Valores antropométricos normativos em idosos do Nordeste brasileiro: um estudo populacional

Autores

  • Lucas dos Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.
  • Paulo da Fonseca Valença Neto Ministério da Saúde, Brasília, DF, Brasil.
  • Cláudio Bispo de Almeida Universidade do Estado da Bahia, Guanambi, BA, Brasil.
  • Yuri Silva de Souza Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.
  • Débora Jesus da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.
  • Cezar Augusto Casotti Casotti Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2022e36184395

Palavras-chave:

Envelhecimento, Epidemiologia, Músculo esquelético, Tecido adiposo

Resumo

Este estudo teve como objetivo descrever e analisar o perfil antropométrico de idosos residentes em um município de pequeno porte do Nordeste brasileiro. Trata-se de um estudo transversal conduzido com 211 idosos. Realizou-se entrevistas face a face e mensurações antropométricas. Os indicadores antropométricos foram circunferências da panturrilha (CP) e do braço (CB), área muscular do braço (AMB), área muscular do braço corrigida (AMB-c), circunferência muscular do braço (CMB), circunferência da cintura (CC), dobra cutânea tricipital (DCT), área adiposa do braço (AAB) e índice de massa corporal (IMC). Utilizou-se percentis, médias, medianas, valores mínimos e máximos, desvios padrão e intervalos interquartis. Nas análises comparativas adotou-se nível de significância de 5%. Identificou-se que os homens apresentaram maiores valores na CP, CMB, AMB e AMB-c, e as mulheres maior DCT, AAB e IMC. Por grupos etários verificou-se que as idosas com idade de 60-69 a 70-79 anos tinham maior CP e DCT do que as longevas. Averiguou-se, também, que as mulheres com idade de 60-69 anos possuíam maior CB, CMB, AMB, AMB-c e AAB, quando comparadas àquelas dos demais grupos etários. Ademais, as idosas de 60-69 anos demonstraram maior CC e IMC, em relação às avaliadas com idade ≥80 anos. No sexo masculino foi identificado que nos grupos de 60-69 e 70-79 anos foram maiores os valores da CB, CMB, AMB e AMB-c, em relação aos observados no grupo etário ≥80 anos. As evidências rementem que, na população avaliada, os homens possuíam maiores valores nas variáveis relacionadas a massa muscular, enquanto as mulheres nas de adiposidade. Em ambos os sexos, os idosos mais jovens dispunham de maiores valores nos indicadores de massa muscular e as mulheres longevas menor adiposidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.

Graduado em Educação Física e Doutorando em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); Bolsista da Fundanção de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB); Membro Pesquisador do Núcleo de Estudos em Epidemiologia do Envelhecimento (NEPE/UESB), do Grupo de Estudos em Fisiologia Cardiometabólica e Exercício (GEFEX/UESB) e do Grupo de Estudo e Pesquisa em Epidemiologia (GEPE/UESB). 

Paulo da Fonseca Valença Neto, Ministério da Saúde, Brasília, DF, Brasil.

Graduado em Educação Física e Mestre em Ciências da Saúde; Membro Pesquisador no Grupo de Estudo e Pesquisa em Epidemiologia (GEPE) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); Atualmente atua no Departamento de Monitoramento e Avaliaçao do Sistema Único de Saúde (Demas) na Secretaria Executiva (SE) do Ministério da Saúde (MS) do Brasil.

Cláudio Bispo de Almeida , Universidade do Estado da Bahia, Guanambi, BA, Brasil.

Graduado em Educação Física e Doutor em Ciências da Saúde; Professor Assistente do Curso de Educação Física da Universidade do Estado da Bahia (UNEB); Membro Pesquisador no Grupo de Estudo e Pesquisa em Epidemiologia (GEPE) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB).

Yuri Silva de Souza, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.

Graduando em Educação Física e Bolsista de Iniciação Cíentifica pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); Intergrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Epidemiologia (GEPE/UESB).

Débora Jesus da Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.

Graduanda em Educação Física pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); Bolsista de Iniciação Científica pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Epidemiologia (GEPE/UESB).

Cezar Augusto Casotti Casotti, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, BA, Brasil.

