Potencial empreendedor de acadêmicos dos cursos de licenciatura e bacharelado em Educação Física de Porto Velho

Autores

  • Rodrigo Pereira Braga Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.
  • André Castro Batista Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.
  • Daniel Delani Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.
  • Silvia Teixeira de Pinho Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.
  • Tatiane Gomes Teixeira Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, RO, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2022e36176246

Palavras-chave:

Mercado de trabalho, Habilidade empreendedora, Formação profissional, Etapa do curso

Resumo

Na atualidade, o Profissional de Educação Física (EDF) enfrenta mudanças significativas em seu mercado de trabalho. Diante do novo cenário, é essencial para esta classe de profissionais desenvolverem a habilidade empreendedora. Este estudo teve como objetivo investigar o potencial empreendedor dos acadêmicos dos cursos de Licenciatura (LI) e Bacharelado (BA) em EDF na cidade de Porto Velho. O potencial empreendedor foi avaliado através da Escala de Avaliação do Potencial Empreendedor. A amostra foi composta por 61 estudantes de BA e 101 de LI em EDF (total 162 acadêmicos), na faixa etária de 18 a 65 anos. Destes, 76 estavam na primeira metade (INI) e 86 estavam na segunda metade (FIN) do curso. Para análise dos dados foi utilizada estatística descritiva e inferencial. O teste de Wilcoxon Mann-Whitney (amostras independentes) foi utilizado para comparação dos grupos (BA versus LI; e INI versus FIN), utilizando-se o valor de p≤0,05 para indicação de significância estatística. Os resultados indicaram que 134 respondentes (83%) apresentaram potencial empreendedor considerado muito forte, com escore de 8 a 10. Não foram encontradas diferenças no perfil empreendedor quando comparados os dados por tipo de curso (BA: 8,16 ± 1,16); (LI: de 8,23 ± 1,05), ou etapa do curso (INI: 8,23 ± 1,06); (FIN: 8,20 ± 1,12). Conclui-se que independentemente da formação (LI/BA) ou etapa do curso, os acadêmicos de EDF de Porto Velho apresentam potencial empreendedor considerado forte e muito forte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Nascimento DA. Formação, profissão e empreendedorismo: três estudos de caso com professores de educação física do ensino universitário [tese]. Braga (Minho): Universidade do Minho; 2009.

Nunes MP, Votre SJ, Santos W. O profissional em educação física no Brasil: desafios e perspectivas no mundo do trabalho. Motriz. 2012;18(2):280-290.

Tommasi L, Corrochano, MC. Do qualificar ao empreender: políticas de trabalho para jovens no Brasil. Estud Av. 2020;34(99):353-372.

Dornelas JCA. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005.

Broch C, Teixeira FC, Souza J, Rinaldi IPB. A expansão da educação física no ensino superior brasileiro. J Phys Educ. 2020;31(22).

Dias GP. Empreendedorismo e educação física: reflexões à sua apreensão/implementação na formação humana. Motrivivência. 2011;35(1):147-165.

Lobato PL, Carmo DD. Estudo do potencial empreendedor dos acadêmicos do 7º período do curso de educação física da Universidade Federal de Viçosa. Rev Port Ciênc Desporto. 2009;9(2):83-96.

Almeida MB, Montagner PC, Gutierrez GL. A inserção da regulamentação da profissão na área de educação física, dez anos depois: embates, debates e perspectivas. Movimento. 2009;15(3):275-292.

Pizani J, Teixeira F, Oliveira A, Barbosa-Rinaldi I. A produção de conhecimento sobre formação inicial e currículo em educação física no Brasil. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2019;33(2):241-254.

Pereira CAH, Lima MSL, Medeiros JL, Alves FAF, Araújo RR, Pereira ACH. Physical education: from science to teaching. Res Soc Dev. 2020;9(9).

Caselli AJ, Ferraz OL. A educação física articulada ao currículo transdisciplinar: limites e possibilidades. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2017;31(3):583-600.

