Efeito do treinamento com medicine balls na velocidade da bola do polo aquático

Autores

  • Querim Goulart Zanette Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil
  • Guilherme Tucher Instituto Superior de Educação do Município de Itaperuna, Itaperuna, RJ, Brasil
  • Marcos Franken Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil
  • Camila Dias de Castro Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil
  • Flávio Antônio de Souza Castro Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.11606/1807-5509201900030487

Palavras-chave:

Adaptação ao Treinamento, Treinamento de Força Muscular, Desempenho Esportivo, Carga de Treinamento

Resumo

O objetivo deste estudo foi verificar o efeito do treinamento da força muscular na velocidade da bola em arremesso a gol realizado por jogadores de polo aquático. Participaram 23 jogadores de polo aquático do sexo masculino divididos aleatoriamente em grupos experimental (GE, n = 13) e controle (GC, n = 10). Foi realizada a mensuração da velocidade da bola nos arremessos de pênalti com um radar pré- e pós-treinamento
de seis semanas. GE e GC executaram o mesmo treinamento de polo aquático na água, cabendo somente ao GE o treinamento da força muscular fora da água por meio da simulação de arremessos com medicine balls de 1,0 e 1,5 kg. Os resultados indicaram incremento significativo (p < 0,05) na velocidade da bola após arremesso de pênalti apenas no GE (15,6 ± 1,8 m.s-1 para 16,3 ± 1,5 m.s-1). O treinamento da força muscular por meio do arremesso fora da água com medicine balls mais pesadas que a bola utilizada no jogo de polo aquático mostrou-se capaz de incrementar a sua velocidade após arremesso a gol realizado na distância do pênalti.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-06-01

Como Citar

Zanette, Q. G., Tucher, G., Franken, M., Castro, C. D. de, & Castro, F. A. de S. (2019). Efeito do treinamento com medicine balls na velocidade da bola do polo aquático. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 33(3), 487-494. https://doi.org/10.11606/1807-5509201900030487

Edição

Seção

Artigos