Poesia e história em Walter Benjamin: do poetificado ao poema como mônada

Autores

  • Rafael Zacca Fernandes Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p14-31

Palavras-chave:

Walter Benjamin, Charles Baudelaire, Filosofia da história, Filosofia da arte, Modernidade

Resumo

O presente artigo pretende fornecer uma leitura de dois conceitos que estão em textos da juventude e da maturidade de Walter Benjamin e que permitem estabelecer uma relação produtiva de análise de poemas e de períodos históricos, a saber: o de “poetificado” [das Gedichtete], tal como aparece no texto sobre Friedrich Hölderlin, na primeira metade da década de 1910; e o de “mônada”, segundo a sua reformulação na fase materialista, contemporâneo à escrita do ensaio sobre Charles Baudelaire, no final da década de 1930. A hipótese sustentada aqui é que a legibilidade de uma continuidade entre os dois conceitos é possível a partir de um terceiro conceito, não descrito pelo próprio Benjamin, mas dedutível de seu trabalho, que poderíamos nomear como “inconsciente poético”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Zacca Fernandes, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professor do departamento de filosofia da PUC-Rio

Referências

ADORNO, Theodor W. Prismas. Trad. Augustin Wernet e Jorge Mattos Brito de Almeida. São Paulo: Editora Ática, 1998.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Lisboa: Relógio D’Água, 1991.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Obras escolhidas. V. 3. Trad. José Carlos Martins Barbosa; Hemerson Alves Batista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem. São Paulo: Duas Cidades; ed. 34, 2011.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. V. 1. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012.

BENJAMIN, Walter. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. Trad. Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 2011

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Trad. Irene Aron e Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

BAUDELAIRE, Charles. Poesia e prosa. Volume único. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

BAUDELAIRE, Charles. “Les Fleurs du Mal”. In: Oeuvres complètes. Paris: Gallimard, 1975.

BUCK-MORSS, Susan. “Estética e anestética: o ensaio sobre a obra de arte de Walter Benjamin”. Trad. Rafael Lopes Azize. Travessia: revista de literatura, n. 33. Florianópolis: EdUFSC, ago-dez 1996. p. 11-41.

CRARY, Jonathan. Técnicas do observador. Trad. Verrah Chamma. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

DANOWSKI, Deborah. “Leibniz e as voltas do tempo”. In: dois pontos, v. 2, n. 1, Curitiba, São Carlos, out., 2005. p. 101-122.

Downloads

Publicado

2021-12-01

Como Citar

Fernandes, R. Z. . (2021). Poesia e história em Walter Benjamin: do poetificado ao poema como mônada. Rapsódia, (15), 14-31. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p14-31

Edição

Seção

Artigos