Participação feminina no pré-mirim nos jogos escolares de São Paulo

declínio de interesse ou aumento das barreiras?

Autores

  • Sergio Roberto Silveira Universidade de São Paulo. Escola de Educação Física e Esporte
  • Claudia Guedes San Francisco State University. College of Health and Social Sciences
  • Jeff Tuibeo San Francisco State University. College of Health and Social Sciences

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v34i0p97-107

Palavras-chave:

Atividade física, Mulheres, Competições escolares esportiva, Motivação intrínseca

Resumo

O artigo teve como objetivo analisar como os Jogos Escolares do Estado de São Paulo-JEESP, na categoria pré-mirim, têm contribuído para fomentar a participação feminina como forma de promoção de motivação intrínseca e ampliação das chances de adesão e aderência das alunas para a prática de atividade física ao longo da vida. Para tanto, realizou-se uma pesquisa com triangulação de métodos, a partir de dados dos quadros estatísticos dos JEESP, num recorte dos últimos cinco anos (2015-2019), com análise de contexto de educação física e qualidade educacional e, o impacto na promoção da motivação intrínseca. Os resultados mostraram: a) uma participação inferior das meninas em relação aos meninos em todas as modalidades nos cinco anos; b) redução gradual da participação feminina ao longo dos anos; c) aumento da participação feminina em modalidades individuais em situações de extrema diminuição do número de participantes totais na categoria; d) aumento da participação feminina ao longo dos anos em modalidades coletivas futsal e handebol. Dessa forma, concluiu-se que: i) o Estado necessita de uma política de promoção de atividade física às alunas da rede pública de forma mais efetiva e a ser promovida em progressão longitudinal para vencer as barreiras enfrentadas; ii) de acordo com os resultados novas investigações precisam ser realizadas para avaliar os motivos para a possível perda de interesse das alunas e/ou de professores(as) de educação física escolar-EFE em participar das competições escolares nas diversas modalidades; iii) os JEESP não têm funcionado como ação de política pública para a promoção de motivação intrínseca das alunas para a prática de atividade física na fase adulta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Centers for Disease Control. Department of Health and Human Services. Physical Activity Guidelines for Americans, 2nd edition. Washington, DC: US Department of Health and Human Services, 2018.

World Health Organization. Global action plan on physical activity 2018-2030: more active people for a healthier world. Geneva: World Health Organization; 2018.

Downey AM, Frank GC, Webber LS, Harsha DW, Virgilio SJ, Franklin FA, Berenson GS. Implementation of “Heart Smart”: a cardiovascular school health promotion program. J School Health. 1987;57:98-104.

Hayman LL, Williams CL, Daniels SR, Steinberger J, Paridon S, Dennison BA, McCrindle BW. Cardiovascular health promotion in the schools. Circulation. 2004; 110(15):2266-2275.

Physical Education Model Content Standards for California Public Schools, Kindergarten Through Grade Twelve. California Department of Education, 2006.

SHAPE America. Grade-level outcomes for K-12 physical education. Reston, VA, 2013.

Nakamura PM, Teixeira IP, Papini CB, Lemos N, Nazario MESS, Kokubun E. Physical education in schools, sport activity and total physical activity in adolescents. Rev Bras Cineantropometria Desempenho Humano. 2013;15(5):517-526.

Miller J, Pereira M, Wolfson J, Laska M, Nelson T, Neumark-Sztainer D. Developmental trends and determinants of physical activity from adolescence to adulthood diff er by ethnicity/race and sex. J Phys Activity Health. 2018;15(5):345-354.

Owen MB, Curry WB, Kerner C, Newson LM, Fairclough SJ. The effectiveness of school-based physical activity interventions for adolescent girls: a systematic review and meta-analysis. Preventative Med. 2017;105:237-249.

Trilk JL, Pate RR, Pfeiff er KA, Dowda M, Addy CL, Ribisl KM, Neumark-Sztainer D, Lytle LA. A cluster analysis of physical activity and sedentary behavior patterns in middle school girls. J Adolescent Health. 2012;51(3):292-298.

Diamant AL, Babey SH, Wolstein J. Adolescent physical education and physical activity in California. UCLA Center for Health Policy Research, 2011.

Kimm SYS, Glynn NW, Kriska AM, Barton BA, Kronsberg SS, Daniels SR, Crawford PB, Sabry ZI, Liu K. Decline in physical activity in black girls and white girls during adolescence. New England J Med. 2002;347:709-715.

Yang L, Cao C, Kantor ED, et al. Trends in Sedentary Behavior Among the US Population, 2001-2016. JAMA. 2019; 321(16):1587-1597.

McClure SM, Loux TM. Variability in weight concern and physical activity engagement among african american adolescent girls. J Racial Ethnic Health Disparities. 2018;5:1365-1372.

Biddle, SJH, Whitehead SH, O’Donovan TM, Nevill ME. Correlates of participation in physical activity for adolescent girls: a systematic review of recent iterature. J Phys Activity Health. 2005;2:423-434.16. Mistry R, McCarthy WJ, Yancey AK, Lu Y, Patel M. Resilience and patterns of health risk behaviors in California adolescents. Preventative Med. 2009; 48(3):291-297.

Stalsberg R, Pedersen, AV. Are diff erences in physical activity across socioeconomic groups associated with choice of physical activity variables to report?. Int J Environmental Res Public Health. 2018;15(5):922.

Dishman RK, Mclvr KL, Dowda M, Pate RR. Declining physical activity and motivation from middle school to high school. Med Sci Sports Exercise. 2018; 50(6):1206-1215.

Davison KK, Werder JL, Trost SG, Baker BL, Birch LL. Why are early maturing girls less active? Links between pu-bertal development, psychological well-being, and physical activity among girls at ages 11 and 13. Social Sci Med. 2007; 62(12):2391-2404.

Minayo MCS; Assis SG: Souza ER, organizadores. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

Silveira, SR. Educação física no Ensino Médio: subsídios para a uma política pública. In: Carreira Filho D; Correia WR, Moura DL, Silveira SR. Educação Física no Ensino Médio: questões e reflexões. Curitiba: CRV, 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Silveira, S. R., Guedes, C., & Tuibeo, J. (2020). Participação feminina no pré-mirim nos jogos escolares de São Paulo: declínio de interesse ou aumento das barreiras?. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 34(Esp.), 97-107. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v34i0p97-107