Companheiras em greve: o movimento paredista da União das Costureiras em junho de 1919

Autores

  • Beatriz Luedemann Campos Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2179-5487.v12i17p189595

Palavras-chave:

História Social do Trabalho, Movimento operário na Primeira República brasileira, Greves, Sindicatos, História das Mulheres

Resumo

O artigo reconstrói a história da Greve de Junho de 1919 realizada por mulheres operárias (costureiras, bordadeiras e chapeleiras) que trabalhavam em ateliês de moda e oficinas de costura no Rio de Janeiro. Organizadas no sindicato União das Costureiras e Classes Anexas, elas lutaram por melhores condições de trabalho, aumento salarial, jornada de oito horas, entre outras pautas próprias da categoria. A metodologia de pesquisa envolveu o uso de fontes históricas de grande imprensa, imprensa operária, entrevistas e história oral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Luedemann Campos, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

Bacharel em História pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Referências

“A concretização de uma ideia grandiosa. Foi definitiva e solenemente fundada a Federação dos Trabalhadores Marítimos e Anexos”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 11 out. 1920, p. 2.

“A grande realização. As resoluções do 3º Congresso”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 1º maio 1920, p. 2.

“A greve das costureiras”. A Época, Rio de Janeiro, 18 jun. 1919. A agitação operária, p. 3.

“A greve das costureiras”. A Razão, Rio de Janeiro, 18 jun. 1919, p. 3.

“A instalação do 3º Congresso Operário Brasileiro.” Voz do Povo, Rio de Janeiro, 26 abr. 1920, p. 1.

“A polícia proibiu a realização do Congresso Comunista Anarquista.” O País, Rio de Janeiro, 23 jun. 1919. Casos de polícia: o momento operário, p. 4.

“As costureiras agem”. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 28 jun. 1919. O movimento grevista nesta capital, p. 3.

“As costureiras arregimentam-se”. A Noite, Rio de Janeiro, 26 maio 1919. As reivindicações operarias, p. 4.

“As costureiras em greve. As primeiras vitórias do movimento”. A Razão, Rio de Janeiro, 19 jun. 1919, p. 1.

“As costureiras em greve. Cresce o entusiasmo da classe”. A Razão, Rio de Janeiro, 22 jun. 1919, p. 2.

“As costureiras organizam-se. Uma grande assembleia na União dos Alfaiates. Foi criada a sua associação de classe”. A Razão, Rio de Janeiro, 19 maio 1919, p. 4.

“As costureiras reúnem-se”. O Imparcial, Rio de Janeiro, 15 jun. 1919. A agitação do operariado, p. 4.

“As criadoras do luxo. Chapeleiras e costureiras”. O Jornal, Maranhão, 30 jun. 1922, p. 2.

“A sessão inaugural do Sindicato dos Taifeiros, Culinários e Panificadores Marítimos”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 26 nov. 1920, p. 2.

“A União das Costureiras a educação da classe operária feminina”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 jul. 1921. Pela instrução, p. 9.

“A União das Costureiras e Classes Anexas vai comemorar, amanhã, o seu primeiro aniversário”. A Noite, Rio de Janeiro, 17 maio 1920, p. 2.

BATALHA, C. O movimento operário na Primeira República. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

BIONDI, L. Classe e nação: trabalhadores socialistas italianos em São Paulo, 1890-1920. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

BIONDI, L.; TOLEDO, E. Uma revolta urbana: a Greve Geral de 1917 em São Paulo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2018.

CAMPOS, B. L. “Avante, companheiras!”: as lutas sindicais das operárias do Rio de Janeiro na União das Costureiras a partir da trajetória de Elvira Boni. Monografia (Graduação) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2021.

“Ecos operários”. O Brasil, Rio de Janeiro, 18 abr. 1922. Vida proletária, p. 5.

“Federação dos Trabalhadores do Rio de Janeiro.” Voz do Povo, Rio de Janeiro, 21 abr. 1920. A vida dos trabalhadores, p. 3.

“Foi dissolvida a União das Costureiras”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 23 maio 1922, p. 13.

FRACCARO, G. “Mulheres, sindicato e organização política nas greves de 1917 em São Paulo”. Revista Brasileira de História, v. 37, n. 76, p. 73-90, 2009.

FRACCARO, G. Os direitos das mulheres: feminismo e trabalho no Brasil (1917-1937). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2018.

GOMES, A. C. Velhos militantes: depoimentos. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

GOMES, F.; NEGRO, A. L. “As greves antes da grève: as paralisações do trabalho feitas por escravos no século XIX”. Ciência e Cultura, v. 65, p. 56-59, 2013.

“Grupo Feminino de Estudos Sociais. Um manifesto à mulher brasileira”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 7 fev. 1920, p. 1.

LACERDA, E. B. “Elvira Boni: anarquismo em família”. GOMES, A. C. Velhos militantes: depoimentos. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

“Liga Comunista Feminina”. Spartacus, Rio de Janeiro, 9 ago. 1919, p. 2.

“Liga Feminista Brasileira”. A Razão, Rio de Janeiro, 22 maio 1919, p. 6.

