Agnatas, vizinhos e amigos: variantes da vicinalidade em África, Europa e América

Autores

  • João de Pina-Cabral Universidade de Kent

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.89107

Palavras-chave:

Vicinalidade, pessoa, amizade, parentesco, Moçambique, Bahia, Minho, comparativismo antropológico

Resumo

A categoria vicinalidade descreve a forma como a coabitação enquanto processo constitutivo de pessoas se prolonga temporalmente para momentos mais tardios do ciclo relacional através de formas de agregação que assentam sobre identidades continuadas – isto é, sobre a continuação em momentos posteriores da vida familiar das implicações de experiências de intersubjetividade constitutiva. O texto aborda comparativamente três contextos sociais. Em cada um deles, a preferência por formas específicas de descrever relações acaba por reduzir a pluralidade e complexidade negocial das relações entre pessoas apresentando-as como relações de um tipo particular, o que permite o entrosamento das relações domésticas em processos mais abrangentes de negociação política. Assim, no caso dos Chope de Moçambique, as relações vicinais apresentam-se como relações agnáticas; no Minho (Portugal), como casas de vizinhos no interior de comunidades territorialmente determinadas; na Bahia (Brasil), como relações de amizade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-12-19

Como Citar

de Pina-Cabral, J. (2014). Agnatas, vizinhos e amigos: variantes da vicinalidade em África, Europa e América. Revista De Antropologia, 57(2), 23-46. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.89107

Edição

Seção

Dossiê