Filosofia e beleza muntu-angolana

Autores

  • Patrício Batsîkama Centro de Estudos e Investigação Aplicada. Instituto Superior Politécnico

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p120-149

Palavras-chave:

Filosofia, Muntu-angolano, Arte

Resumo

A discussão estética em torno da dinâmica da produção artística entre a arte clássica (tida como arte tradicional pelos etnólogos coloniais) e a arte contemporânea produzida por africanos (patentes nas galerias da arte) tem sido tímida. Três razões são levantadas. A primeira é a falta de estudos para sua sistematização e classificação. A segunda tem a ver com a polémica a volta da filosofia africana. A terceira versa-se na ausência de pesquisadores nas arenas internacionais para discutir a questão. Depois de ter discutido essa possibilidade no Congresso Mundial de Filosofia (Universidade Nacional de Seul, 2008) e no Congresso Internacional da Estética (Université de Beijing, 2013), expomos o presente artigo, escolhemos a discussão sobre filosofia e beleza na arte clássica em África, optando num discurso estético que poderá servir também para arte contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrício Batsîkama, Centro de Estudos e Investigação Aplicada. Instituto Superior Politécnico

Diretor do CEICA-ISPT.

Referências

ALVES, A. Dicionário etimológico bundo-português, Lisboa: Centro Tipogr. Colonial, 1951.

APPIAH, K. In my father’s house. Nova York: Oxford University Press, 1992.

BARBOSA, A. Dicionário cokwe-português. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1989.

BATSÎKAMA, P. Mbôngi’a ñgîndu. Escola das Ciências políticas no antigo Kôngo. Luanda: Mayamba, 2019.

BAYER, R. História da estética. Lisboa: Edições Estampa, 1995.

BENVENISTE, E. Les vocabulaires des institutions indo-européenes. Paris: Seuil, 1975.

BIDIMA, J-G. Théorie critique et modernité négro-africaine: de l’École de Francfort à la “Docta spes africana”, Philosophie. Paris : Publications de la Sorbonne, 1993.

BIGONGIARI, D. (ed.). The Political Ideas of St. Thomas Aquinas. Nova York : Hafner, 1963.

COENE, A. Kikôngo notions gramaticales: vocabulaires français-kikôngo-néerlandais-latin. Mission Catholique Tumba, 1960.

COSTA & al. Dicionário de língua portuguesa. Porto: Porto Editora, 1998.

CROS, E. Le Sujet Culturel: sociocritique et psychanalyse. Paris/Torino/Budapest : L’Harmattan, 2005.

CUVELIER, J. Ñkutama mvilza za makanda mu nsi’a Kôngo. Tumba: Diocèse de Matadi, 1934.

DEWEY, J. Art as experience. Nova York: Perigee Trade, 2005.

DICKIE, G. “What is art?”. In: AAGAARD-MOGENSEN, L. (ed.). Culture and art. Atlantic Highlands, N. J.: Humanities Press, 1976.

DIDEROT, D. Oeuvres complètes, Tomes V-VIII. Paris: Herman, 1976.

ESTERMANN, E. Etnografia do sudoeste de Angola. I. Os povos não-bantos e o grupo étnico dos ambos. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1956.

EWING, A.C. As questões fundamentais da filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

FOUCAULT, M. Cours au Collège de France. Paris, 2006.

GUENNEC, G.; VALENTE, J.F. Dicionário umbundu-português. Luanda: Instituto de Investigação Científica de Angola, 1972.

GYEKYE, K. African philosophical thought. Cambridge: CUP, 1987.

HEGENBER, L. Dicionário de lógica. São Paulo: E.P.U., 1995.

HOLANDA, F. Diálogos de Roma. Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

HOUNTONDJI, P. Sur la philosophie africaine. Paris : Maspero, 1976.

KAGAME, A. La philosophie bantou-rwandaise de l’être. Bruxelas: ARSOM, 1956.

LAMAN, K.E. Dictionaire likongo-français. Bruxelas: I.R.C.B., 1936.

MILLET, L. La métaphysique. Paris : PUF, 1996.

MUDIMBE, V. Y. The invention of Africa: gnosis, philosophy, and the order of knowledge. Bloomington: Indiana University Press, 1988.

NIETZSCHE, F. A filosofia na época trágica dos gregos. Lisboa: Edições 70, 2006.

PLATON. Oeuvres complètes. Paris: Flammarion, 2005.

SALMON, W. C. Lógica. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2010.

SCHOPENHAUER, A. Sobre a vontade na natureza. Porto Alegre: L&PM, 2013.

SILVA, A.J. Dicionário nhaneca-português. Lisboa: Junta de Investigações Científicas de Angola, 1966.

TEMPELS, P. La philosophie bantu. Paris: Présence Africaine, 1948.

THOMPSON, R. F. Flash of the spirit: arte e filosofia africana e afro-americana. São Paulo: Museu Afro Brasil, 2011.

TOWA, M. Essai sur la problmématique philosophique dans l’Afrique actuelle. Yaoundé: CLE, 1971.

VAZ, J. M. Filosofia tradicional dos Cabindas através dos seus cestos de panelas: provérbios, advinhas, fábulas I. Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1959.

Downloads

Publicado

2021-12-01

Como Citar

Batsîkama, P. (2021). Filosofia e beleza muntu-angolana. Rapsódia, (15), 120-149. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p120-149

Edição

Seção

Artigos