 34.

CANELLA, Francisco. 2020. “Mulheres e luta por moradia Mudanças nas práticas associativas nas periferias de Florianópolis e Lisboa”. Cadernos do CEAS: Revista Crítica de Humanidades, vol. 45, n. 251: 658-674. DOI https://doi.org/10.25247/2447-861X.2020.n251.p658-674

CARSTEN, Janet (ed.). 2000. Cultures of relatedness. New approaches to the study of kinship. Cambridge: Cambridge University Press.

CARSTEN, Janet; HUGH-JONES, Stephen (orgs.). 1995. About the house. Lévi-Strauss and beyond. Cambridge: Cambridge University Press.

COMERFORD, John C. 2003. Como uma família: sociabilidade, territórios de parentesco e sindicalismo rural. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

FILADELFO, Carlos. 2015. A luta está no sangue: família, política e movimentos de moradia. São Paulo, Tese de doutorado, Universidade de São Paulo.

FILADELFO, Carlos. 2017. “Os sentidos de política na luta por moradia em São Paulo”. In: COMERFORD, John; BEZERRA, Marcos Otávio; PALMEIRA, Moacir (org.) Questões e dimensões da política. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, p. 125-140.

FONSECA, Claudia. 2000. Família, Fofoca e Honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Ed. Universidade/ UFRGS.

FONSECA, Claudia. 2006. Caminhos da adoção. São Paulo: Cortez.

FORTES, Meyer. 1974. “O ciclo do desenvolvimento do grupo doméstico”. Cadernos de Antropologia 6. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

FOUCAULT, Michel. 2005. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. 2008. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes.

GELL, Alfred. 1998. “Strathernograms, or, the semiotics of mixed metaphors”. In: The Art of Anthropology. Essays and Diagrams. London/New Brunswick: The Athlone Press, p. 29-75.

HERZFELD, Michael. 2008. Intimidade cultural: poética social no Estado-Nação. Lisboa, Portugal: Edições 70.

KOWARICK, Lúcio. 2000. Escritos urbanos. São Paulo: Editora 34.

LOERA, Nashieli Rangel. 2009. Tempo de acampamento. Campinas, Tese de doutorado, Universidade de Campinas.

MARCELIN, Louis H. 1996. A Invenção da Família Afro-Americana: família, parentesco e domesticidade entre os negros do Recôncavo da Bahia. Rio de Janeiro, Tese de Doutorado. Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PISCITELLI, Adriana. 2006. Jóias de família: gênero e parentesco em histórias sobre grupos empresariais brasileiros. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

ROLNIK, Raquel. 1997. A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Fapesp; Studio Nobel.

SCHNEIDER, David. 1984. A Critique of the study of kinship. Ann Arbor, University of Michigan Press.

STRATHERN, Marilyn. 1981. “Self-Interest and the Social Good: Some Implications of Hagen Gender Imagery”. In: ORTNER, Sherry; WHITEHEAD, Harriet (ed.). Sexual Meanings. The Cultural Construction of Gender and Sexuality. Cambridge: Cambridge University Press.

STRATHERN, Marilyn. 2006. O gênero da dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

VILLAÇA, Flávio. 1998. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Filadelfo, C. (2022). O tempo do mutirão: sentidos e (re)arranjos de família e casa entre mutirantes em um bairro periférico de São Paulo. Revista De Antropologia, 65(1), e192798. https://doi.org/10.11606/1678-9857.ra.2022.192798

Edição

Seção

Artigos