Magrin NP, Simões RMR, Moreira WW. Formação profissional em educação física: estado da arte. Kinesis. 2014;32(2):117-129.

Malhotra KM, Taylor RB. Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

Santos PCF. Uma escala para identificar potencial empreendedor [tese]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2008.

Alves LRR, Bornia AC. Desenvolvimento de uma escala para medir o potencial empreendedor utilizando a Teoria da Resposta ao Item (TRI). Gest Prod. 2011;18(4):775-790.

Souza GHS, Santos PCF, Lima C, Cruz NJT, Lezana AGR, Coelho JAPM. Escala de Potencial Empreendedor: evidências de validade fatorial confirmatória, estrutura dimensional e eficácia preditiva. Gest Prod. 2017;24(2):324-337.

Santos PC, Minuzzi J, Cruz NJT. Propensão e potencial empreendedor em estudantes de farmácia. VI Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. Recife: PE, 2010.

Lopes Junior GS, Souza ECL. Atitude empreendedora em proprietários-gerentes de pequenas empresas: construção de um instrumento de medida. Read. 2005;11(6):1-21.

Bronosky M. A intenção empreendedora no ambiente universitário: caso Unicentro. Rev Cap Cient. 2008;6(1):223-238.

Carreiro L, Coutinho LTM, Melo Junior RFC, Coutinho WLM. Comparação da tendência empreendedora entre acadêmicos de educação física e fisioterapia. EFDeportes. 2010;15(148).

Chagas RA. Potencial empreendedor: um estudo com os discentes ingressantes e concluintes dos cursos de ciências contábeis e atuariais da Universidade Federal da Paraíba [monografia]. João Pessoa (PB): Universidade Federal da Paraíba; 2019.

Leite E. O fenômeno empreendedor. Recife: Bagaço; 2002.

Oliveira VJM, Gomes IM. Os desafios da formação profissional em educação física para a área da saúde: uma interpretação a partir de periódicos da área. Pro-Posições. 2019;30:1-23.

Lima E, Nassif VMJ, Lopes RMA, Silva D. Educação superior em empreendedorismo e intenções empreendedoras dos estudantes. Cad Pesqui. 2014;3:1-51.

Pandolfi MA, Lopes RE. A educação voltada para o empreendedorismo: Um levantamento do debate acadêmico. Rev HISTEDBR. 2013;49:177-196.

Albarracin EJG, Aguilar RAG, Ripoll RR. Actitud e intención emprendedora em estudiantes de administración de empresas y de contaduría pública. Rev Univ Empr. 2020;22(38):79-105.

Leyva-Carreras AB, Alcantara-Castelo JR, Espejel-Blanco MA. Formación del perfil emprendedor en educación superior en la Universidad de Sonora, México. Rev Esc Adm Neg. 2019;86:115-132.

Paraíso DC, Rocha DF, Silva V, Silva CQ, Silva JMC, Soares SM. Empreendedorismo: análise do perfil dos acadêmicos do curso de administração da Unimontes. Rev Interc. 2016;7(1):208-228.

Itelvino LS, Costa PR, Gohn MG, Ramacciotti C. Formação do empreendedor social e a educação formal e não formal: um estudo a partir de narrativas de história de vida. Ensaio. 2018;26(99):471-504.

Echeverri-Sanchez L, Valencia-Arias A. Factores que inciden en la intención emprendedora del estudiantado universitario: un análisis cualitativo. Educare Heredia. 2018;22(2):160-178.

Batista GL, Borges CJ, Brito GD, Nunes LI. Educação Empreendedora na Escola: 5 pilares do empreendedorismo. Porto Velho: Edufro; 2007.

Downloads

Publicado

2022-12-08

Como Citar

Braga, R. P., Batista, A. C. ., Delani, D., Pinho, S. T. de, & Teixeira, T. G. . (2022). Potencial empreendedor de acadêmicos dos cursos de licenciatura e bacharelado em Educação Física de Porto Velho. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 36, e36176246. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2022e36176246

Edição

Seção

Artigos