A classificação como torcedores e as suas formas de conexão com o esporte, em jogos da seleção brasileira de rugby

Autores

  • Luis Henrique Torquato Vanucci Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, SP, Brasil.
  • Camila Rezende Dantas Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, SP, Brasil.
  • Lilian Perrenoud Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, SP, Brasil.
  • Bernadete de Lourdes Marinho Grandolpho Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária, São Paulo, SP, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-8162-439X
  • Ary José Rocco Júnior Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte, São Paulo, SP, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2022e36172706

Palavras-chave:

Comportamento do consumidor, Esportes, Rugby, Consumidor esportivo

Resumo

Com o objetivo de classificar os Torcedores/Consumidores (TCs) que assistiram aos jogos da seleção brasileira de rugby e identificar qual é o ponto de conexão que liga esses TCs ao esporte, utilizou-se nesta pesquisa, respectivamente, a “Escada de Envolvimento do Torcedor” (EET) e os “conectores” que ligam o torcedor ao esporte. A pesquisa teve abordagem quantitativa, com método Survey, tendo como amostra os 198 torcedores que assistiram a 2 jogos da seleção brasileira de rugby. O questionário utilizado como instrumento desta pesquisa foi construído por meio de uma matriz de amarração entre a EET (fanáticos, conhecedores, agregados, colecionadores, gastadores, curiosos e indiferentes) e os conectores (astro, local, moeda social, família, experiência indireta, incerteza, utopia) que ligam o torcedor ao esporte. Como resultado, verificou-se que a maioria dos TCs foram classificados como “indiferentes” com grande ligação pelo conector “utopia”, alusivo aos valores da modalidade. Foi identificado também, que os respondentes não demonstraram qualquer ligação pelos “astros”, bem como os TCs classificados como “fanáticos”, independentemente dos seus conectores, não representam um número significativo na modalidade. Verificou-se ainda que há muitos torcedores classificados como “conhecedores e gastadores”, compreendidos como potenciais alvos para ações de marketing. Os torcedores que discordaram totalmente da sua ligação com o esporte pelo conector “família”, apresentaram uma linearidade negativa maior, sendo: fanático (39,90%), curioso (44,95%), conhecedor (50%) e colecionador (53,03%). Contudo, considerou-se que mesmo com o desenvolvimento nos últimos anos, o rugby ainda não possui “astros” com potencial para atrair o público aos estádios brasileiros. Assim, espera-se que as organizações esportivas deem maior importância para estratégias de marketing voltadas para melhorar o relacionamento com os seus TCs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Pitts BG, Stotlar DK. Fundamentos de marketing esportivo. São Paulo: Phorte; 2002.

Rein I, Kotler P, Shields B. Marketing esportivo: a reinvenção do esporte na busca de torcedores. Porto Alegre: Bookman; 2008.

Dhurup M. Motivational variables that influence fan attendance in domestic rugby matches: sport management and marketing. Afr J Phys Health Educ Recreat Dance. 2010;16:204-220.

Confederação Brasileira de Rugby. Reunião estratégica aberta [internet]. 2016. Disponível em: https://cdn.shopify.com/s/files/1/1219/8728/files/Plano_Estrategico_de_Acao_CBRu.pdf?11175339209833560574

Garland R, Macpherson T, Haughey K. Rugby Fan Attraction Factors. Marketing Bulletin. 2004;15.

Rocha C, Bastos F. Gestão do esporte: definindo a área. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2011;25:91-103.

Rocco Junior AJ. Marketing e gestão do esporte. São Paulo: Atlas; 2012.

Kotler P. Administração de marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Ed. Prentice Hall; 2000.

Kotler P, Armstrong G. Princípios de marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall; 2007.

Poit DR. Organização de eventos esportivos. São Paulo: Phorte; 2006.

Bertoldo CP. Marketing esportivo: o esporte nas estratégias empresariais. São Paulo: Umesp; 2000.

Cobra M. Administração de marketing no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier Editora; 2009.

Morgan MJ, Summers J. Marketing esportivo. São Paulo: Thomson Learning; 2008.

Freitas H, Oliveira M, Saccol AZ, Moscarola J. O método de pesquisa Survey. Rev Adm. 2000;35:105-112.

Mattar MF, Campomar MC. Processo decisório para ações de patrocínio esportivo: análise descritiva em empresas patrocinadoras no Brasil. Rev PMKT. 2011;1.39.

Vieira KM, Dalmoro M. Dilemas na construção de escalas tipo Likert: o número de itens e a disposição influenciam nos resultados? [internet]. 22º Encontro da ANPAD; 6 set. 2008; Rio de Janeiro, Brasil. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/EPQ-A1615.pdf

Malhotra, NK. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman; 2012.

Downloads

Publicado

2022-09-30

Como Citar

Vanucci, L. H. T. ., Dantas, C. R., Perrenoud, L., Grandolpho, B. de L. M. ., & Rocco Júnior, A. J. (2022). A classificação como torcedores e as suas formas de conexão com o esporte, em jogos da seleção brasileira de rugby. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 36, e36172706. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2022e36172706

Edição

Seção

Artigos