Graduado em Odontologia; Doutor em Odontologia Preventiva e Social; Professor Titular do Departamento de Saúde (DS) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), atuando no Curso de Odontologia e no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e Saúde (PPGES/UESB); Coordenador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Epidemiologia (GEPE/UESB).

Referências

Jafarinasabian P, Inglis JE, Reilly W, Kelly OJ, Ilich JZ. Aging human body: changes in bone, muscle and body fat with consequent changes in nutrient intake. J Endocrinol. 2017;234(1):37-51. doi: 10.1530/JOE-16-0603.

Cruz-jentoft AJ, Bahat G, Bauer J, et al. Sarcopenia: revised European consensus on definition and diagnosis. Age Ageing. 2019;48(1):16-31. doi: 10.1093/ageing/afy169.

Fuentes E, Fuentes F, Vilahur G, Badimon L, Palomo I. Mechanisms of chronic state of inflammation as mediators that link obese adipose tissue and metabolic syndrome. Mediators Inflammation. 2013; 2013:136584. doi: 10.1155/2013/136584.

Gonçalves TJM, Horie LM, Gonçalves SEAB, et al. Diretriz BRASPEN de terapia nutricional no envelhecimento [internet]. Braspen J. 2019;34(3):1-68. Disponível em: https://nutritotal.com.br/pro/wp-content/uploads/sites/3/2019/11/Material-1-diretriz-TN-no-envelhecimento.pdf.

Tavares EL, Santos DM, Ferreira AA, Menezes MF. Avaliação nutricional de idosos: desafios da atualidade. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(3):643-650. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14249.

; Alexandre TS, et al. Prevalência e fatores associados à sarcopenia, dinapenia e sarcodinapenia em idosos residentes no Município de São Paulo-Estudo SABE. Rev Bras Epidemiol. 2019;21:180009. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1980-549720180009.supl.2.

Fagundes LC, Fernades MH, Brito TH, Coqueiro RS, Carneiro JAO. Prevalence and factors associated with hypertriglyceridemic waist in the elderly: a population-based study. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23(2):607-616. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018232.02862016.

Sampaio LS, Carneiro JAO, Coqueiro RS, Fernandes MH. Indicadores antropométricos como preditores na determinação da fragilidade em idosos. Ciênc Saúde Coletiva. 2017;22(12):4115-4124. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320172212.05522016.

Silveira EA, Vieira LL, Souza JD. Elevada prevalência de obesidade abdominal em idosos e associação com diabetes, hipertensão e doenças respiratórias. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23(3):903-912. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018233.01612016.

Menezes TN, Marucci MFN. Perfil dos indicadores de gordura e massa muscular corporal dos idosos de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007;23(12):2887-2895. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007001200010.

Mastroeni MF, Mastroeni SSBS, Erzinger GS, Marucci MFN. Antropometria de idosos residentes no município de Joinville-SC, Brasil. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2010;13(1):29-40. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232010000100004.

Menezes TN, Brito MT, Araújo TBP, Silva CCM, Nolasco RRN, Fischer MATA. Perfil antropométrico dos idosos residentes em Campina Grande-PB. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013;16(1):19-27. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232013000100003.

Sass A, Marcon SS. Comparação de medidas antropométricas de idosos residentes em área urbana no sul do Brasil, segundo sexo e faixa etária. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015;18(2):361-372. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.13048.

Correia, ARB, Coquero RS, Santos MC, et al. Anthropometric reference values for community-dwelling older adults from northeastern Brazil. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2014;16(5):494-503. doi: http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2014v16n5p494.

Rezende FAC, Ribeiro AQ, Priore SE, Fransceschinni SCC. Anthropometric differences related to genders and age in the elderly. Nutr Hospi. 2015;32(2):757-764. doi: http://dx.doi.org/10.3305/nh.2015.32.2.8641.

Barbosa AR, Souza JMP, Lebrão ML, Laurenti R, Marucci MFN. Anthropometry of elderly residents in the city of São Paulo, Brazil. Cad Saúde Pública. 2005;21(6):1929-1938. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2005000600043

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativa da população residente nos municípios brasileiros, 2019 [internet]. Disponível em: https://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/estrutura_territorial/divisao_territorial/

Icaza MC, Albala C. Minimental State Examination (MMSE) del estudio de dementia en Chile: análisis estatístico. Organização Pan-Americana de Saúde. 1999:1-18. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/pah-28530.