MONIZ BANDEIRA, L. A. O ano vermelho: a Revolução Russa e seus reflexos no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

MONTELEONE, J. M. “Costureiras, mucamas, lavadeiras e vendedoras: o trabalho feminino no século XIX e o cuidado com as roupas (Rio de Janeiro, 1850-1920)”. Revista Estudos Feministas, v. 27, n. 1, 2019.

“Na “moda elegante”. A camarada Elvira Boni vítima da prepotência e da estupidez dum espertalhão”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 12 jun. 1920, p. 2.

NASCIMENTO, A. P. “Trabalhadores negros e o ‘paradigma da ausência’: contribuições à História Social do Trabalho no Brasil”. Estudos Históricos, v. 29, n. 59, p. 607‑626, 2016.

“Na União das Costureiras. A conferência de ontem do dr. Maurício de Lacerda.” Voz do Povo, Rio de Janeiro, 28 jun. 1920, p. 1.

“O manifesto da União das Costureiras”. A Razão, Rio de Janeiro, 24 maio 1919. Movimento operário à noite, p. 5.

“O movimento paredista. Na fábrica do Domingues. Mais uma do delegado Severo Bonfim”. A Rua, Rio de Janeiro, 26 jun. 1919, p. 2.

“O povo reclama”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 26 abr. 1920. Vida dos trabalhadores, p. 3.

“Parece vencedora a causa das costureiras”. O País, Rio de Janeiro, 19 jun. 1919. Casos de polícia: a greve, p. 6.

“Pela instrução da classe operária feminina. Ao público em geral”. A Razão, Rio de Janeiro, 21 jul. 1921. Pelo mundo operário, p. 6.

RAGO, M. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar: Brasil (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

REIS, J. J. Ganhadores: a Greve Negra de 1857 na Bahia. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

“Reunião das costureiras. A União das Costureiras. Hoje vai ser enviada a tabela aos patrões”. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 14 jun. 1919.

SCHNEIDER, G. (Org.) A revolução das mulheres: emancipação feminina na Rússia soviética. São Paulo: Boitempo, 2017.

SILVA, M. A. G. Rompendo o silêncio: mulheres operárias em Pelotas e Rio Grande (1890- 1920). Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1998.

SODRÉ, N. W. História da imprensa no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

SOUZA, F. A. “As cigarreiras revoltosas e o movimento operário: história da primeira greve feminina do Recife e as representações das mulheres operárias na imprensa”. Cadernos Pagu, n. 55, 2019.

SOUZA-LOBO, E. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2021.

TOLEDO, E. Anarquismo e sindicalismo revolucionário: trabalhadores e militantes na Primeira República. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

“Uma bela iniciativa”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 7 mar. 1920, p. 2.

“Uma greve de saias… A greve continua”. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 27 jun. 1919, p. 4.

“Uma greve de saias… A polícia prende uma grevista”. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 26 jun. 1919, p. 2.

“Uma greve de saias… As costureiras agitam-se e querem reivindicações. O dia de ontem no movimento grevista”. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 18 jun. 1919, p. 3.

“Uma greve de saias… Uma sessão agitada. O que ficou ontem resolvido”. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 22 jun. 1919, p. 3.

“Uma padaria dinamitada. O número de costureiras grevistas aumenta consideravelmente”. O País, Rio de Janeiro, 18 jun. 1919. Casos de polícia: a greve, p. 6.

“Um manifesto dos operários”. O Imparcial, Rio de Janeiro, 24 maio 1919. A agitação operaria, p. 3.

“União das Costureiras – A classe se reorganiza.” Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 11 mar. 1921. O operariado, p. 8.

“União das Costureiras”. A Época, Rio de Janeiro, 19 jun. 1919. A agitação operária: a greve das costureiras prossegue, p. 2.

“União das Costureiras”. A Razão, Rio de Janeiro, 16 jun. 1919. Movimento operário: manifestos, p. 6.

“União das Costureiras e Artes Anexas. Assembleia realizada”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 4 set. 1920. Vida associativa dos trabalhadores, p. 3.

“União das Costureiras e Classes Anexas”. Conferência pelo dr. Maurício de Lacerda. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 27 jun. 1920, p. 2.

“União das Costureiras e Classes Anexas”. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 2 jul. 1919. Gazeta Operária, p. 4.

“União das Costureiras e Classes Anexas.” Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 28 jan. 1922. O operariado, p. 14.

“União das Costureiras e Classes Anexas”. Voz do Povo, Rio de Janeiro, 12 out. 1920. Vida associativa dos trabalhadores, p. 3.

“União das Costureiras e Classes Anexas.” Voz do Povo, Rio de Janeiro, 6 nov. 1920. Última hora: vida associativa dos trabalhadores, p. 2.

“União dos O. C. Civil. Sessão solene.” Voz do Povo, 6 abr. 1920. Vida dos trabalhadores, p. 3.

“Vencerão! Devem vencer…! A greve das costureiras desperta entusiasmo em todas as classes. Aspecto do movimento. Uma violência deprimente. A União das Costureiras”. A Razão, Rio de Janeiro, 18 jun. 1919, p. 1.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Campos, B. L. (2021). Companheiras em greve: o movimento paredista da União das Costureiras em junho de 1919. Revista Angelus Novus, 12(17), 189595. https://doi.org/10.11606/issn.2179-5487.v12i17p189595

Edição

Seção

Dossiê: História, Gênero & Sexualidade