Apropriação da cidade enquanto experiência cenográfica e embate contra a ditadura militar: Na selva das cidades (Teatro Oficina e Lina Bo Bardi, 1969)

Autores

  • Patricia Morales Bertucci Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p150-163

Palavras-chave:

Experiência cenográfica, Espaço simbólico, Transformação urbana, Apropriação da cidade, Ditadura Militar

Resumo

O grupo do Teatro Oficina foi bastante afetado pela construção do complexo viário da Ligação Leste-Oeste, localizado na Rua Jaceguai, no bairro do Bixiga, em São Paulo. O grupo resistiu a essa violenta transformação urbana que rasgou o bairro e se opôs às demolições e desapropriações promovidas pelo Estado com a encenação da peça Na selva das cidades (1969), em uma época em que os poucos que se colocavam contra a ditadura sofreram sérias consequências. Tendo em vista tal contexto de intensificação dos conflitos sociais e políticos na cidade, discorro neste artigo sobre a experiência cênica do espetáculo teatral que se apropriou dos escombros do bairro do Bixiga e desviou a produção simbólica do espaço da cidade, a contrapelo da ditadura militar que implantava seu o plano de transformação urbana e ideológica autoritária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Morales Bertucci, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes

Doutora em Artes Cênicas.

Referências

ARAÚJO, Antonio. Ações disruptivas no espaço urbano. ABRACE Digital [online], p. 1-6, 2011.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BRECHT, Bertolt. Teatro completo em 12 volumes. v. 2. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FAVARETTO, Celso Fernando. A Invenção de Hélio Oiticica. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

FISCHER-LICHTE, Erika. The show and the gaze of the theatre. Iowa City: Iowa University Press, 1997.

FISCHER-LICHTE, Erika. The transformative power of performance: a new aesthetics. Nova York: Routledge, 2008.

FISCHER LICHTE, Erika; BONFITO, Matteo. “Entrevista com Erika Fischer Lichte”. In: Conceição/Conception. Campinas, SP, v. 2, n. 1, p. 131-141, jan./jun. 2013.

HORKHEIMER, M. Eclipse da razão. Rio de Janeiro: Ed. Labor, 1976.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2011.

JAMESON, Fredric. “‘End of Art’ or ‘end of History’”. In: The cultural turn: selected writings on the postmodern 1983-1998. Londres /Nova York: Verso, 1998.

KOUDELA, Ingrid. Brecht: um jogo de aprendizagem. São Paulo: Perspectiva, 1991.

MOSTAÇO, Edélcio. Na selva (antropofágica) das cidades. Comunicação apresentada no Simpósio Nacional De História ANPUH – XXV, Fortaleza, 2009.

PENIDO, Gandara. As promessas do Oficina. Revista Veja. São Paulo: Abril, n. 172, 22 dez. 1971.

PECORELLI FILHO, Biagio. A pulsão performativa de Jaceguai: aproximações e distanciamentos entre o campo artístico da performance e a prática cênica do Teat(r)o Oficina nos espetáculos Macumba Antropófaga e Acordes.: São Paulo, 2014 [Dissertação de Mestrado defendida na Universidade de São Paulo].

OITICICA, Hélio. “Brasil Diarreia”. In: Arte brasileira contemporânea. Caderno de Textos 1: O Moderno e o Contemporâneo (o novo e o outro novo). Rio de Janeiro: Funarte, 1980, pp. 26-27.

SCHECHNER, Richard. Environmental Theatre: an expanded new edition. Nova York: Applause, 1973.

WISNIK, Guilherme. Dentro do nevoeiro: diálogos cruzados entre arte e arquitetura contemporânea. São Paulo, 2012 [Tese de Doutorado defendida na Universidade de São Paulo].

Downloads

Publicado

2021-12-01

Como Citar

Bertucci, P. M. (2021). Apropriação da cidade enquanto experiência cenográfica e embate contra a ditadura militar: Na selva das cidades (Teatro Oficina e Lina Bo Bardi, 1969). Rapsódia, (15), 150-163. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9772.i15p150-163

Edição

Seção

Artigos