Para além de terras altas e terras baixas: modelos e tipologias na etnologia sul-americana

Autores

  • Ricardo Cavalcanti-Schiel Universidade Estaudual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.89114

Palavras-chave:

Americanismo, modelos etnológicos, áreas culturais, Andes, Amazônia, história da antropologia

Resumo

Este artigo procura pôr em questão a forma e os recursos conceituais pelos quais a etnologia moderna buscou consagrar a divisão entre as terras altas e as terras baixas da América do Sul como domínios etnográficos diferentes por natureza. O que aqui se defende é que esta divisão é, antes de mais nada, sucedâneo de um modelo analítico. Uma mudança de modelo etnológico poderia, dessa forma, desembocar na dissolução de fronteiras presumidas como naturais. Entre Andes e Amazônia, por exemplo. Nesse sentido, procura-se aqui sugerir, sintética e preliminarmente, a partir de um caso etnográfico específico, uma aproximação interpretativa dos contextos etnográficos dessas duas regiões, por meio de uma perspectiva antagônica àquela que consagrou a “grande divisão” continental. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Cavalcanti-Schiel, Universidade Estaudual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas

Para além de terras altas e terras baixas: modelos e tipologias na etnologia sul-americana 

Downloads

Publicado

2014-12-19

Como Citar

Cavalcanti-Schiel, R. (2014). Para além de terras altas e terras baixas: modelos e tipologias na etnologia sul-americana. Revista De Antropologia, 57(2), 251-290. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2014.89114

Edição

Seção

Artigos