Rodrigues SC, Santos L, Pinheiro Junior AJ, Valença Neto PF, Casotti CA. Nível de atividade física em idosos residentes em um município de pequeno porte: dados do estudo base [internet]. Rev Bras Prescr Fisiol Exerc. 2019;13(82):295-302. Disponível em: http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/download/1696/1194/.

Frisancho AR. New standards of weight and body composition by frame size and height for assessment of nutritional status of adults and the elderly. Am J Clin Nutr. 1984;40(4):808-819. doi: 10.1093/ajcn/40.4.808.

Callaway CW. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics Books; 1988.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic: report of a WHO Consultation [internet]. Geneva: WHO; 2000. Disponível em: https://www.who.int/nutrition/publications/obesity/WHO_TRS_894/en/

Lohman TG. Advances in body composition assessment: current issues in exercises science. Illinois: Human Kinetic Publisher; 1992.

Harrison GG. Skinfold thickness and measurement technique. In: Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Anthropometric standardization reference manual. Illinois: Hyuman Kinectic Books; 1988.

Heymsfield SB, McManus C, Smith J, Stevens V, Nixon DW. Anthropometric measurement of muscle mass: revised equations for calculating bone-free arm muscle area. Am J Clin Nutr. 1982;36(4):680-690. doi: 10.1093/ajcn/36.4.680.

Gurney JM, Jelliffe DB. Arm anthropometry in nutritional assessment: nomogram for rapid calculation of muscle circumference and cross-sectional muscle and fat areas. Am J Clin Nutr. 1973;26(9):912-915. doi: 10.1093/ajcn/26.9.912.

Kamimura MA. Avaliação nutricional. Cuppari L. Guia de nutrição: nutrição clínica no adulto. Barueri: Manole; 2005.

Handelsman DJ, Hirschberg AL, Bermon S. Circulating testosterone as the hormonal basis of sex differences in athletic performance. Endoce Rev. 2018;39(5):803-829. doi: 10.1210/er.2018-00020.

Straight CR, Brady AO, Evans E. Sex-specific relationships of physical activity, body composition, and muscle quality with lower-extremity physical function in older men and women. Menopause. 2015;22(3):297-303. doi: 10.1097/GME.0000000000000313.

Greendale GA, Sternfeld B, Huang MH, et al. Changes in body composition and weight during the menopause transition. JCI Insight. 2019;4(5)e124865. doi: 10.1172/jci.insight.124865.

Xu Y, López M. Central regulation of energy metabolism by estrogens. Mol Metab. 2018;15:104-115. doi: 10.1016/j.molmet.2018.05.012.

-. Gaddey HL, Holder K. Unintentional weight loss in older adults. Am Fam Physician. 2014;89(9):718-722. https://www.aafp.org/afp/2014/0501/p718.html.

World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry [internet]. Geneva: WHO; 1995. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/37003/WHO_TRS_854.pdf?sequence=1.

Tieland M, Trouwborst I, Clark BC. Skeletal muscle performance and ageing. J Cachexia Sarcopenia Muscle. 2018;9(1):3-19. doi: 10.1002/jcsm.12238.

Mitchell WK, Williams J, Atherton P, Larvin M, Lund J, Narici M. Sarcopenia, dynapenia, and the impact of advancing age on human skeletal muscle size and strength: a quantitative review. Front Physiol. 2012;3:260. doi: 0.3389/fphys.2012.00260.

Davis SR, Castelo-Branco C, Chedraui P. Understanding weight gain at menopause. Climacteric. 2012;15(5):419-429. doi: 10.3109/13697137.2012.707385.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

Santos, L. dos ., Valença Neto, P. da F., Almeida , C. B. de, Souza, Y. S. de, Silva, D. J. da, & Casotti, C. A. C. (2022). Valores antropométricos normativos em idosos do Nordeste brasileiro: um estudo populacional. Revista Brasileira De Educação Física E Esporte, 36, e36184395. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.2022e36184395

Edição

Seção

Artigos