Inovatividade organizacional e seus antecedentes: um estudo aplicado às tecnologias para pecuária

Autores

  • Eneida Bezerra Soares Ribeiro Centro Brasileiro de Estudos Sistêmicos
  • José Carlos Korelo Universidade Federal do Paraná
  • Danielle Mantovani Lucena da Silva Universidade Federal do Paraná; Centro de Pós-Graduação em Administração
  • Paulo Henrique Muller Prado Universidade Federal do Paraná; Centro de Pós-Graduação em Administração

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0080-21072011000400003

Palavras-chave:

inovatividade organizacional, percepção da inovação, redes sociais, psicografia organizacional

Resumo

Neste estudo, propõe-se um modelo para explicar a inovatividade dos pecuaristas de gado de corte sob a perspectiva organizacional. Segundo a teoria de difusão de inovações, a inovatividade organizacional é caracterizada como o grau em que uma organização inova relativamente mais cedo do que as demais. Para avaliar a inovatividade, quatro antecedentes foram considerados, sendo: as características percebidas da inovação compostas por vantagem relativa, compatibilidade, imagem, demonstração de resultado, visibilidade, experimentabilidade, voluntariedade e facilidade de uso; a participação dos pecuaristas em redes sociais, caracterizadas como redes de relacionamentos entre pares; as fontes de informação comercial, caracterizadas como informações obtidas por meio dos relacionamentos para reduzir os riscos; a psicografia organizacional, composta por direção, centralidade da decisão, abertura de comunicação e motivação para a conquista. Os quatro construtos possuem uma relação positiva com a inovatividade organizacional. Com amostragem não probabilística por conveniência, foram obtidos 205 questionários válidos. Na análise de componentes múltiplos, observou-se que o perfil dos respondentes se mostrou distinto quanto à inovatividade. Essa distinção motivou a geração de uma taxonomia com base no perfil de adoção de tecnologias com o objetivo de identificar as diferenças no comportamento inovativo, o que resultou em três grupos. Assim, três modelos foram analisados e comparados por meio da modelagem de equações estruturais, utilizando-se o método Partial Least Square (PLS). Os resultados mostraram que o grupo dos menos inovadores pauta suas decisões de adoção de novas tecnologias pelas redes sociais, pela compatibilidade da tecnologia com suas atividades organizacionais e pela imagem que ela tem perante os demais pecuaristas. Os intermediários têm uma psicografia organizacional voltada para a inovatividade, porém a adoção de novas tecnologias parece estar mais relacionada às imposições de mercado do que propriamente à percepção de suas características inovadoras. Os mais inovadores, como formadores de opinião, possuem uma inovatividade organizacional construída a partir de fontes de informação comerciais e avaliam o custo da tecnologia como um investimento positivo para o futuro de seu negócio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-12-01

Como Citar

Ribeiro, E. B. S., Korelo, J. C., Silva, D. M. L. da, & Prado, P. H. M. (2011). Inovatividade organizacional e seus antecedentes: um estudo aplicado às tecnologias para pecuária. Revista De Administração, 46(4), 342-357. https://doi.org/10.1590/S0080-21072011000400003

Edição

Seção

Tecnologia de Informação