[1]
V. Oginio, “Criações de territórios quilombolas, uma analítica do alcance”, Rev. antropol., vol. 59, nº 1, p. 334-340, jun. 2016.