Da literatura indianista à literatura indígena: sobre a imagem, o lugar e o protagonismo indígena em termos de constituição da identidade cultural brasileira

Autores

  • Leno Francisco Danner Universidade Federal de Rondônia
  • Julie Dorrico Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Fernando Danner Universidade Federal de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p84-119

Palavras-chave:

Indianismo, Indígena, Identidade Nacional, Ativismo, Politização

Resumo

Tematizamos a imagem, o lugar e o protagonismo do/a indígena na formação da cultura e da identidade nacionais a partir de uma contraposição entre a literatura indianista, em que o colonizador, o modelo antropológico do europeu branco e cristão, fala sobre o/a indígena, e a literatura indígena contemporânea, em que o/a próprio/a indígena fala de si mesmo/a e por si mesmo/a, a partir de suas experiências e histórias como minoria político-cultural produzida pela colonização e sustentada em termos de modernização conservadora. O que impressiona nessa discussão é exatamente o fato de que o/a indígena como antítese da civilização e como massa amorfa a ser moldada para a consecução do novo mundo justifica tanto a colonização quanto o processo contemporâneo de modernização conservadora, servindo de objeto para a legitimação de processos institucionais, de sujeitos sociopolíticos e de projetos de desenvolvimento que implicam na aniquilação do/a indígena como indígena. Em tudo isso, o mito da fusão racial, apresentado pela literatura indianista, é a grande base normativa de nossa modernização conservadora, pois, ao gerar o híbrido brasileiro como mistura e amálgama indiferenciados de todas as raças em um novo ser, que é e tem tudo de todos, apaga as fronteiras entre dominadores e dominados e, com isso, resolve de modo apolítico a história de violência da colonização, formando a grande família Brasil que, daqui para diante, não precisará mais da política, mas apenas da ordem autoritária e da obediência cega, para resolver seus problemas de família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leno Francisco Danner, Universidade Federal de Rondônia

Professor no departamento de filosofia.

Julie Dorrico, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Teoria Literária.

Fernando Danner, Universidade Federal de Rondônia

Professor no departamento de filosofia.

Referências

ALENCAR, José de. O guarani. 2 ed. Barueri, SP: Ciranda Cultural, 2017 [1857].

ALENCAR, José de. Iracema. Porto Alegre: L&PM, 2017 [1865].

ALENCAR, José de. Ubirajara. Paris: Imp. Paul Dupont (Cl.), 1926 [1874].

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 51 ed. São Paulo: Cultrix, 2017.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. 1ª ed. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

GAMBINI, Roberto. Espelho índio: a formação da alma brasileira. Coordenação Mary Lou Paris, Caio Kulgemas. São Paulo: Axis Mundi: Terceiro Nome, 2000.

GANDAVO, Pero de Magalhães. Tratado da Terra do Brasil; História da Província de Santa Cruz. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1980 [1826]).

JECUPÉ, Kaká Werá. Oré awé roiru’a ma: Todas as vezes que dissemos adeus: Whenever we said goodbye. Fotos Adriano Gambarini, 2ª ed. rev. e com novas fotos. São Paulo: TRIOM, 2002.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Encontros. Organização de Sérgio Cohn. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2015.

MUNDURUKU, Daniel. Histórias de índio. Ilustrações Laurabeatriz. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2016.

MUNDURUKU, Daniel. Coisas de índio: versão infantil. 2.ed. São Paulo: Callis Ed., 2010.

MUNDURUKU, Daniel. Ensaios poéticos de Daniel Munduruku. 2. Ed. Lorena: DM Projetos Especiais, 2019.

OLIVIERI-GODET, Rita. A alteridade ameríndia na ficção contemporânea das Américas: Brasil, Argentina, Quebec. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2013.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. Lorena: UK’A Editorial, 2018.

POTIGUARA, Eliane. Metade cara, metade máscara. São Paulo: Global, 2004.

ROSA, Francys Mary Soares Correia da. “Representações do indígena na literatura brasileira”. In: DORRICO, Julie; DANNER, Leno Francisco; CORREIA, Heloisa Helena Siqueira; DANNER, Fernando. Literatura indígena brasileira contemporânea: criação, crítica e recepção. Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2018. p. 257-293.

SÁ, Lúcia. Literaturas da floresta: textos amazônicos e cultura latino-americana. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil: Primeiros registros sobre o Brasil. Tradução Angel Bojadsen; introdução Eduardo Bueno. Porto Alegre, RS: L&PM, 2017.

TABAJARA, Auritha. Coração na aldeia, pés no mundo. Xilografias de Regina Drozina. 1ª ed. Lorena, SP: UK’A Editorial, 2018.

TREECE, Dave. Exilados, aliados, rebeldes: o movimento indianista, a política indigenista e o Estado-nação imperial. São Paulo: Nankin: Edusp, 2008.

WERÁ, Kaká. Kaká Werá. Coordenação de Sergio Cohn e de Idjahure Kadiwel. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2017 (Coleção Tembetá).

Downloads

Publicado

2021-12-01

Como Citar

Danner, L. F., Dorrico, J., & Danner, F. (2021). Da literatura indianista à literatura indígena: sobre a imagem, o lugar e o protagonismo indígena em termos de constituição da identidade cultural brasileira. Rapsódia, (15), 84-119. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p84-119

Edição

Seção

Artigos