Revista Angelus Novus https://www.revistas.usp.br/ran <p>Publicação dos Pós-Graduandos em História Econômica &amp; História Social da Universidade de São Paulo (USP)</p> pt-BR <h4>1. Proposta de Política para Periódicos de Acesso Livre</h4><br /> Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:<br /><br /><ol type="a"><ol type="a"><li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Creative Commons Attribution License</a> que permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria do trabalho e publicação inicial nesta revista.</li></ol></ol><br /><ol type="a"><ol type="a"><li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li></ol></ol><br /><ol type="a"><li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja <a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</li></ol> rangelusnovus@gmail.com (Revista Angelus Novus (RAN)) atendimento@aguia.usp.br (Agência USP de Gestão de Informação Acadêmica (AGUIA)) Ter, 15 Fev 2022 09:35:09 -0300 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Sem memória, sem democracia: perspectivas sobre a ascensão fascista no Brasil neoliberal https://www.revistas.usp.br/ran/article/view/188820 <p>O presente artigo tem como escopo problematizar a ausência de memória social do passado autoritário e sua relação com o avanço do fascismo na sociedade brasileira no contexto contemporâneo. Tal esforço, consistente em um ensaio de caráter teórico e historiográfico, foi procedido mediante revisão de bibliografia sobre os temas pertinentes e os resultados da investigação estão estruturados em três tópicos, nos quais são analisados, respectivamente, o fascismo além de seu formato histórico, sua compatibilidade com neoliberalismo e o papel desempenhado pela ausência de memória do passado ditatorial no processo de intensificação das pulsões antidemocráticas.</p> Felipe Lazzari da Silveira Copyright (c) 2022 Felipe Lazzari da Silveira http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.usp.br/ran/article/view/188820 Qua, 16 Mar 2022 00:00:00 -0300 O marxismo e a questão penal: entre o realismo de esquerda e os abolicionismos penais https://www.revistas.usp.br/ran/article/view/188932 <p lang="pt-BR" style="line-height: 120%; orphans: 2; widows: 2; margin-left: 0.5cm; margin-right: 0.5cm; text-indent: 0cm; margin-bottom: 0.3cm;"><span style="font-family: EB Garamond 12;"><span style="font-size: small;">Com o objetivo de apontar alguns caminhos possíveis para a análise marxista da questão penal, o trabalho se debruça sobre as contribuições de duas vertentes comumente contrapostas: o realismo criminológico de esquerda, de autores como Jock Young e Roger Matthews, e os abolicionismos penais, de autores como Thomas Mathiesen e Angela Davis. Para tanto, realiza uma revisão bibliográfica com o fim de expor as principais teses de cada abordagem, relacionando-as às contribuições pertinentes elaboradas pela teoria social marxista. Posteriormente, busca delinear as contribuições que cada uma das perspectivas trouxe para o modo como a teoria marxista compreende os fenômenos envolvendo a punição e a questão penal. Do realismo criminológico de esquerda, destaca-se a contribuição para o destaque da importância que a ideologia possui na sustentação do sistema penal. Dos abolicionismos penais, são ressaltados a abordagem profundamente histórica do problema e o modo como deriva um programa político voltado para a atuação prática de suas análises. Por fim, o trabalho faz um breve apontamento sobre a ausência da crítica marxista.</span></span></p> Gustavo Carneiro da Silva Copyright (c) 2022 Gustavo Carneiro da Silva http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://www.revistas.usp.br/ran/article/view/188932 Sex, 29 Abr 2022 00:00:00 -0300